Rua XV de novembro, 270, sala 510, Centro, Curitiba-PR, CEP 80020-310, Fone (41)-33229885, Fax (41)-33245636, fetec@fetecpr.org.br
 
 
História
 

A FETEC-CUT-PR (Federação dos Trabalhadores em Empresas de Crédito do Estado do Paraná) é uma entidade sindical de segundo grau, fundada nos dias 18 e 19 de janeiro de 1992, em Londrina, durante seu I Congresso.

A entidade foi criada sob a denominação Federação dos Bancários da CUT-Paraná, para defender interesses coletivos e individuais dos trabalhadores que são representados pelos Sindicatos filiados, incluindo questões judiciais e administrativas.

Atualmente com sede em Curitiba, a Federação conta com 10 sindicatos de trabalhadores no ramo financeiro filiados em todo o Estado do Paraná:

  1. Apucarana e Região;
  2. Arapoti e Região;
  3. Campo Mourão e Região;
  4. Cornélio Procópio e Região;
  5. Curitiba e Região;
  6. Guarapuava e Região;
  7. Londrina e Região;
  8. Paranavaí e Região;
  9. Toledo e Região; e
  10. Umuarama, Assis Chateaubriand e Região.

De acordo com seu estatuto, no ramo financeiro são representados trabalhadores de bancos comerciais, bancos de investimento, bancos múltiplos, caixas econômicas, cooperativas de crédito, entidades de poupança e empréstimos, financeiras, dos empregados em empresas coligadas, pertencentes ou contratadas por grupo econômico bancário ou financeiro, cujo desempenho profissional contribua, ainda que de forma indireta, para consecução e desenvolvimento da atividade econômica preponderante da empresa principal e também dos promotores de venda e os contratados por empresas terceirizadas, inclusive por aquelas que realizam serviços delegados por instituições financeiras.

A estimativa do número de trabalhadores do ramo financeiro no Estado do Paraná é de 48035, sendo em maior número a categoria bancária formada por 30222 trabalhadores, de acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), de 30 de novembro de 2010. Dentre as demais categorias profissionais, destaque para os 4346 trabalhadores cooperativários na mesma data. A FETEC-CUT-PR representa cerca de 80% da categoria de trabalhadores bancários no Paraná.

Para atuar no desenvolvimento, organização e apoio a ações que beneficiem trabalhadores do ramo financeiro, a FETEC-CUT-PR é composta pela Diretoria Executiva, com 16 membros, Diretoria Estadual e Conselho Fiscal.

A Diretoria Executiva é responsável pela gestão política, administrativa, financeira, contábil e patrimonial.

A gestão 2008/2011 é composta pelos seguintes trabalhadores:

Cargo Nome Sindicato de Origem
Presidência Elias Hennemann Jordão Curitiba e Região
Secretaria Geral Clair Salete Antonietti Umuarama e Região
Secretaria de Administração e Finanças Marcelo Antonio Socoloski Curitiba e Região
Secretaria de Formação Roberto Antonio von der Osten Curitiba e Região
Secretaria de Políticas Sociais Admilson Aparecido de Figueiredo Curitiba e Região
Secretaria de Saúde e Condição de Trabalho Dulcelina Aparecida Silveira de Oliveira Londrina e Região
Secretaria de Imprensa e Comunicação José Altair Monteiro Sampaio Curitiba e Região
Secretaria de Políticas Sindicais Zelario Bremm Toledo e Região
Secretaria de Assuntos Jurídicos Elizeu Marcos Galvão Cornélio Procópio e Região
Secretaria de Organização do Ramo Financeiro Carlos Alberto Copi Curitiba e Região
Secretaria de Assuntos Sócio-econômicos Deonísio Venceslau Schmidt Curitiba e Região
Secretaria de Bancos Privados Alcione Cristiano de Macedo Guarapuava e Região
Secretaria de Bancos Públicos Gilberto Antonio Reck Curitiba e Região
Secretaria Executiva da  Região Norte e Nordeste João Antonio da Silva Neto Londrina e Região
Secretaria Executiva da  Região Noroeste, Oeste e Sudoeste Neil Emídio Júnior Paranavaí e Região
Secretaria Executiva da  Região Leste, Sudeste e Sul Otávio Dias Curitiba e Região

Lutas históricas dos trabalhadores paranaenses filiados à Central Única dos Trabalhadores (CUT)

I Congresso (1992) – A primeira Diretoria da FETEC-CUT-PR, eleita e empossada em 1992, foi composta pelos seguintes trabalhadores bancários:

Presidência Natal Pires Cardoso
Secretaria Geral Jair Pereira de Souza
Secretaria de Administração Luís Lauro Bilek
Secretaria de Finanças Divonzir Lemos Carneiro
Secretaria de Divulgação Murilo Francisco Barella
Secretaria de Assuntos Jurídicos Alba Terezinha Legnani
Secretaria de Formação Júlio César dos Santos Mello
Secretaria de Saúde e Condições do Trabalho José Adilson Stuzata
Secretaria de Cultura Amarildo Rodrigues
Secretaria de Políticas Sociais Juraci Batista de Araújo
Secretaria de Política Sindical José Aureliano Sabino
Secretaria de Assuntos Sócio-econômicos Clair Salete Antonietti
Secretaria Executiva Divair da Silva
Secretaria de Imprensa Cícero Arnaldo L. dos Santos
Secretaria de Assuntos Internacionais Darci José Legnani

Participaram da fundação da FETEC-CUT-PR os Sindicatos de Bancários das bases regionais de Apucarana, Assis Chateaubriand, Campo Mourão, Cornélio Procópio, Londrina, Toledo e Umuarama. Nos dois anos após sua fundação, a FETEC-CUT-PR atuou com destaque nas lutas da categoria bancária, conquistando os Sindicatos de Bancários de Paranavaí e Região e de Curitiba e Região, além de participar da fundação do Sindicato dos Bancários de Arapoti e Região. Nesse mesmo período, houve a fusão política dos Sindicatos dos Bancários de Umuarama e Assis Chateaubriand e respectivas regiões.

