Rua XV de novembro, 270, sala 510, Centro, Curitiba-PR, CEP 80020-310, Fone (41)-33229885, Fax (41)-33245636, fetec@fetecpr.org.br
 
 
publicado em 4 de dezembro de 2018 às 8:28:
Ministério do Trabalho será fatiado: área sindical ficará com Moro
Medida anunciada por futuro ministro contraria declaração do presidente eleito. Relator da “reforma” trabalhista, que não conseguiu reeleição, pode ganhar cargo

São Paulo – O futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, disse nesta segunda-feira (3) que o Ministério do Trabalho será dividido em três, com as respectivas áreas sob comando da Economia, da Justiça/Segurança Pública e da Cidadania. A afirmação, feita em entrevista à Rádio Gaúcha, contraria declaração feita em novembro pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro, de que o Trabalho continuaria com status de ministério em seu governo: seria, por suas palavras, um ministério “disso, daquilo e do Trabalho”.

“O atual Ministério do Trabalho, como é conhecido, ele ficará uma parte no ministério do doutor Moro, outra parte com Osmar Terra e outra parte com o Paulo Guedes”, afirmou Lorenzoni. Uma das áreas sensíveis da pasta, a concessão de registro sindical, ficará justamente sob o comando do ministro da Justiça, o ex-juiz Sérgio Moro.

A área de registro sindical foi objeto da Operação Registro Espúrio, da Polícia Federal, que envolveu políticos do PTB (que comandava o ministério) e do SD. O então ministro, Helton Yomura (PTB), caiu devido ao escândalo.

Outro setor importante, o de fiscalização contra o trabalho escravo, também deve ir para a Justiça. É um setor sempre na mira da bancada do agronegócio. Houve mais de uma tentativa de “flexibilizar” o conceito de trabalho escravo. Os grupos móveis de fiscalização foram criados em 1995 e já foram responsáveis pela libertação de mais de 50 mil trabalhadores.

“A parte de fiscalização vai lá junto para o Moro, se não me falha a memória. A princípio deve ficar também com doutor Moro”, disse Lorenzoni. Já políticas públicas de emprego devem ficar em parte com Paulo Guedes (Economia), um ultraliberal.

Para completar, o deputado federal Rogério Marinho (PSDB-RN) é cotado para ocupar um cargo de adjunto na Secretaria de Trabalho e Previdência, que deve fazer parte do “superministério” comandado por Guedes. O parlamentar foi relator da “reforma” trabalhista. Mesmo com muitos apoios de empresas na campanha, não conseguiu se reeleger, assim como o ex-ministro do Trabalho Ronaldo Nogueira, deputado pelo PTB gaúcho.

Fonte: Rede Brasil Atual

deixe seu comentário

 
últimas notícias
15 de Março de 2019
  Ação contra MP dos sindicatos vai ao plenário do STF
15 de Março de 2019
  22 de março é dia de ir às ruas para lutar pela aposentadoria
13 de Março de 2019
  Manifesto contra a Reforma da Previdência (PEC 06/2019)
11 de Março de 2019
  Com governo em queda, Bolsonaro espalha fake news para agredir jornalista
8 de Março de 2019
  Dieese: as mulheres, outra vez, na mira da reforma da Previdência
  © Copyright 2011. Todos os direitos reservados.
WebmaniaBR® - Ideias em códigos