Rua XV de novembro, 270, sala 510, Centro, Curitiba-PR, CEP 80020-310, Fone (41)-33229885, Fax (41)-33245636, fetec@fetecpr.org.br
 
 
publicado em 2 de Janeiro de 2019 às 9:12:
Bolsonaro presidente promete democracia, mas ataca ‘ideologias’

Ao tomar posse, ele repetiu bordões de campanha e disse que o país ficará livre de “amarras ideológicas”. Também prometeu “reformas estruturantes” e disse que sua equipe foi montada de forma técnica
REPRODUÇÃO

Posse Bolsonaro

Bolsonaro pregou contra a “ideologia de gênero” e disse ter montado equipe “de forma técnica”

São Paulo – Exatamente às 15h10 desta terça-feira (1º), Jair Bolsonaro foi empossado presidente do Brasil, durante cerimônia presidida pelo presidente do Congresso, senador Eunício Oliveira (MDB-CE). Ele prometeu “proteger e revigorar a democracia brasileira”, repetindo bordões de campanha, como o combate à “ideologia de gênero”, à educação como formadora de “militantes”, e prometendo um país livre de “amarras ideológicas”.

O discurso durou apenas 10 minutos, e no final Bolsonaro disse que o país será “forte, pujante, confiante e ousado”. Segundo ele, sua equipe foi montada “de forma técnica” e a economia trará “a marca da confiança”, com reformas estruturantes, menos regulamentação e burocracia. O presidente defendeu um “pacto” entre a sociedade e os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário.

Em referência ao atentado sofrido em setembro, em Juiz de Fora (MG), Bolsonaro iniciou sua fala agradecendo a Deus “por estar vivo”. Ele atribuiu o ataque sofrido aos “inimigos da pátria, da ordem e da liberdade”, afirmando que o episódio deflagrou um “movimento cívico” que o levou à Presidência. E disse que seu compromisso é garantir uma sociedade “sem discriminação ou divisão”.

Para o presidente empossado, as escolas devem “preparar para o trabalho” e “não militância política”. Ele também fez referência a uma maior liberdade do uso de armas, afirmando que “o cidadão de bem merece dispor de meios para se defender”. Pediu ao Congresso Nacional “respaldo jurídico” para a ação policial.

Ao lado de sua mulher, Michelle, o presidente deixou a Granja do Torto, residência oficial da Presidência, às 14h30, em carro blindado. O público foi mantido à distância – em alguns trechos, havia tapumes. Ele parou diante da Catedral às 14h43, fez uma breve saudação e encaminhou ao Rolls-Royce usado desde os anos 1950 para posse de presidentes. Até o último instante, não se sabia se ele usaria ou não o veículo, alegando questões de segurança.

Escoltado à frente por batedores de motocicleta e atrás pelo Dragões da Independência, Bolsonaro fez o trajeto de pouco mais de um quilômetro até o Congresso, onde foi recebido, na rampa, por Eunício e pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). A sessão solene foi aberta às 15h02, tendo à mesa o presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, e a procuradora-geral da República Raquel Dodge.

Entre os presentes à cerimônia, estavam chefes de Estado como o premiê israelense, Benjamin Netanyahu, e o presidente da Bolívia, Evo Morales. Também compareceram dois ex-presidentes da República: Fernando Collor e José Sarney. As bancadas parlamentares do PT, Psol e PCdoB se ausentaram.

Em seguida, discursou do Parlatório, que fica diante do palácio. No final da tarde, o Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência da República afirmou que o público foi estimado em 115 mil, bem abaixo dos até 500 mil previstos. Fonte: Rede Brasil Atual

deixe seu comentário

 
últimas notícias
15 de Março de 2019
  Ação contra MP dos sindicatos vai ao plenário do STF
15 de Março de 2019
  22 de março é dia de ir às ruas para lutar pela aposentadoria
13 de Março de 2019
  Manifesto contra a Reforma da Previdência (PEC 06/2019)
11 de Março de 2019
  Com governo em queda, Bolsonaro espalha fake news para agredir jornalista
8 de Março de 2019
  Dieese: as mulheres, outra vez, na mira da reforma da Previdência
  © Copyright 2011. Todos os direitos reservados.
WebmaniaBR® - Ideias em códigos