Neste mesmo ano foi fundada a Confederação Nacional dos Bancários da CUT (CNB-CUT), nova entidade de representação dos trabalhadores bancários, em oposição à Contec, fundada em 1958, que foi a primeira confederação organizada por trabalhadores. Em 1992, foi assinada a primeira Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) dos bancários válida para todo o país, categoria pioneira na unificação dos acordos coletivos. Foram criadas comissões de empregados por bancos, para a negociação com políticas de recursos humanos diferenciadas.

As conquistas da negociação incluíram aumento real, ampliação do auxílio creche para 83 meses, unificação do auxílio alimentação, a instituição de um plano de medidas para segurança bancária e de uma comissão paritária de política global sobre AIDS.

O Brasil viveu momentos de intensa mobilização popular pelo impeachment do presidente Fernando Collor de Melo. O movimento foi vitorioso, pois mesmo com a renúncia de Collor, o Congresso Nacional cassou seus direitos políticos pelo período de oito anos. Nos anos seguintes ficou evidente que os governos Collor, Itamar e FHC não aceitavam discutir uma negociação unificada. Nesses anos, os salários foram reduzidos, já que os reajustes não contemplavam nem a reposição da inflação. Destaque para as políticas de arrocho impostas aos trabalhadores no Banco do Brasil e na CAIXA.

O ano de 1993 foi marcado pelo movimento “Ação Cidadania contra a Fome e pela Vida”, idealizado pelo sociólogo Herbert de Souza, o Betinho. O movimento teve adesão de vários sindicatos de bancários pelo país. Também teve repercussão o “Movimento pela Ética na Política”, no caso conhecido como escândalo dos anões do orçamento. Neste ano, Itamar Franco era presidente do país.

O ponto alto da Campanha Salarial dos Bancários foi a conquista de aumentos reais de 37% para caixas e de 24% para escriturários.

II Congresso (1994) – O II Congresso da FETEC-CUT-PR foi realizado em Curitiba, nos dias 04 e 05 de junho de 1994 e contou com a participação de delegados dos Sindicatos de Bancários de Apucarana, Arapoti, Assis Chateaubriand, Campo Mourão, Cornélio Procópio, Curitiba, Londrina, Paranavaí, Toledo e Umuarama. A direção executiva foi renovada e passou a ser composta pelos seguintes trabalhadores bancários:

Presidência Geraldo Aparecido da Silva
Secretaria Geral Thaís Regina de Lima
Secretaria de Administração e Finanças João Dirceu Camargo Dutra
Secretaria de Formação Eliana Maria dos Santos
Secretaria de Imprensa e Divulgação Marisa Stedile
Secretaria de Assuntos Jurídicos José Adilson Stuzata
Secretaria de Políticas Sindicais Edmundo Brenner Weiss Neto
Secretaria de Saúde e Condições do Trabalho José Bertes Kraus
Secretaria de Políticas Sociais Lidiane Torrecilha Lopes
Secretaria de Assuntos Sócio-econômicos Clair Salete Antonietti
Secretaria Executiva Adir de Faria
Delegado Representante nas Empresas de Crédito Federais Victor G. Esteche
Delegado Representante nas Empresas de Crédito Federais Paulo Roberto Lima
Delegado Representante nas Empresas de Crédito Estaduais Antonio Pereira da Silva
Delegado Representante nas Empresas de Crédito Estaduais Eustáquio Moreira dos Santos
Delegada Junto às Empresas de Crédito Privadas Rita Gardim Alvarez
Delegado Junto às Empresas de Crédito Privadas Cláudio Geraldo Miranda
Delegado Junto às Empresas de Crédito Privadas Neil Emídio Júnior
Delegado Junto às Empresas de Crédito Privadas Roberto Firmino
Delegado Junto às Entidades de Grau Superior José Roberto Brasileiro
Delegado Junto às Entidades de Grau Superior Oscar F. Adorno Filho

O ano de 1994 foi marcado pela ação do Presidente Itamar Franco na implantação do Plano Real, fato que provocou reflexos no movimento sindical, cujas críticas ao plano não encontraram eco na população. Neste ano, Fernando Henrique Cardoso, aproveitando os impactos que o Plano Real havia produzido na economia, elegeu-se presidente da República.

Neste mesmo ano, o governo garantiu no Tribunal Superior do Trabalho (TST) a exclusão dos bancos públicos da convenção nacional e da negociação com a Fenaban. O primeiro fato político enfrentado pela direção da FETEC-CUT-PR foi a intervenção do Banco Central nos bancos estaduais, BANERJ e BANESPA, no dia 30 de dezembro, sinalizando como seria o tratamento do Governo FHC com os demais bancos estaduais.

Durante a Campanha Salarial, o ano de 1994 é marcado pela conquista de mais um benefício: o vale alimentação, para realização de compras em supermercados, complementando o vale refeição, que já era um direito desde 1990. Neste ano surgiram as primeiras agências automatizadas que promoveram a extinção de postos de trabalho.

No ano seguinte, em 06 de maio de 1995, durante Plenária do Sistema Diretivo da FETEC-CUT-PR realizada em Londrina, foi aprovada a proposta de filiação do Sindicato dos Bancários de Guarapuava e Região. Nesse ano, o movimento sindical bancário do Paraná conquistou uma vitória expressiva com a eleição da conselheira representante dos trabalhadores no banco Banestado, Zinara Marcet de Andrade Nascimento. Ela ocupou por cinco anos o espaço que tradicionalmente ficava nas mãos da diretoria do banco e, assim, representou a vontade dos trabalhadores no Conselho de Administração da empresa.

