Rua XV de novembro, 270, sala 510, Centro, Curitiba-PR, CEP 80020-310, Fone (41)-33229885, Fax (41)-33245636, fetec@fetecpr.org.br
 
 
publicado em 4 de setembro de 2018 às 9:37:
Na Argentina voltam os saques e resposta de Macri é extinção de ministérios da área social

Fantasmas do desastre de 2001 voltam a rondar a Casa Rosada e muitos apostam no fim prematuro do governo neoliberal.

Em meio à maior crise econômica desde o “corralito” de 2001, com desvalorização de 28% do peso frente ao dólar em três dias, a Argentina voltou a registrar saques ou tentativas de saques a supermercados no final da semana passada. Os incidentes ocorreram nas províncias de MendozaChubut e Jujuy, mas as imagens ganharam o país e o mundo pela Internet. Nas três localidades foram registradas prisões.

A última resposta do presidente Maurício Macri ao agravamento da crise foi mais uma medida do receituário neoliberal: extinguiu os ministérios de Saúde, Trabalho, Ciência e Tecnologia, Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Energia, Turismo, Cultura e Agroindústria. O corte foi noticiado pela imprensa ainda no sábado (1º) e confirmado oficialmente nesta segunda-feira (3). Todas as pastas foram transformadas em secretarias e absorvidas por outros ministérios. O governo não informou quanto pretende economizar com a reforma.

Em junho o Fundo Monetário Internacional (FMI) acordou com Macri um empréstimo de US$ 50 bilhões. E na semana passada, enquanto parte da população correu aos bancos para salvar suas economias, o presidente argentino pediu ao Fundo um adiantamento de US$ 3 bilhões desse montante. Já vai longe o tempo em que Néstor Kirchner anunciava orgulhoso o pagamento da dívida com o FMI.

Embora o fantasma de 2001 ronde novamente a Casa Rosada, os tempos são outros e não é possível apostar em qualquer desfecho para o governo atual. Entretanto, parece que o acúmulo de políticas de austeridade, de arrocho neoliberal, sendo mais claro, esgotou a paciência da população.

Argentina em 2001 (Ezequiel Putruele)

Histórico – Ao assumir a presidência, em dezembro de 2015, Macri recebeu o país com o dólar cotado a 9,75 pesos. Um de seus primeiros atos na Casa Rosada foi acabar com a restrição de compra da moeda estadunidense, instrumento usado pelo governo de Cristina Kirchner para proteger a indústria nacional e o poder de compra do povo argentino. O fim do “cepo” cambial agradou a classe média, mas teve impacto imediato na inflação de produtos essenciais para o cotidiano do país, como o trigo, o cimento e outros itens.

No final de 2017, após dois anos de “abertura econômica”, como apregoavam os porta-vozes do macrismo, o dólar alcançava 19 pesos, a inflação do biênio superava os 65% – 40,7% em 2016 e 24,7% em 2017 – e a dívida externa do país aumentou 35%.

As tarifas de energia, gás e água sofreram “tarifaços” que variaram entre 300% e 2.000% já no primeiro ano e se repetiram este ano. O desemprego disparou, a extrema pobreza cresceu – apesar de uma redução em 2017 – e os aposentados sofreram um duro corte nas aposentadorias com a reforma da previdência aprovada pelo Congresso no final do ano passado, apesar dos intensos protestos da população, o que gerou forte repressão policial.

Logo após a vitória nas urnas em 2015, o principal economista de Macri, Alfonso Prat-Gay, que viria a ser o primeiro ministro da Fazenda do novo presidente, fez uma previsão que agradou o eleitorado e acalmou o mercado: “O dólar estará mais perto de 9,50 [pesos], se fizermos as coisas bem, mais perto de 16 se a quem compete fizer as coisas mal”.

Na semana passada, a explosão: o dólar começou sendo vendido a 31 pesos na segunda (27) e chegou a ser comercializado a 42 pesos na quinta-feira (30). Em janeiro as verdinhas estavam cotadas a 18,6 pesos. Isso faz da Argentina o país que mais desvalorizou sua moeda no mundo ao longo do ano.

Tudo isso fez o povo argentino lembrar de forma cristalina o que Macri prometeu na campanha em relação à política econômica. “Não passa por aí a Argentina. Não vamos desvalorizar [o peso]. É mentira dele”, disse o então candidato, atacando Daniel Scioli, postulante kirchnerista derrotado por uma diferença inferior a 700 mil votos (2,68% em termos percentuais).

Por Rogério Tomaz
Acesse aqui a publicação original

deixe seu comentário

 
últimas notícias
19 de setembro de 2018
  Financiários garantem proposta de aumento real da Fenacrefi
12 de setembro de 2018
  Financiários retomam negociações com Fenacrefi na terça-feira (18)
12 de setembro de 2018
  Privatização da Eletrobras avança e presidente anuncia novo plano de demissão
12 de setembro de 2018
  PT anuncia Haddad como candidato a presidente após justiça impugnar Lula
11 de setembro de 2018
  Beto Richa (PSDB) e parentes são presos pelo Gaeco
  © Copyright 2011. Todos os direitos reservados.
WebmaniaBR® - Ideias em códigos