Rua XV de novembro, 270, sala 510, Centro, Curitiba-PR, CEP 80020-310, Fone (41)-33229885, Fax (41)-33245636, fetec@fetecpr.org.br
 
 
publicado em 2 de julho de 2018 às 9:24:
MST produz mais de 50 variedades de feijão orgânico no Rio Grande do Sul

Experiência tem mais de 3 anos e é realizada em dois assentamentos do município de Piratini.

Adão da Silva visita a Feira do Feijão Orgânico da Apecol, que ocorre anualmente no centro de Piratini (RS) / Catiana de Medeiros

O feijão é protagonista de vários pratos típicos do Brasil. É um alimento consumido em todas as regiões do país, misturado com arroz, na salada, no revirado, no acarajé, na feijoada e no baião de dois.

Os assentamentos Conquista da Liberdade e Conquista da Luta, localizados em Piratini, na região sul do Rio Grande do Sul, produzem mais de 50 variedades de feijão. O grande diferencial é que toda a produção é orgânica, ou seja, livre de qualquer substância química e de agrotóxico.

As 20 famílias produtoras se organizam na Apecol, Associação dos Produtores Ecológicos Conquista da Liberdade. O assentado José Venâncio, presidente da Associação, explica como surgiu essa iniciativa há mais de 3 anos.

“Começamos a produzir feijão orgânico numa experiência com a produção de semente vinculada à Embrapa. E começamos a perceber que tinha campo pra avançar na produção de feijão. Nós, então, iniciamos um resgate de produção de sementes crioulas. A gente fez uma primeira lavoura experimental com 13 variedades”.

Após essa primeira experiência, a Apecol realizou a Primeira Feira do Feijão Orgânico no Centro de Piratini. A iniciativa deu tão certo que motivou os camponeses a continuarem apostando no feijão orgânico. No último ano, foram plantadas 32 variedades numa lavoura coletiva. Foram usados apenas produtos naturais que mantêm a boa saúde da planta e a vitalidade do solo. Isso reflete na qualidade das sementes. Segundo Venâncio, muitas variedades podem ser produzidas em todo o país. Mas o tempo de desenvolvimento, até que o grão esteja pronto para o consumo, é variado.

“O feijão preto precisa entre 90 e 120 dias, depende de sua variedade. Os feijões de cor, plantou e em 60 dias já está colhendo. Nós temos o expedito que é um feijão muito conhecido nessa região, mas um feijão mais conhecido no país é o feijão macanudo. É um feijão bom de panela, antigo, muito antigo, que tem uma geração muito longa. Esse feijão dá em qualquer parte do Brasil. E os feijões de cor — iraí, carioca branco, carioca vermelho — também são feijões que produzem muito rápido e que se adaptam muito no solo mais quente”.

A assentada Lucimar de Sousa, além de produzir feijão orgânico, ajuda a preparar a famosa feijoada que é servida anualmente na feira da Apecol. Ela explica as principais diferenças de algumas variedades, para não ter erro na hora de fazer o prato.

“Temos os feijões grossos, que são chamados os feijões de grãos graúdos, que levam mais tempo para cozimento. Mas temos o feijão iraí, que dá um caldo grosso, mas não serve para feijoada. Ele serve para fazer um prato para comer com o arroz, com outros acompanhamentos. Nós temos o mourinho, que é um feijão que cozinha rápido, ele também é encorpado, bom, dá um caldo grosso. Temos o feijão carioca vermelho, que também dá um caldo espesso. No feijão preto, nós temos o feijão expedito, serve para fazer feijoada, também dá um caldo grosso e espesso. E temos o feijão guerreiro, de casca fina, que dá uma feijoada excelente”.

Quem prestou atenção nas dicas de Venâncio e Sousa foi o Adão da Silva. Ele é assentado em Eldorado do Sul, município que fica a mais de 300 quilômetros de Piratini. Na semana passada, ele visitou, pela primeira vez a Feira do Feijão Orgânico da Apecol. Seu Adão adquiriu algumas variedades, entre elas, a enxofre. A ideia é plantar em seu lote, que é todo orgânico, e dividir o resultado com os vizinhos.

“Eu me importo muito com feijão, porque eu faço sementes de algumas sementes de feijão lá em casa, e eu quero ver outras variedades para ver se consigo produzir na terra que é uma terra baixa, área de várzea.

Toda a produção da Apecol é certificada como orgânica. Para Venâncio, uma das maiores contribuições que a iniciativa dá à humanidade é o trabalho de resgate e conservação de sementes crioulas.

“É um resgate da sociedade para uma vida sustentável, para uma vida com menos dificuldade, com uma vida mais saudável, porque tu está consumindo um produto que te diminui o risco de contaminação”.

 
Catiana de Medeiros
Brasil de Fato | Piratini (RS)
Edição: Júlia Rhoden
 
 
deixe seu comentário

 
últimas notícias
5 de novembro de 2018
  Mês da Consciência Negra | Associação promove ciclo de palestras e atividades culturais em...
1 de novembro de 2018
  Indicação de Moro a ministério expõe parcialidade da Lava Jato
31 de outubro de 2018
  Entenda como ficou a gratificação de função dos bancários
31 de outubro de 2018
  Roda de Conversa: discurso de ódio sempre foi marginal e se adaptou a práticas...
29 de outubro de 2018
  Paulo Guedes anuncia que vai priorizar reforma da Previdência e privatizações
  © Copyright 2011. Todos os direitos reservados.
WebmaniaBR® - Ideias em códigos