A grande conquista da Campanha Salarial em 1995 foi o pagamento de Participação nos Lucros e Resultados (PLR). A categoria dos bancários foi a primeira a integrar o direito ao recebimento de PLR.

Em 1995, o Governo Federal, através da Resolução 2208, instituiu o Programa de Estímulo ao Fortalecimento e Reestruturação do Sistema Financeiro Nacional (PROER), destinando 20,6 bilhões de dólares americanos aos bancos privados que se encontravam em dificuldade.

Receberam esses recursos:

  • Banco Nacional – U$ 6,1 bilhões;
  • Banco Econômico – U$ 6,8 bilhões;
  • Banco Bamerindus – U$ 5,9 bilhões;
  • Banco Banorte – U$ 1,3 bilhão;e
  • Banco Mercantil do Pernambuco – U$ 500 milhões.

Em 02 de março de 1996, durante nova Plenária do Sistema Diretivo da FETEC-CUT-PR, realizada em Curitiba, houve alteração na direção, pois Geraldo Aparecido da Silva, então presidente da entidade, assumiu o compromisso de representar a CUT junto ao Instituto Brasileiro de Qualidade e Produtividade (IBQP), havendo ainda a renúncia de cinco membros da diretoria. A nova direção foi composta pelos seguintes trabalhadores:

Presidência Roberto Von Der Osten
Secretaria Geral Clair Salete Antonietti
Secretaria de Administração e Finanças João Dirceu Camargo Dutra
Secretaria de Formação Eliana Maria dos Santos
Secretaria de Imprensa e Comunicação Marisa Stedile
Secretaria de Assuntos Jurídicos José Adilson Stuzata
Secretaria de Políticas Sindicais Victor Guilherme Esteche
Secretaria de Saúde e Condições do Trabalho Izabel C. Ribas de Lima
Secretaria de Políticas Sociais Adir de Faria
Secretaria de Assuntos Sócio-econômicos Fernando Luiz Sudul
Secretaria Executiva Geraldo Aparecido da Silva
Delegado Junto às Empresas de Crédito Federais Paulo Roberto Lima
Delegado Junto às Empresas de Crédito Estaduais Antonio Pereira da Silva
Delegado Junto às Empresas de Crédito Estaduais Eustáquio Moreira dos Santos
Delegada Junto às Empresas de Crédito Privadas Rita Gardim Alvarez
Delegado Junto às Empresas de Crédito Privadas Cláudio Geraldo Miranda
Delegado Junto às Empresas de Crédito Privadas Neil Emídio Júnior
Delegado Junto às Empresas de Crédito Privadas Roberto Firmino
Delegado Junto às Entidades de Grau Superior Pedro Eugênio Beneduzzi Leite
Delegado Junto às Entidades de Grau Superior José Roberto Brasileiro

O primeiro mandato de FHC também foi marcado pela ofensiva do governo contra os trabalhadores bancários no Banco do Brasil e na Caixa Econômica Federal, que foram pressionados para aderir ao Plano de Demissão Voluntária, instituindo um período de instabilidade e profundas mudanças nas relações de trabalho nestas empresas. O governo FHC iniciou o congelamento dos salários nos bancos federais.

Foi nesta época que aconteceu o maior número de demissões no banco Bamerindus, que foi vendido por um valor irrisório ao inglês, banco HSBC.

Em 1996 foi realizada a primeira greve bancários desde a implantação do Plano Real. Foram nove dias de paralisação nos bancos privados e paralisação de 24 horas na CAIXA e no BB. Os trabalhadores nos bancos privados obtiveram 12% de reajuste nos pisos, apesar do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) do período ser de 14,28%.

III Congresso (1997) – O III Congresso da FETEC-CUT-PR foi realizado nos dias 20, 21 e 22 de junho de 1997, em Curitiba. A Executiva da Direção Estadual foi composta pelos seguintes membros:

Presidência Marisa Stedile
Secretaria Geral Ivo Ribeiro Luska
Secretaria de Administração e Finanças João Dirceu Camargo Dutra
Secretaria de Formação Eliana Maria dos Santos
Secretaria de Imprensa e Comunicação Eustáquio Moreira dos Santos
Secretaria de Assuntos Jurídicos Carlos Augusto Schiavo
Secretaria de Políticas Sindicais José Daniel Farias
Secretaria de Saúde e Condições do Trabalho Izabel Cristina Ribas de Lima
Secretaria de Políticas Sociais Joaquim Borges Pinto
Secretaria de Assuntos Sócio-econômicos Clair Salete Antonietti
Secretaria de Organização José Adilson Stuzata

Em 1997 o banco Bamerindus foi transferido ao banco HSBC e tiveram início as privatizações do governo FHC: A Companhia Vale do Rio Doce foi privatizada, sendo arrematada por um grupo encabeçado pelo banco Bradesco, enquanto isto o banco BANERJ foi vendido para o banco Itaú.

A Campanha Salarial durou três meses, com 41 dias sem proposta. As grandes conquistas foram a complementação salarial para trabalhadores bancários afastados por doenças ou acidente; a assistência médica para demitidos; e o auxílio para requalificação profissional.

Em 1998, FHC se reelegeu e Jaime Lerner também. O Paraná sofreria toda sorte de desmandos que só muito tarde vieram a público.

Neste ano, os patrões banqueiros apresentaram a proposta de aumento de jornada para 8 horas diárias. A estratégia da Campanha Salarial, que durou três meses, foi a luta contra as demissões. O novo benefício conquistado foi a implantação do Programa de Prevenção, Tratamento e Readaptação às LER/DORT.

