Foto: Nelson Almeida/AFP

O ex-presidente Lula criticou nesta quarta-feira 7 a condução da política econômica por parte do ministro Paulo Guedes. “É só você assistir a uma entrevista do ministro da Economia que percebe que ele é uma biruta de aeroporto: ele fala uma coisa a qualquer hora. Parece aquele negócio que fica se mexendo de acordo com o vento. Ele não tem clareza. Não fala em crescimento econômico, não fala em investimento industrial, não fala em desenvolvimento. É só ajuste fiscal”, disse o petista em entrevista a El País Brasil.

“Eu vejo muitas pessoas falarem em ‘novo normal’ e ninguém sabe o que é. O ‘novo normal’ é a pessoa voltar a ter direito trabalhista, registro em carteira profissional, férias, 13º salário, seguridade. Isso é o ‘novo normal’: voltar a conquistar o que nos tiraram”, completou.

Ao falar sobre as eleições municipais deste ano, Lula defendeu a decisão do PT de lançar Jilmar Tatto como candidato à Prefeitura de São Paulo, em vez de apoiar outro nome do campo progressista com mais força, neste momento, nas pesquisas de intenção de voto. “O PT tem força política. Se a gente conseguir fazer com que a força política do PT seja canalizada para o Jilmar, ele pode ser o mais votado entre os candidatos de esquerda (…) É preciso saber se o partido vai conseguir convencer as pessoas que teoricamente votam no PT a votar no Jilmar. Esse é o desafio do partido, esse é o desafio do Jilmar. O jogo está começando”, afirmou.

Lula avaliou como positivo o fato de o campo progressista apresentar diversas candidaturas no primeiro turno. “É muito importante que o [Guilherme] Boulos esteja candidato e defenda seu programa, é muito importante o Jilmar, é muito importante o Orlando [Silva], é muito importante o Márcio França. Quando chegar ao final do primeiro turno, aí você vai ver quem teve a melhor performance, quem vai para o segundo turno. Aí todo mundo se junta em torno dele”, completou.

Na entrevista, o ex-presidente também comentou sua tentativa de fazer o Supremo Tribunal Federal (STF) reconhecer que Sergio Moro teve uma atuação parcial como juiz no âmbito da Operação Lava Jato. “A única coisa que eu espero é que julguem sobretudo o habeas corpus que impetramos contra o Moro, para poder provar que o Moro é mentiroso, não foi juiz e inventou uma sentença. Tudo isso já está mais ou menos provado. Tanto que o Moro já está querendo ir embora para os Estados Unidos para dar aula e não ter que explicar suas mentiras. (…) Ele está acovardado, agora. Quem sabe ele seja candidato a vereador em 2056″, finalizou.

Fonte: Carta Capital

Escreva um comentário

Rua XV de novembro, 270, sala 510, Centro, Curitiba-PR, CEP 80020-310, Fone (41)-33229885, Fax (41)-33245636, fetec@fetecpr.org.br