Rua XV de novembro, 270, sala 510, Centro, Curitiba-PR, CEP 80020-310, Fone (41)-33229885, Fax (41)-33245636, fetec@fetecpr.org.br
 
 
publicado em 3 de outubro de 2018 às 10:12:
Financiários avaliam proposta da Fenacrefi nos próximos dias

Negociação garantiu que jornada não se estenda aos finais de semana. Contraf-CUT orienta a aprovação da proposta que oferece 3% de reajuste nos salários e todas as cláusulas de natureza econômica, inclusive na Participação nos Lucros e Resultados (PLR).

Os financiários realizarão nos próximos dias, em todo o País, assembleias para avaliar a proposta, apresentada pela Federação Interestadual das Instituições de Crédito de Financiamento e Investimento (Fenacrefi) ao Comando Nacional dos Financiários. A Contraf-CUT orienta a aprovação da proposta que oferece 3% de reajuste nos salários e todas as cláusulas de natureza econômica, inclusive na Participação nos Lucros e Resultados (PLR).

O reajuste corresponde à reposição da inflação (INPC entre 01 de junho de 2017 e 31 de maio de 2018) mais 1,22% de aumento real. “Foi um processo negocial bastante complexo, com diversos pontos de divergências, mas conseguimos chegar a um consenso, no qual o maior beneficiado é o trabalhador”, destaca Jair Alves, coordenador do Comando Nacional dos Financiários da Contraf-CUT.

Um dos maiores impasses da negociação referiu-se à criação de cláusula nova para regulamentar o trabalho aos finais de semana dos trabalhadores que fazem concessão de créditos e financiamentos em lojas e concessionárias. A proposta do Comando era a garantia de um final de semana completo e um domingo de folga por mês, mas especificamente para esses trabalhadores. E as financeiras queriam ampliar a cláusula para todos os financiários.

“Nossa ideia, com a nova cláusula, era regulamentar a situação desses empregados que hoje não são considerados financiários, e não estender o trabalho aos finais de semana para toda a categoria, como queria a Fenacrefi. Por isso, chegamos a um impasse, que só se resolveu com a retirada da cláusula da proposta e com a criação de uma comissão formada por representantes dos Sindicatos e das empresas para estudar a situação desses trabalhadores”, explica Jair.

A Comissão de Enquadramento e Trabalho aos Sábados, Domingos e Feriados deve começar a se reunir a partir de março de 2019. “O objetivo continua sendo regularizar a situação dos trabalhadores em lojas e concessionárias”, acrescenta o dirigente.

Avaliação
Sempre é bom lembrar que foram meses de negociação, pois encaminhamos a pauta aos patrões dia 12/05/18. Inicamos as negociações, que culminaram com a conquista do pré-acordo em junho. Este movimento nos garantiu a prorrogação de direito até então conquistados, não sofrendo assim, de imediato, os efeitos da reforma trabalhista.

“Nossas negociações só foram retomadas, após o término do acordo da categoria bancária. Nessa difícil retomada, lutamos e garantimos que a jornada não se entenda ao final de semana. Sem dúvida, essa foi a maior conquista da Campanha Salarial dos Financiários”, conclui Eliane Rocha, da Secretaria de Organização do Ramo Financeiro Fetec-Cut-Pr.

 

Índice
O reajuste inicialmente proposto era de 3,09%, mas por conta do impasse com a nova cláusula, a Fenacrefi ameaçou retroceder para os 2,96% da primeira proposta da negociação. Após muito debate e resistência dos representantes dos trabalhadores, o reajuste proposto ficou em 3%.

Gratificação de função
Quanto à cláusula de gratificação de função, que prevê 55% de comissionamento, somente em caso de ações trabalhistas futuras e caso se descaracterize o comissionamento, reconhecendo como devidas as horas extras, será descontado em execução o que já foi pago. Isso já tem sido praticado pela Justiça Trabalhista em algumas ações em andamento. A mudança não impacta aos trabalhadores ativos, tampouco nas ações anteriores à assinatura do acordo.

Férias
Outra conquista aos trabalhadores foi a possibilidade de parcelar em até três vezes o adiantamento de férias, que atualmente é descontado integralmente no mês posterior ao descanso.

Validade de dois anos
As demais cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) foram mantidas e tem validade de dois anos, entre 2018 e 2020. Para 2019, ficou garantido a reposição da inflação com o 1% de aumento real. O Comando negociou um percentual justo para a manutenção da luta, com desconto de 1,5% em um mês de salário corrigido e na PLR, com teto. O valor é menor do que a soma do imposto sindical e a contribuição negocial, anteriormente cobrados.

Fonte: Contraf-CUT

deixe seu comentário

 
últimas notícias
11 de outubro de 2018
  Paulo Guedes, ministro da economia de Bolsonaro, já coloca preço para vender Caixa e...
10 de outubro de 2018
  Financiários assinam acordo e garantem direitos
9 de outubro de 2018
  MDB, Patriota e PSD lideram barrados na Lei da Ficha Limpa em 2018
9 de outubro de 2018
  Por defender bandeira dos trabalhadores, CUTistas são bem votados no Brasil
9 de outubro de 2018
  Ministro e relator da reforma Trabalhista não conseguem reeleição
  © Copyright 2011. Todos os direitos reservados.
WebmaniaBR® - Ideias em códigos