O ano de 1999 foi marcado pela Marcha dos 100 mil em Brasília, em protesto contra o governo FHC. No final do ano, o Banco do Brasil apresentou dados do desmonte iniciado em 1994, o qual ocasionou a demissão de 49,9 mil funcionários.

Em dezembro de 1999, a companheira Marisa Stedile solicitou seu afastamento da presidência para assumir suas funções como Conselheira eleita pelos trabalhadores no banco BANESTADO. Assumiu a presidência o Secretário Geral Ivo Ribeiro Luska.

IV Congresso (2000) – O IV Congresso foi realizado nos dias 17 e 18 de junho de 2000, em Curitiba, e deliberou pela prorrogação do mandato da diretoria até novembro de 2000. A decisão justificava-se pelo fato de que nesse ano seriam realizados os congressos da CNB-CUT e da própria CUT, destacando que muitas decisões sobre a estrutura sindical foram tomadas nestes eventos.

Neste período, a direção da FETEC-CUT-PR enfrentou o processo de privatização do banco BANESTADO, que culminou com a venda do banco estadual ao banco Itaú no dia 17 de outubro de 2000. A FETEC-CUT-PR organizou o Comitê em Defesa do BANESTADO e coordenou a resistência dos trabalhadores bancários junto aos seus sindicatos filiados. Neste mandato, a FETEC-CUT-PR sofreu uma série de ofensivas dos patrões banqueiros, que chegaram a questionar em dissídio a estabilidade dos dirigentes sindicais.

No dia do leilão, 17 de outubro de 2000, o Sindicato dos Bancários de Curitiba e Região obteve uma liminar no Tribunal de Justiça do Paraná para suspender a venda, mas o mesmo desembargador reconsiderou a decisão em favor da Procuradoria Geral do Estado e o leilão foi realizado na Bolsa de Valores do Paraná. O Banco do Estado do Paraná foi vendido ao banco Itaú pelo valor de 1,6 bilhão de reais. É importante registrar que nesta aquisição, o banco Itaú recebeu o equivalente a mais de 1,7 bilhão de reais em créditos tributários.

O processo de privatizações comandado pelo governo FHC e seus correligionários, como o caso do governador Jaime Lerner no Paraná, deve ser constante objeto de estudo do que são políticas neoliberais com ênfase nos processos de desmonte das estruturas econômicas públicas.

O valor obtido no leilão de privatização entrou diretamente nos cofres do Tesouro Nacional, mas quitou apenas 20% da dívida pública contraída pelo Estado do Paraná para a realização do saneamento. O governador do Paraná na época, Jaime Lerner se comprometeu a sanear o banco Banestado ainda no ano de 1994, com a obtenção de financiamento do Governo Federal, no valor de R$ 5,6 bilhões.

Marisa Stedile, presidente da FETEC-CUT-PR até novembro de 2000, avaliou os males da privatização, explicando como o Estado do Paraná foi prejudicado: “a privatização gerou uma dívida aos cofres do Estado do Paraná que compromete 13% do orçamento anual, equivalente a mais de R$ 800 milhões ao ano. Isso porque o governo do Estado buscou recursos federais para sanear o banco. Em 1999 o processo contabilizava R$ 1,5 bilhão em ativos irrealizáveis (créditos inadimplentes de pessoas físicas e jurídicas que nunca iriam pagar o que pegaram emprestado). Houve apropriação de patrimônio público por parte da iniciativa privada. Além da rede de agências e imóveis, o banco Itaú ficou com mais de R$ 1,7 bilhão em créditos tributários que pode descontar do imposto que deveria pagar sobre o lucro obtido em anos posteriores”. A dirigente relembrou os estragos quando a privatização completou dez anos, em outubro de 2010.

V Congresso (2000) – O V Congresso realizou-se em 25 e 26 de novembro de 2000, em Curitiba, e elegeu os seguintes nomes para conduzir a entidade nos três anos seguintes:

Presidência José Adilson Stuzata
Secretaria Geral Clair Salete Antonietti
Secretaria de Administração e Finanças Otávio Dias
Secretaria de Formação Eliana Maria dos Santos
Secretaria de Imprensa e Comunicação Marisa Stedile
Secretaria de Assuntos Jurídicos João Dirceu Camargo Dutra
Secretaria de Políticas Sindicais Geraldo Aparecido da Silva
Secretaria de Saúde e Condições do Trabalho Ademir Vidolin
Secretaria de Políticas Sociais Audrea Louback
Secretaria de Assuntos Sócio-econômicos Izabel Cristina Ribas de Lima
Secretaria de Organização Joaquim Borges Pinto

Nos anos de 2001 e 2002, o governo de FHC não aceitou negociar nas campanhas salariais dos trabalhadores na CAIXA e no Banco do Brasil. No dia 3 de junho de 2002, FHC promoveu intervenção na PREVI-BB através de decreto. Os trabalhadores bancários inseriram em sua campanha salarial a reivindicação de luta contra o assédio moral.

Foi nesse período que a FETEC-CUT-PR, junto aos sindicatos filiados e à CUT-PR, atuou na militância para eleger Luiz Inácio Lula da Silva à presidência do Brasil pela primeira vez, nas eleições de 2002. Lula foi eleito com grande vantagem sobre o opositor José Serra no dia 27 de outubro de 2002.

