Foto: Dino Santos

Em 12 de agosto de 1983, Margarida Maria Alves, presidenta do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Alagoa Grande, na Paraíba, foi assassinada na porta de sua casa. Por denunciar abusos e desrespeito aos direitos das trabalhadoras e trabalhadores rurais, a dirigente sindical pagou com a vida, mas como tantos outros lutadores, virou semente. Assim, desde o ano 2000, a cada quatro anos, milhares de mulheres do campo, da floresta e das comunidades ribeirinhas tomam as ruas de Brasília para continuar essa luta. Os 20 anos da Marcha das Margaridas, no entanto, será marcado por um ato comemorativo virtual. As redes sociais da Confederação Nacional dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares (Contag) transmitem o evento a partir das 14h desta quarta (12).

Governo negacionista

Coordenadora-geral da 6ª Marcha das Margaridas, que em 2019 reuniu mais de 100 mil mulheres na capital federal, Mazé lamenta a situação em que o Brasil está mergulhado, “com um governo que não se preocupa com a saúde da nossa sociedade, que nega os direitos da classe trabalhadora, machista, racista, negacionista”. Mas avisa: a luta continua. “Pra gente é um momento muito desafiador e as Margaridas continuam na luta, continuam em movimento. Apesar da pandemia, continuamos honrando a memória de Margarida Alves. Nos inspirando naquilo que ela sempre colocou pra gente, que é melhor morrer na luta que morrer de fome. Seguiremos em marcha até que todas nós sejamos livres.”

A dirigente relata que o adoecimento pela covid-19 tem chegado de forma mais forte à população do campo, da floresta e das regiões ribeirinhas. “Tem saído das grandes capitais, indo para os pequenos municípios e automaticamente chegando aos nossos territórios, às nossas comunidades indígenas, quilombolas, nos assentamentos, nos mais diversos locais onde a gente mora”, lamenta. “E isso nos preocupa muito diante da dificuldade de acesso à saúde pública. Quem vive no campo sofre muito mais com as dificuldades dessa falta de atenção básica para essa população que está em situação de vulnerabilidade social mais drástica. Ainda mais em um governo que não está nem aí para a população, sobretudo com os agricultores e agricultoras familiares.

Homenagem

Os 20 anos da Marcha das Margaridas foi motivo de homenagem solene na Câmara dos Deputados, nesta terça-feira (11). Realizada pela Contag, federações e seus sindicatos filiados, a maior ação de luta e resistência de mulheres do campo, da floresta e das águas do Brasil e da América Latina, conta com o apoio de várias organizações.

A homenagem foi iniciativa das deputas Erika Kokay (PT-DF) e Maria do Rosário (PT-RS), e do deputado Vilson da Fetaemg (PSB-MG). “Nesses 20 anos, a Marcha das Margaridas vem anunciando as bases de um desenvolvimento sustentável que, a partir de relações justas e igualitárias, pautadas nos valores da ética, solidariedade, reciprocidade e respeito à natureza, tem como um dos pilares a produção de alimentos saudáveis”, lembrou Mazé durante a homenagem que também foi realizada por meio virtual. “Portanto, as mulheres do campo, da floresta e das águas, seguem em marcha em defesa dos seus territórios e do Estado democrático de direito, denunciando a violência que estão sofrendo, o aumento das desigualdades sociais e as violações de direitos. Isso requer luta e resistência”, ressaltou.

 

Texto: Claudia Motta

Fonte: Rede Brasil Atual

Escreva um comentário

Rua XV de novembro, 270, sala 510, Centro, Curitiba-PR, CEP 80020-310, Fone (41)-33229885, Fax (41)-33245636, fetec@fetecpr.org.br