Foto: Joka Madruga

Apesar das chuvas dos últimos dias, cerca de 4 mil quilos de feijão orgânico foram colhidos de lavouras de duas comunidades do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) do município de Castro, no Paraná, no sábado (16) e nesta segunda-feira (18).

Além de não utilizar agrotóxicos, o diferencial desta safra está no objetivo: dar continuidade às ações de solidariedade com famílias urbanas que enfrentam a fome neste período da pandemia do coronavírus. O feijão fará parte das cestas de alimentos que serão doadas a pessoas em situação de vulnerabilidade no município de Ponta Grossa, no mês de fevereiro.

Os mutirões ocorreram em lavouras coletivas dos acampamentos Maria Rosa do Contestado, no sábado (16); e Padre Roque Zimmermann, nesta segunda (18). Em cada área, foram colhidos 2 mil quilos de feijão. Cerca de 50 pessoas participaram em cada um dos dois dias de trabalho, entre moradores das comunidades e também do assentamento Contestado, da Lapa.

Alta do preço do feijão

A decisão de doar feijão considera a alta no preço desse alimento tão popular no prato dos brasileiros. Em 2020, o quilo do feijão teve aumento médio de 45,39% na região metropolitana de Curitiba, de acordo com pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgada em dezembro.

A venda do alimento caiu cerca de 35%, sendo substituído por outros alimentos menos nutritivos, como macarrão. A estiagem e a falta de políticas públicas do governo Bolsonaro em apoio à produção de alimentos estão entre os principais fatores para o alimento custar de 6 e 9 reais nas gôndolas dos supermercados.

Ademir Fernandes é morador da comunidade Padre Roque Zimmermann e comenta a satisfação das famílias durante a colheita: “A gente está muito feliz com esse processo, por saber que vamos estar ajudando outras famílias com esse feijão, pra completar o seu alimento de cada dia”, destacou.

É o que reforça o agricultor Arlan, enquanto ajuda no mutirão: “A gente fica muito feliz por saber que estamos contribuindo e ajudando muitas famílias e pessoas que precisam. Assim como a gente já precisou, a gente também pode retribuir o que a gente está conseguindo aqui. É muito gratificante”, ressaltou. As famílias das duas comunidades lutam para permanecer na terra e continuar a produção de alimentos saudáveis e vida digna.

Outros 4.200 quilos de feijão orgânico foram colhidos de uma lavoura coletiva no assentamento Contestado, na Lapa (PR), no último dia 10. Nesse caso, a colheita será destinada a três cozinhas comunitárias de Curitiba e para famílias urbanas da capital e da região metropolitana. Ao todo, as três comunidades da região sul do Paraná colheram 8.200 quilos de feijão orgânico para doações.

Produção 100% agroecológica

Os dois acampamentos de Castro têm em comum a decisão de não utilizar agrotóxicos e transgênicos, e adotar a agroecologia como método de cultivo de alimentos. Iniciada em agosto de 2015, a comunidade Maria Rosa do Contestado conquistou a certificação 100% agroecológica para todas as famílias em março do ano passado, por meio da Rede Ecovida.

Diferentes tamanhos, cores e formas compõem as quase 60 variedades de sementes crioulas cultivadas pelos “guardiões e guardiãs das sementes”, como são chamados os agricultores que preservam os grãos.

Rosane Freitas Mainardes é uma das guardiãs, responsável por boa parte dos 25 tipos de sementes de feijão presentes na comunidade. Manteiga, mouro, 60 dias, rajado, carnaval, amendoim, azuki, carioca e mulatinho são algumas das variedades de feijão cultivadas pela comunidade Maria Rosa.

“Muitos feijões aqui são do tempo da minha avó, ela plantava muito. Quando eu chego numa feira de sementes, eu me sinto muito feliz por a gente ter tanta variedade e poder fazer as trocas”, relata a agricultora, que também faz parte da coordenação da comunidade.

Fonte: Brasil de Fato

Escreva um comentário

Rua XV de novembro, 270, sala 510, Centro, Curitiba-PR, CEP 80020-310, Fone (41)-33229885, Fax (41)-33245636, fetec@fetecpr.org.br