Em março de 2003 a FETEC-CUT-PR realizou, em Londrina, a primeira plenária estadual após a posse do presidente Lula, ocorrida em 01 de janeiro daquele ano. Foram tratados temas sobre as expectativas do movimento sindical bancário no governo Lula. Durante a plenária, também houve a substituição na Secretaria de Assuntos Sócio-econômicos, devido à renúncia na pasta. A trabalhadora bancária Margarete Segalla Mendes foi aprovada por unanimidade e assumiu a secretaria. A Direção executiva da FETEC-CUT-PR era, então, composta pelos seguintes membros:

Presidência José Adilson Stuzata
Secretaria Geral Clair Salete Antonietti
Secretaria de Administração e Finanças Elias Hennemann Jordão
Secretaria de Formação Eliana Maria dos Santos
Secretaria de Imprensa e Comunicação Rafael Ramos
Secretaria de Assuntos Jurídicos Carlos Augusto Schiavo
Secretaria de Políticas Sindicais Neil Emidio Júnior
Secretaria de Saúde e Condições do Trabalho Maéve Luciane Vicari
Secretaria de Políticas Sociais Audrea Louback
Secretaria de Assuntos Sócio-econômicos Margarete Segalla Mendes
Secretaria de Organização Joaquim Borges Pinto

No dia 26 de abril de 2003 a FETEC-CUT-PR começou a funcionar em nova sede, que posteriormente foi comprada pela diretoria executiva, no local onde é a instalação atual (Rua XV de Novembro, 270, sala 510, em Curitiba-PR).

Em junho de 2003, a FETEC-CUT-PR articulou uma mobilização em frente ao prédio-sede do banco Banestado, para protestar e declarar oposição ao arquivamento da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) pela Câmara dos Deputados, que iria investigar a remessa ilegal de dólares ao exterior pelo banco Banestado, as chamadas contas CC-5, denunciadas pela Polícia Federal na “Operação Macuco”. A CPI não foi arquivada e foi acompanhada pela FETEC-CUT-PR, que divulgou diariamente o andamento dos depoimentos na Assembleia Legislativa paranaense.

O relatório final da CPI do Banestado foi apresentado na Assembleia Legislativa do Paraná no dia 26 de novembro de 2003. Fizeram parte da CPI os deputados Neivo Beraldin (presidente), Luciano Ducci (vice-presidente), Mário Bradock (relator) e os membros efetivos Ademir Bier, Aílton Araújo, Francisco Bührer, Luciana Rafagnin, Miltinho Puppio, Pedro Ivo e Waldir Leite. O relatório responsabilizou o Banco Central, o Tribunal de Contas do Estado e o governo Jaime Lerner pelos prejuízos causados pelo processo de saneamento e privatização do banco, mas omitiu o nome do governador.

VI Congresso (2003) – No dia 9 de agosto de 2003 a FETEC-CUT-PR realizou seu VI Congresso, com representantes dos Sindicatos dos Bancários de Apucarana, Campo Mourão, Cornélio Procópio, Curitiba, Guarapuava, Londrina, Paranavaí, Toledo e Umuarama/Assis Chateaubriand. Nesse Congresso foram discutidas e aprovadas na plenária final o novo estatuto da entidade. Houve também, eleição entre duas chapas para a diretoria executiva da FETEC-CUT-PR, com a vencedora obtendo 82% dos votos.

Presidência José Adilson Stuzata
Secretaria Geral Clair Salete Antonietti
Secretaria de Administração e Finanças Elias Hennemann Jordão
Secretaria de Formação Eliana Maria dos Santos
Secretaria de Imprensa e Comunicação Audrea Louback
Secretaria de Assuntos Jurídicos Maéve Luciane Vicari
Secretaria de Políticas Sindicais José Altair Monteiro Sampaio
Secretaria de Saúde e Condições do Trabalho Gilberto Gedeão Soares
Secretaria de Políticas Sociais e Estudos Econômicos Sonia Regina Sperandio Boz
Secretaria de Organização José Aureliano Sabino
Secretário Executivo da Região Norte e Nordeste João Antonio da Silva Neto
Secretário Executivo da Região Noroeste, Oeste e Sudoeste Edilson José Gabriel
Secretária Executiva da Região Leste, Sudeste e Sul Marisa Stedile

O primeiro ano do Governo Lula foi marcado pela primeira Campanha Salarial Unificada da categoria bancária em todo o país. É o momento da união, tanto de trabalhadores nos bancos privados quanto nos bancos públicos. Os trabalhadores de bancos privados aceitaram reajuste de 12,6%, sem deflagração de greve. O ano também marca o primeiro acordo com reajuste para os trabalhadores bancários nos bancos públicos, que passaram os governos FHC sem negociação salarial. No caso do Banco do Brasil e da Caixa, houve deflagração de greve e foram conquistados o mesmo percentual de reajuste e o pagamento de abono de R$ 1500, mesmo valor pago aos trabalhadores de bancos privados. Os trabalhadores de bancos públicos também conquistaram a mesma PLR do restante da categoria.

Em novembro, a FETEC-CUT-PR organizou uma oficina no Fórum Social Brasileiro, que ocorreu em Belo Horizonte-MG, para debater o tema “Os impactos políticos econômicos e sociais da privatização do Banestado”, que originou uma campanha pelo cancelamento do pagamento da dívida do processo de privatização.

Entre os anos de 2003 e 2004, a FETEC-CUT-PR participou de diversos protestos contra demissões nos bancos. A entidade também encaminhou uma carta ao Presidente Lula pedindo a intervenção do Governo Federal sobre essas demissões em massa.

A Campanha Salarial de 2004 teve rumos diferentes nos bancos públicos. A CAIXA se comprometeu a cumprir o mesmo acordo assinado com a Fenaban para os bancos privados, inclusive a PLR, e no Banco do Brasil, a intransigência da direção levou a FETEC-CUT-PR, junto ao Sindicato de Curitiba e à CUT-PR a pedir ao Governo Federal o afastamento do presidente do banco à época, Cássio Casseb, já que o banco estava com a postura de coagir seus funcionários contra a greve. Em todos os bancos foram 30 dias de deflagração de greve. Os trabalhadores bancários conquistaram reajuste de 8,5% e os bancos públicos pagaram abono no valor de R$ 1.000. O acordo com a Fenaban resultou, pela primeira vez, em reajuste salarial acima da inflação, ou seja, com aumento real para todos.

