Rua XV de novembro, 270, sala 510, Centro, Curitiba-PR, CEP 80020-310, Fone (41)-33229885, Fax (41)-33245636, fetec@fetecpr.org.br
 
 
publicado em 17 de Maio de 2019 às 9:50:
Bolsonaro na parede: manifestações voltam às ruas em 30 de maio

As manifestações contra os cortes orçamentários na educação continuarão: está agendada para o dia 30 de maio uma nova paralisação. O anúncio foi feito por estudantes que participaram do ato na quarta-feira 15 e confirmado pela União Nacional dos Estudantes (UNE) em suas redes sociais. O movimento vai desembocar em uma greve geral no dia 14 de junho, convocada pela CUT e demais sindicais brasileiras, que também pautam uma agenda contra a reforma da Previdência.

No primeiro dia da paralisação, todos os Estados e o Distrito Federal registraram manifestações. Mais de 170 cidades também aderiram ao Dia Nacional de Defesa da Educação. Um balanço parcial das entidades organizadoras aponta que a greve nacional mobilizou até agora mais de 1 milhão de pessoas em todo o País.

Em São Paulo, os manifestantes iniciaram o ato em frente ao Masp, na Avenida Paulista. Segundo estimativa da UNE, 250 mil pessoas participaram da manifestação. Muitas crianças foram vistas. Frases como “O valor da minha pesquisa não se mede por chocolates” e a fórmula da água estampavam os cartazes dos manifestantes. Em passagem pelos EUA, o presidente Bolsonaro desqualificou os estudantes que saíram às ruas em protesto contra os cortes na educação.

“É natural, é natural. Agora, a maioria ali é militante, não tem nada da cabeça. Se perguntar quanto é 7×8, não sabe. Se perguntar qual é a fórmula da água, não sabe. São uns idiotas úteis, uns imbecis que estão sendo usados como massa de manobra de uma minoria espertalhona que compõe e núcleo de muitas universidades no Brasil”, disse a jornalistas que o esperavam na porta de um hotel em Dallas, no Texas.

O movimento também teve força em diversas outras localidades. Em Brasília, os manifestantes caminharam em direção ao Ministério da Educação. Estudantes da área da saúde da Universidade de Brasília (UNB), uma das acusadas de promover balbúrdia pelo ministro da educação Abraham Weintraub, fizeram um mutirão de atendimento voluntário logo cedo como maneira de repudiar a declaração e mostrar a importância das atividades da universidade.

Em Sergipe, estudantes usaram roupas pretas e fizeram uma encenação para sinalizar o luto vivido pela educação no atual governo. A cidade de Diamantina, em Minas Gerais, realizou o maior ato de sua história, segundo a UNE.

A data também repercutiu no exterior. Um grupo de estudantes, professores e pesquisadores brasileiros que moram em Paris protestou em frente à Cité Universitaire, centro de residências universitárias para estudantes estrangeiros que vão realizar pesquisas em instituições francesas. Munidos de cartazes coloridos, o grupo sinalizou repúdio aos cortes orçamentários e preocupação com o futuro das bolsas de pesquisa no exterior.

Enquanto isso, uma sabatina…

Enquanto milhares ocupavam as ruas do País contra as medidas anunciadas para a educação, o ministro Abraham Weintraub compareceu ao Plenário da Câmara dos Deputados para explicar as políticas de ministério. Ele foi sabatinado por parlamentares da oposição e da base governista. O ministro afirmou que o contingenciamento dos valores repassados às universidades faz parte da segurança financeira do governo Bolsonaro, que não vê uma escalada econômica no ritmo que pretendia.

Ao comentar sobre a ligação do presidente Jair Bolsonaro, que teria pedido para cancelar o contingenciamento em decorrências dos protestos previstos, Weintraub afirmou que ninguém ouviu a versão dele. “Eu falei: ‘presidente, não é corte nenhum, é contingenciamento’. Foi um mal entendido. Eu fui à noite lá, conversei com o presidente, já tinha explicado por telefone.”

Os cortes propostos pelo Ministério são generalizados, apesar de terem tirado a maior fração das universidades públicas. “Limpeza e segurança só vão passar a ter problemas a partir de setembro”, comentou o ministro ao ser questionado sobre as operações das universidades.

O principal argumento utilizado por Weintraub para explicar demais políticas do MEC foi a defesa da educação básica. “A gente se propõe a cumprir com o plano de governo que foi apresentado para toda a população durante a campanha”, disse.

Acesse aqui para ler mais diretamente na Carta Capital

 

Por ANA LUIZA BASILIO
Carta Capital

deixe seu comentário

 
últimas notícias
10 de junho de 2019
  Escândalo: Dallagnol duvidava das provas contra Lula e de propina da Petrobras
7 de junho de 2019
  STF vota a favor de privatizar subsidiárias de estatais sem aval do Congresso
6 de junho de 2019
  Manifesto em Curitiba reúne pessoas em situação de rua, esse lugar de ninguém
5 de junho de 2019
  Senado aprova MP que dificulta o acesso do trabalhador ao benefício do INSS
3 de junho de 2019
  Novas tecnologias: fintechs e o emprego bancário
  © Copyright 2011. Todos os direitos reservados.
WebmaniaBR® - Ideias em códigos