Rua XV de novembro, 270, sala 510, Centro, Curitiba-PR, CEP 80020-310, Fone (41)-33229885, Fax (41)-33245636, fetec@fetecpr.org.br
 
 
publicado em 22 de agosto de 2018 às 12:39:
Banqueiros querem retirar PLR de mães em licença-maternidade

Em negociação na terça (21), bancos apresentaram proposta de exclusão de pagamento integral de participação nos lucros para mulheres em licença-maternidade. 

A misoginia e o machismo apareceram formalmente na última mesa de negociação entre os trabalhadores bancários e a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban), entidade de representação patronal dos banqueiros.

Após oito rodadas de negociação, a nova proposta, já rejeitada na mesa, condiciona o reajuste de 0,5% de aumento real à exclusão de algumas cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) vigente. A mais absurda delas, a exclusão das mulheres em licença-maternidade do pagamento integral de Participação nos Lucros e Resultados (PLR). “Os bancos, apesar de apresentar uma lucratividade exorbitante nos mais adversos cenários econômicos, promovem uma política de gênero machista e discriminatória, em que as mulheres sempre são muito prejudicadas. Quando homens são desligados e mulheres são contratadas a média salarial cai muito. Não está sendo diferente na negociação deste ano de 2018, quando esta postura está sendo reforçada com a proposta de alteração de cláusulas que atingem mulheres afastadas por gravidez, e também por doença, que serão atingidas duramente com a redução da PLR”, afirma Vandira Martins de Oliveira, diretora da Secretaria da Mulher da Federação dos Trabalhadores em Empresas de Crédito do Paraná (FETEC-CUT-PR). “A Secretaria da Mulher da FETEC PR repudia esta atitude dos bancos pois, nós mulheres, representamos metade da categoria bancária e não podemos aceitar esta atitude discriminatória, porque reflete uma cultura extremamente machista que combatemos todos os dias”, diz a dirigente.

Para mensurar o número de mulheres atingidas pela proposta, a FETEC-CUT-PR questionou a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) sobre o número de mulheres bancárias em licença-maternidade no país e a entidade negou que tivesse acesso a esse número. De acordo com estatísticas referentes ao mês de maio de 2018, o salário maternidade representou 11,68% dos benefícios concedidos pela Previdência Social, sendo que o valor médio desses benefícios é pouco mais de R$ 1.000.

Desde 2009, a categoria bancária teve importante avanço social para as mulheres: a extensão da licença-maternidade para 180 dias garantida em CCT. E as mães também têm garantida pela CCT a complementação salarial (diferença entre o teto pago pela previdência e o salário na ativa), o valor integral do vale-alimentação em todo o período, e o valor integral da PLR. O que os bancos querem é que as mães recebam somente pelo período em que ainda trabalhavam grávidas para cumprir metas. A CCT também estabelece dois meses de estabilidade após o término da licença-maternidade.

De acordo com levantamento do Departamento Intersindical de Estudos Estatísticos e Socioeconômicos (Dieese), foram admitidas 6.729 mulheres nos bancos no primeiro semestre de 2018, mas o salário médio, de R$ 3.451,91, corresponde a 71,1% da remuneração média dos 7.219 homens contratados no período. Já na demissão, as mulheres receberam em média 74,2% da remuneração média dos homens desligados pelos bancos no mesmo período.

A FETEC-CUT-PR irá entrar em contato com os cinco maiores bancos que atuam no país (Itaú, Bradesco, Santander, BB e Caixa) para saber quantas são as mulheres bancárias que seriam prejudicadas com essa proposta dos bancos, que está chancelando uma frase notória: que mulher “merece ganhar menos porque engravida”.

deixe seu comentário

 
últimas notícias
19 de setembro de 2018
  Financiários garantem proposta de aumento real da Fenacrefi
12 de setembro de 2018
  Financiários retomam negociações com Fenacrefi na terça-feira (18)
12 de setembro de 2018
  Privatização da Eletrobras avança e presidente anuncia novo plano de demissão
12 de setembro de 2018
  PT anuncia Haddad como candidato a presidente após justiça impugnar Lula
11 de setembro de 2018
  Beto Richa (PSDB) e parentes são presos pelo Gaeco
  © Copyright 2011. Todos os direitos reservados.
WebmaniaBR® - Ideias em códigos