VII Congresso (2005) – O VII Congresso da FETEC-CUT-PR foi realizado nos dias 18 e 19 de junho de 2005, em Curitiba. Um novo estatuto foi votado e aprovado na plenária final desse Congresso. A nova diretoria executiva foi empossada no dia 19 de junho após a eleição em chapa única. Os trabalhadores eleitos para compor a direção executiva da FETEC-CUT-PR foram:

Presidência José Adilson Stuzata
Secretaria Geral Clair Salete Antonietti
Secretaria de Administração e Finanças Elias Hennemann Jordão
Secretaria de Formação Eliana Maria dos Santos
Secretaria de Imprensa e Comunicação José Altair Monteiro Sampaio
Secretaria de Assuntos Jurídicos Darci Borges Saldanha
Secretaria de Políticas Sindicais Admilson Aparecido Figueiredo
Secretaria de Saúde e Condições do Trabalho Gilberto Gedeão Soares
Secretaria de Políticas Sociais e Estudos Econômicos Maria de Fátima Costamilan
Secretaria de Organização Armando Antonio Luiz Dibax
Secretário Executivo da Região Norte e Nordeste João Antonio da Silva Neto
Secretário Executivo da Região Noroeste, Oeste e Sudoeste Juraci Batista de Araújo
Secretário Executivo da Região Leste, Sudeste e Sul Roberto Von der Osten

A Campanha Salarial de 2006 trouxe uma nova conquista para os trabalhadores na CAIXA, a cesta alimentação no valor da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) dos Bancários e os trabalhadores no bancoBradesco ficaram isentos de tarifas bancárias. Outra grande conquista foi o pagamento de um valor adicional de PLR.

Em 2006 é fundada em Curitiba, a Contraf-CUT, com o objetivo de representar todos os trabalhadores no ramo financeiro no país. Nesse ano, a CAIXA e o Banco do Brasil participaram pela primeira vez da Campanha Salarial Unificada e assinaram a Convenção Coletiva de Trabalho junto aos bancos privados. Foram precisos 21 anos para que os trabalhadores bancários conquistassem uma mesa única de negociação e uma CCT única no país.

A campanha salarial deste ano teve seu direito de greve ameaçado com a prisão de dois diretores do Sindicato dos Bancários de Umuarama e Região. Wilson de Souza e Edilson José Gabriel foram detidos por ação policial utilizada para manter duas agências abertas na cidade, em cumprimento a interditos proibitórios.

A FETEC-CUT-PR engrossou a mobilização pela reeleição de Lula à presidência. Uma grande mobilização da classe trabalhadora foi realizada em 01 de setembro pela reeleição.

Em 2007 tem início o novo formato de negociação da Campanha Nacional Unificada que vigora até hoje, entre o Comando Nacional dos trabalhadores bancários e a Fenaban (sindicato patronal). O calendário de negociações é separado por eixos específicos (remuneração, emprego, cláusulas renováveis e cláusulas novas) e foi o início das discussões sobre mesas temáticas (saúde e condições de trabalho; igualdade de oportunidades e de tratamento; segurança bancária). Na CCT, o pagamento de uma nova conquista para a categoria, a 13ª cesta alimentação.

Nesse mesmo ano, a Central Única dos Trabalhadores (CUT) liderou a quarta edição da Marcha da Classe Trabalhadora, com a participação de várias centrais sindicais, em busca da redução da jornada de trabalho sem redução de salários.

Em 2007, Curitiba sediou o 3º Seminário Nacional de Segurança Bancária, promovido em uma parceria envolvendo a FETEC-CUT-PR, a CONTRAF-CUT e os Sindicatos dos Bancários de Curitiba e Região e dos Vigilantes de Curitiba e Região. O seminário contou com a presença de funcionários e de representantes dos bancos de diversas regiões do país. O presidente da FETEC-CUT-PR à época, José Adilson Stuzata, lembrou que a ausência dos banqueiros apresentando seus dados sobre segurança bancária refletia a realidade de que o dinheiro do lucro não estava sendo investido no trabalhador.

Em maio deste mesmo ano, a FETEC-CUT-PR comandou as manifestações no “Dia Nacional de Luta pela Preservação dos Direitos Trabalhistas”, com discussão sobre a aprovação da Emenda 3, que flexibilizava direitos trabalhistas ao admitir a terceirização. Em todo o país foram realizados atos pelo veto presidencial à emenda, o que efetivamente ocorreu, e os trabalhadores bancários no Paraná participaram ativamente desta mobilização contra as terceirizações.

VIII Congresso (2008) – Nos dias 7 e 8 de junho de 2008 a FETEC-CUT-PR realizou, em Curitiba, o último Congresso da entidade, tendo seu próximo programado para 2011. Participaram 94 delegados e cinco observadores eleitos em assembleias dos sindicatos filiados. Na ocasião, a presidência da FETEC-CUT-PR ficava a cargo de Roberto Von der Osten. Coube ao representante da CONTRAF-CUT, Carlos Cordeiro, a análise de conjuntura política, sobre a reorganização do movimento sindical bancário após a criação de novas centrais sindicais. O dirigente tratou também das constantes fusões entre os bancos e sobre as negociações da campanha salarial em mesa única nacional, iniciadas naquele ano.

