Rua XV de novembro, 270, sala 510, Centro, Curitiba-PR, CEP 80020-310, Fone (41)-33229885, Fax (41)-33245636, fetec@fetecpr.org.br
 
 
publicado em 21 de agosto de 2018 às 11:21:
Banco público dos governos Lula/Dilma financiava moradia e agricultura familiar; o de Temer patrocina Reforma Trabalhista

Deputado Federal Enio Verri comenta uso dos bancos públicos pelo governo Temer para financiar seminários a favor da Reforma Trabalhista

Após denúncia da Federação dos Trabalhadores em Empresas de Crédito do Paraná (FETEC-CUT-PR), de que os bancos públicos Banco do Brasil e Caixa patrocinam seminários a favor da Reforma Trabalhista, deputado federal Enio Verri (PT) afirma que bancos sob a gestão Temer atuam sob viés empresarial, de modo a provocar precarização das condições de trabalho e de vida dos brasileiros. Confira íntegra da entrevista:

FETEC-CUT-PR: Como você avalia a confirmação dos bancos públicos, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal, de patrocinarem seminários a favor da reforma trabalhista?

Enio Verri – É espantoso e indignante que bancos públicos sejam utilizados como ferramenta de convencimento de uma reforma que, na verdade, é um atraso econômico e social para o País. Ao longo dos governos do Partido dos Trabalhadores, essas ferramentas foram utilizadas para apoiar a agricultura familiar, financiar o maior programa de habitação da história do País, bem como para inserir jovens pobres nas universidades.

Agora, estão a serviço de desregulamentar totalmente as relações capital/trabalho e provocar a precarização das condições de trabalho e de vida da classe trabalhadora.

Os bancos estão na mira desse desgoverno privatista e entreguista. A participação deles nesses eventos é construção de know how para aplicar a reforma em seus próprios servidores, caso Temer consiga privatiza-los, ou seja eleito qualquer candidato do campo da direita.

Esse direcionamento de verba para esse tipo de interesse é uma característica do governo temer?

Sim, e não apenas do desgoverno Temer. É um traço genético de todo e qualquer governo prosélito do Estado Mínimo, como os do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB). O objetivo de Temer é conseguir realizar o que FHC não teve condições de fazer, que é entregar, a qualquer preço, todas as riquezas energéticas e empresas estratégicas. Para essa ideologia, é perfeitamente coerente utilizar ferramentas do Estado para produzir o seu próprio desmonte.

Como os bancos públicos devem responder essa postura diante da população?

É premente que quem responde pelos patrocínios venha dizer ao povo, via audiência pública, o porquê de promover uma reforma que prejudica toda a classe trabalhadora, a economia do País, a sociedade como todo e favorece apenas 15% da população. Porém, devido ao calendário eleitoral, é improvável que se convoque uma audiência pública antes de outubro. As audiências públicas são agendadas com antecedência de 15 dias e, como a próxima convocação da Câmara é para o início de setembro, somente a partir de novembro conseguiremos retomar esse debate.

 

Saiba mais

Dinheiro público financia seminários a favor da reforma trabalhista

Caixa e Banco do Brasil se juntam aos banqueiros privados para “explicar” reforma trabalhista

Reforma Trabalhista: após denúncia da FETEC-CUT-PR, deputada Erika Kokay questiona apoio de Comissão do Trabalho da Câmara a seminários

deixe seu comentário

 
últimas notícias
5 de dezembro de 2018
  Laço Branco: Dia de Mobilização do Homem pelo Fim da Violência Contra a Mulher
5 de dezembro de 2018
  FETEC/PR promove seminário sobre igualdade de oportunidades em Londrina
30 de novembro de 2018
  Coletivo de Saúde inicia planejamento nacional para 2019
30 de novembro de 2018
  Ratinho quer privatizar uma das melhores empresas de banda larga do Brasil
30 de novembro de 2018
  Seminário analisou impactos da Reforma Trabalhista
  © Copyright 2011. Todos os direitos reservados.
WebmaniaBR® - Ideias em códigos