FETEC-CUT-PR foi representada pela diretora Vandira Martins Oliveira, Secretária da Mulher da entidade

Na quarta-feira, 11 de março, foi assinado em São Paulo um Aditivo à Convenção Coletiva de Trabalho da categoria bancária em que os bancos se comprometem a implantar diretrizes de combate à violência contra a mulher e medidas de acolhimento à mulher bancária vítima de violência doméstica.

O acordo foi assinado entre entidades sindicais representantes das trabalhadoras bancárias e a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) para estabelecer esse canal de acolhimento. As regras a serem implantadas ainda estão em fase de definição e o acordo é uma reivindicação das trabalhadoras bancárias que está em negociação desde março de 2019.

“De forma pioneira o setor bancário firma a primeira norma coletiva do país de proteção à mulher trabalhadora vítima de violência doméstica, visando oferecer ajuda para que supere essas situações. Esse é um passo ímpar e uma grande conquista, porque essa é uma causa que diz respeito a sociedade como um todo”, defende Vandira Martins Oliveira, diretora da Secretaria da Mulher da Federação dos Trabalhadores em Empresas de Crédito do Paraná (FETEC-CUT-PR), que participou da assinatura do acordo em São Paulo.

Vandira explica que o setor bancário emprega cerca de 220 mil mulheres em todos os municípios do país e que diversos órgãos e canais são instituídos no Brasil para coibir a violência de gênero e que é medida importante que esse debate seja assumido pelo movimento sindical nas relações trabalhistas. “Quando é vítima de violência, a mulher trabalhadora também é submetida a punições nas relações trabalhistas pois suas faltas e desempenho no trabalho são cobradas como se sua vida estivesse em situação de normalidade. Por isso é importante que os bancos se comprometam com o acolhimento”, finaliza.

Segundo dados do Atlas da Violência de 2019, produzido pelo IPEA e pelo Fórum Nacional de Segurança Pública, apresentados no evento, 13 mulheres são assassinadas por dia no Brasil, uma média de duas por hora. A Organização Mundial da Saúde (OMS) classifica o Brasil com a quinta maior taxa de feminicídios entre 84 nações pesquisadas. Segundo o Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2019, em 2018 foram 1.206 casos de feminicídio no Brasil. No Paraná, de acordo com a Secretaria de Segurança Pública do estado, foram 61 feminicídios em 2018 e 73 de janeiro a outubro de 2019. E os índices de violência de gênero crescem quando as vítimas são mulheres negras, que são vítimas de 57% dos casos de violência sexual e 51% dos casos de agressões, conforme relatório do Instituto Igarapé com base em atendimentos do Sistema Único de Saúde durante o período de 2010 a 2017 e divulgado no final do ano passado.

Saiba mais: Bancárias terão apoio contra violência doméstica

Escreva um comentário

Rua XV de novembro, 270, sala 510, Centro, Curitiba-PR, CEP 80020-310, Fone (41)-33229885, Fax (41)-33245636, fetec@fetecpr.org.br