Neste Congresso também houve a eleição da direção executiva da FETEC-CUT-PR, que passou a ser composta por:

Presidência Roberto Von der Osten
Secretaria Geral Marcelo Antonio Socoloski
Secretaria de Administração e Finanças Elias Henemann Jordão
Secretaria de Formação José Altair Monteiro Sampaio
Secretaria de Imprensa e Comunicação Clair Salete Antonietti
Secretaria de Assuntos Jurídicos Elizeu Marcos Galvão
Secretaria de Políticas Sindicais Isabel Cristina Gregório
Secretaria de Saúde e Condições do Trabalho Dulcelina Aparecida Silveira de Oliveira
Secretaria de Políticas Sociais Maria de Fátima Costamilan
Secretaria de Organização do Ramo Financeiro Gilberto Gedeão Soares
Secretaria de Assuntos Sócio-econômicos Karla Cristine Huning
Secretaria de Bancos Privados Alcione Cristiano Macedo
Secretaria de Bancos Públicos Gilberto Antonio Reck
Secretário Executivo da Região Norte e Nordeste João Antonio da Silva Neto
Secretário Executivo da Região Noroeste, Oeste e Sudoeste Neil Emidio Júnior
Secretário Executivo da Região Leste, Sudeste e Sul Otávio Dias

Em junho 2009, o Sistema Diretivo da FETEC-CUT-PR realizou uma plenária em Curitiba que oficializou o remanejamento na direção executiva como ela permanece atualmente.

Nesta plenária, outros temas foram abordados, com o início dos trabalhos pelo DIEESE, que apresentou uma contextualização sobre a crise econômica internacional, considerada a maior crise do capitalismo desde 1929. De acordo com o representante do DIEESE, as principais medidas tomadas pelo governo federal no combate à crise foram a redução do compulsório dos bancos; financiamento das exportações; incentivo à construção civil; expansão do financiamento do investimento e da produção; desonerações e incentivos fiscais; aumento do crédito com redução do IOF; redução do IPI; e aumento dos recursos do BNDES.

De acordo com análise do Dieese, após a crise, os patrões tentaram tirar direitos dos trabalhadores, com demissões, suspensão de contratos, redução de jornada. Após esse cenário de crise, as empresas começaram as recontratações. As consequências das medidas tomadas à época pelo governo do Presidente Lula são conhecidas de todos e dispensam comentários sobre os benefícios trazidos à população brasileira.

Nesta plenária, foram indicados os representantes dos trabalhadores bancários no Paraná para o Comando Nacional, que participam das negociações com a Fenaban na Campanha Salarial Unificada. Também foram indicados os participantes de mesas temáticas e das Comissões de Organização dos Trabalhadores nas Empresas.

A FETEC-CUT-PR ficou assim representada:

Comando Nacional:

Elias Hennemann Jordão – FETEC-CUT-PR – efetivo
Wanderley Crivellari – FETEC-CUT-PR – suplente
Otávio Dias – Sindicato de Curitiba e Região
Roberto Von der Osten – CONTRAF-CUT

Mesas temáticas:

Dulcelina Aparecida Silveira de Oliveira (Saúde do Trabalhador); João Antonio da Silva Neto (Ramo Financeiro); Maria de Fátima Costamilan (Igualdade de Oportunidades); Geraldo Fausto dos Santos (Segurança Bancária); Danielle Ruza (Juventude).

Atualmente, os representantes nas mesas temáticas são:

Saúde do Trabalhador Dulcelina Aparecida Silveira de Oliveira Londrina e Região
Ramo Financeiro João Antonio da Silva Neto Londrina e Região
Juventude Erick Ortiz Umuarama e Região
Igualdade de Oportunidades Jair Sambudio Londrina e Região
Segurança Bancária Carlos Alberto Copi Curitiba e Região

Em 2010, a FETEC-CUT-PR completou 18 anos de fundação e atuou ativamente durante a greve nacional dos trabalhadores bancários, a mais forte dos últimos 20 anos, podendo ser comparada à greve do ano de 1985, quando 500 mil bancários pararam. Foram 15 dias de mobilização, com adesão à greve de grande parte dos trabalhadores bancários, chegando a 80% no Estado, mesmo com o uso de interditos proibitórios pelos bancos privados. “O TST ainda não formulou jurisprudência sobre o uso de interditos proibitórios nas greves de bancários. Então, cada juiz determina a sentença de acordo com sua formação pessoal. Alguns reconhecem nosso direito de greve, outros não saem do lugar. É o capital novamente acima do trabalho”, avalia Elizeu Marcos Galvão, secretário de assuntos jurídicos da FETEC-CUT-PR.

Toda essa mobilização gerou o maior ganho real já conquistado, com 3,08% mais a correção da inflação, totalizando reajuste de 7,5%, além de importantes avanços nas questões de combate ao assédio moral e segurança do trabalho, com itens assegurados na Convenção Coletiva de Trabalho pela primeira vez.

2010/2011

Membros da Diretoria Executiva
  Cargo    
  Nome Sindicato de origem Banco onde trabalha

presidência
Elias Hennemann Jordão Curitiba e Região Bradesco

secretaria geral

Clair Salete Antonietti Umuarama e Região Bradesco

secretaria de administração e finanças

Marcelo Antonio Socoloski Curitiba e Região HSBC

secretaria de formação

Roberto Antonio von der Osten Curitiba e Região Itaú Unibanco

secretaria de políticas sociais

Admilson Aparecido de Figueiredo Curitiba e Região Itaú Unibanco

secretaria de saúde e condição de trabalho

Dulcelina Aparecida Silveira de Oliveira Londrina e Região Itaú Unibanco

secretaria de imprensa e comunicação

José Altair Monteiro Sampaio Curitiba e Região Itaú Unibanco

secretaria de políticas sindicais

Zelário Bremm Toledo e Região Caixa

secretaria de assuntos jurídicos

Elizeu Marcos Galvão Cornélio Procópio e Região Itaú Unibanco

secretaria de organização do ramo financeiro

Carlos Alberto Copi Curitiba e Região Itaú Unibanco

secretaria de assuntos sócio-econômicos

Deonísio Venceslau Schmidt Curitiba e Região HSBC

secretaria de bancos privados

Alcione Cristiano de Macedo Guarapuava e Região HSBC

secretaria de bancos públicos

Gilberto Antonio Reck Curitiba e Região Banco do Brasil

secretaria executiva da região norte e nordeste

João Antonio da Silva Neto Londrina e Região Itaú Unibanco

secretaria executiva da região noroeste, oeste e sudoeste

Neil Emídio Júnior Paranavaí e Região Itaú Unibanco

secretaria executiva da região leste, sudeste e sul

Otávio Dias Curitiba e Região Bradesco
Membros do Conselho Fiscal
  Cargo    
  Nome Sindicato de origem Banco onde trabalha

