“Não fomos nós que roubamos galinhas ontem, foram eles”. Foi assim que o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, se referiu aos procuradores da Força Tarefa da Lava jato ao encerrar uma entrevista concedida ao programa Timeline, da Rádio Gaúcha, na manhã de quarta, 07 de agosto (a íntegra da entrevista está disponível aqui).

 

 

Em pouco mais de 12 minutos, o Ministro se posicionou contra o que ele chamou de “organização criminosa”, que está “buscando dinheiro”. “Quando saiu essa história da Fundação do Dallagnol, eu ponderei aqui que nós estávamos diante de uma gente argentária, buscando dinheiro. Que o negócio do combate à corrupção era extremamente lucrativo. E é o que se viu”, declarou.

“Eles poderiam integrar qualquer organização criminosa. Eles sabem que estão cometendo crime. Eles estavam fazendo palestras, vendendo palestras, vendendo palestras em empresas que eram investigadas por eles. Se outras pessoas tivessem feito isso, eles estariam pedindo prisão preventiva. De fato, é uma gente muito baixa, muito desqualificada”, disse Gilmar Mendes.

O ministro, que de acordo com novas mensagens de telegram publicadas pelo UOL, em parceria com o Intercept na chamada vaza jato, era alvo de uma intenção dos procuradores em “costurar” seu impeachment no Supremo com os senadores eleitos em 2018, afirmou que promotores e juízes formaram um consórcio e que “um juiz não pode ser chefe de força tarefa”. Mendes defendeu que as corregedorias atuem porque “um grupo de irresponsáveis” está à solta, “cometendo crimes”, em “linguagem de criminosos”.

Mendes também chamou a atenção sobre as delações. “Nós não sabemos quantas pessoas foram delatadas a partir de induções desses agentes, como podem ter manipulado as delações premiadas. Em suma, é extremamente preocupante”.

Por Paula Zarth Padilha
FETEC-CUT-PR

Saiba mais: “É linguagem de criminoso”, diz Gilmar Mendes sobre diálogos atribuídos à Lava-Jato

Escreva um comentário

Rua XV de novembro, 270, sala 510, Centro, Curitiba-PR, CEP 80020-310, Fone (41)-33229885, Fax (41)-33245636, fetec@fetecpr.org.br