Rua XV de novembro, 270, sala 510, Centro, Curitiba-PR, CEP 80020-310, Fone (41)-33229885, Fax (41)-33245636, fetec@fetecpr.org.br
 
 
publicado em 23 de Fevereiro de 2018 às 7:50:
Mais ricos lucraram 7,5% na crise; mais pobres são 95% dos desempregados

Dados divulgados nesta quarta-feira (21) pela SPC Brasil e pela Receita Federal comprovam aumento da desigualdade social

Dados divulgados nesta semana expõem o aumento da desigualdade social nos últimos anos, com a crise econômica e política vivida no país. Um estudo realizado pelo SPC Brasil, o Serviço de Proteção ao Crédito, nesta quarta-feira (21), mostra que os mais pobres são maioria dos desempregados no país.

 95% dos trabalhadores e trabalhadoras desempregados há mais de um ano pertencem às classes C, D e E - Créditos:  Pedro Ventura / Agência Brasília
95% dos trabalhadores e trabalhadoras desempregados há mais de um ano pertencem às classes C, D e E / Pedro Ventura / Agência Brasília
Em contraponto a esse cenário, um documento da Receita Federal publicado nesta semana revela que a parte mais rica da população teve crescimento de renda nos últimos anos.

A pesquisa “O desemprego e a busca por recolocação profissional no Brasil”, feita SPC Brasil, em parceria com Confederação Nacional dos Lojistas (CNDL), mostra que 95% dos trabalhadores e trabalhadoras desempregados há mais de um ano pertencem às classes C, D e E, sendo que 54%  desses têm nível de escolaridade somente até o ensino médio. Além disso, 59%, ou seja, a maioria, é do sexo feminino.

O estudo mostra também que os desempregados demoram, em média, um ano e dois meses para conseguir emprego. De acordo com Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o país tem atualmente 12, 3 milhões de pessoas desempregadas.

Por sua vez, os dados do Imposto de Renda da Pessoa Física da Receita Federal indicam possível aumento na concentração de renda. O documento mostra que a renda per capita do conjunto geral de contribuintes caiu 3,3% em termos reais entre 2014 e 2016, durante o início da recessão econômica do país. Porém, o segmento mais rico da população, formado por pessoas que ganham mais de 160 salários-mínimos por mês, lucrou com a crise: a renda per capita desse grupo cresceu 7,5%.O documento também reforça a conclusão de que os mais ricos pagam pouco Imposto de Renda no Brasil.

Fonte:Brasil de Fato

deixe seu comentário

 
últimas notícias
20 de junho de 2018
  Supremo Tribunal absolve Gleisi Hoffmann e Paulo Bernardo
15 de junho de 2018
  Trabalhadores da Cohab encerram greve, mas prometem manter mobilização
14 de junho de 2018
  Aula pública sobre direito à moradia fortalece greve dos trabalhadores da Cohab Curitiba
13 de junho de 2018
  Bancários abrem campanha nacional ‘por direitos, empregos e pelo Brasil’
13 de junho de 2018
  Negociação já garantiu aos financiários reposição da inflação e ultratividade da CCT
  © Copyright 2011. Todos os direitos reservados.
WebmaniaBR® - Ideias em códigos