efetiva
Lidiane Torrecilha Lopes Pereira Cornélio Procópio e Região Bradesco

efetivo

Antonio Luiz Fermino Curitiba e Região Caixa

efetivo

Marco Aurélio Vargas Cruz Curitiba e Região HSBC

suplente

Sélio de Souza Germano Curitiba e Região Itaú Unibanco

suplente

Cristiane Paula Zacarias Piveta Curitiba e Região HSBC

suplente

Denívia Lima Barreto Curitiba e Região HSBC
Demais membros da Direção Estadual
  Cargo    
  Nome Sindicato de origem Banco onde trabalha

diretor estadual
Antonio Aparecido Bonchoski Londrina e Região Bradesco

diretor estadual

Armando Antonio Luiz Dibax Curitiba e Região Itaú Unibanco

diretor estadual

Augusto Klank Junior Campo Mourão e Região HSBC

diretor estadual

Carlos Augusto Schiavo Curitiba e Região Santander

diretor estadual

Celso Cardoso Curitiba e Região HSBC

diretor estadual

Claudionisio Melin Belmonte Paranavaí e Região Bradesco

diretor estadual

Damião Rodrigues Apucarana e Região Itaú Unibanco

diretor estadual

Darci Borges Saldanha Curitiba e Região Itaú Unibanco

diretor estadual

Edvaldo César Melegari Apucarana e Região Bradesco

diretora estadual

Eliana Maria Dos Santos Londrina e Região Bradesco

diretor estadual

Enio José Ramos Curitiba e Região Itaú Unibanco

diretor estadual

Fabricio Francisco Antunes Pereira Curitiba e Região HSBC

diretor estadual

Francisco Alberto Schmidt Curitiba e Região Itaú Unibanco

diretor estadual

Gerson Antonio Dallazuana Curitiba e Região HSBC

diretor estadual

Henrique Segantini Da Silva Apucarana e Região Itaú Unibanco

diretor estadual

Hércules Biglia Junior Arapoti e Região Itaú Unibanco

diretora estadual

Isabel Cristina Gregório Toledo e Região Itaú Unibanco

diretor estadual

Jorge Ferreira Curitiba e Região HSBC

diretor estadual

José Adilson Stuzata Umuarama e Região HSBC

diretor estadual

José Aureliano Sabino Londrina e Região Bradesco

diretor estadual

José Daniel Farias Curitiba e Região Itaú Unibanco

diretor estadual

José Paulo Staub Curitiba e Região Banco do Brasil

diretor estadual

Joseph Henrick Sonego Londrina e Região Bradesco

diretora estadual

Karla Cristini Huning Curitiba e Região Bradesco

diretor estadual

Leo Gil Bittencourt Curitiba e Região Itaú Unibanco

diretora estadual

Leonice Cazarin De Mattos Silva Campo Mourão e Região Itaú Unibanco

diretora estadual

Liyoko Matsumoto Tamura Londrina e Região Santander

diretor estadual

Luis Marcelo Legnani Campo Mourão e Região Banco do Brasil

diretor estadual

Luiz Antonio Alves Curitiba e Região HSBC

diretor estadual

Luiz Carlos De Oliveira Curitiba e Região HSBC

diretor estadual

Luiz Carlos Liss Guarapuava e Região Itaú Unibanco

diretor estadual

Márcio Ferreira Vaz Curitiba e Região Itaú Unibanco

diretora estadual

Maria de Fátima Costamilan Curitiba e Região Caixa

diretor estadual

Mário Sérgio Silveira Curitiba e Região HSBC

diretor estadual

Maurício Nicoletti Curitiba e Região Itaú Unibanco

diretor estadual

Messias Da Silva Curitiba e Região HSBC

diretor estadual

Nilton Borges De Carvalho Paranavaí e Região Bradesco

diretor estadual

Nilton Cesar Cavalcante De Souza Londrina e Região Bradesco

diretor estadual

Osvaldo Norio Nagao Londrina e Região Itaú Unibanco

diretor estadual

Paulo Rotta Curitiba e Região HSBC

diretor estadual

Paulo Tharcicio Motta Vieira Curitiba e Região Banco do Brasil

diretor estadual

Rafael Ramos Curitiba e Região Itaú Unibanco

diretor estadual

Reinaldo Cavalcante De Oliveira Curitiba e Região Itaú Unibanco

diretor estadual

Roberto Firmino Cornélio Procópio e Regiãoo Bradesco

diretora estadual

Rosemeri Dalposso Kuhn Toledo e Região Itaú Unibanco

diretor estadual

Sandro José Zanona Guarapuava e Região Santander

diretor estadual

Sérgio Lemes Barbosa Londrina e Região Mercantil do Brasil

diretora estadual

Sonia Regina Sperandio Boz Curitiba e Região Caixa

diretora estadual

Vandira Martins De Oliveira Curitiba e Região Itaú Unibanco

diretora estadual

Virginia Elizabeth Carvalho Curitiba e Região HSBC

diretor estadual

Walter Tsuyoshi Iwamura Curitiba e Região HSBC

diretora estadual

Zoraide Bassaco Sanches Apucarana e Região Itaú Unibanco
  © Copyright 2011. Todos os direitos reservados.
WebmaniaBR® - Ideias em códigos