A CPI da Covid do Senado aprovou nesta quarta-feira (15) a convocação da ex-mulher do presidente Jair Bolsonaro (ex-PSL), Ana Cristina Siqueira Valle para prestar depoimento.

O que motivou a convocação foram as mensagens trocadas entre Ana Cristina e o lobista Marconny Albernaz de Faria, que depôs ontem. As mensagens mostram que ela encaminhou ao presidente indicações de Marconny para cargos em órgãos do governo.

O lobista Marconny Faria, que é amigo também  do filho zero 4 do presidente, Jair Renan Bolsonaro, é investigado por sua atuação em favor da Precisa Medicamentos que negociou com o Ministério da Saúde a venda da vacina  indiana Covaxin, de acordo com as denúncias, com 1000% de superfaturamento.

Ao final do depoimento de ontem ele passou de testemunha para investigado. Se negou a responder questionamentos e adotou uma postura de descaso com a comissão. Chegou a afirmar que trabalhou para um senador que teria ajudado em um negócio de 12 milhões de testes de Covid-19 com o governo, mas questionado sobre qual senador teria facilitado a intermediação, respondeu que “não lembrava”.

O senador Alessandro Vieira (Cidadania-ES), autor do requerimento, justificou a convocação de Ana Cristina por causa da relação dela com o lobista.

“Como se sabe, o senhor Marconny Faria atuou como lobista da empresa Precisa Medicamentos, investigada pela CPI da Pandemia em razão de irregularidades na negociação de compra da vacina Covaxin, de modo que a sua relação próxima com a ex-esposa do senhor Jair Bolsonaro deve ser amplamente esclarecida, com vistas a examinar potencial atuação ilícita de ambos no contexto da pandemia”.

No depoimento, Marconny Albernaz disse que conheceu Ana Cristina por meio do filho. Ele negou ter negócios com a família.

O empresário, no entanto, recorreu ao direito de permanecer em silêncio quando questionado se Ana Cristina Valle atuou, em nome dele, na indicação de cargos no governo federal.

O senador Rogério Carvalho (PT-SE) apresentou uma das mensagens. Segundo ele, em agosto do ano passado Marconny Albernaz encaminhou a Ana Cristina Valle uma mensagem enviada ao ministro Jorge Oliveira – à época, ele ocupava a Secretaria-Geral da Presidência.

“Olha o que estava escrito por Marconny ao ministro Jorge Oliveira, do TCU: ‘Venho manifestar meu apoio ao Dr. Leandro Cardoso de Magalhães para assumir o cargo de Defensor Público Federal da Defensoria Pública da União. É um candidato alinhado com nossos valores técnicos e apoiador do Presidente Bolsonaro’”, leu o senador.

Fonte: CUT

Escreva um comentário

Rua XV de novembro, 270, sala 510, Centro, Curitiba-PR, CEP 80020-310, Fone (41)-33229885, Fax (41)-33245636, fetec@fetecpr.org.br