Confira artigo de opinião do diretor da secretaria de Combate ao Racismo da FETEC-CUT-PR, Ivai Lopes Barroso, sobre como a Reforma da Previdência afeta o povo negro.

Foto: Gibran Mendes/CUT PR

O primeiro lampejo do ridículo é que agora eles estão usando argumentos teóricos em defesa da democracia e da cidadania para atacar a população negra, que é a que mais depende das políticas de inclusão do estado. Parlamentares sedentos por cargos, poder, pelo dinheiro que o inominável vai distribuir para aprovação e o lodo que sobrou do regime militar de assassinos, ladrões e torturadores, a reforma da previdência atenta contra a isonomia de direitos entre os cidadãos, seria para dar gargalhadas, se não fosse um furto escandaloso dos profissionais dos maiores privilegiados do país, contra a grande parcela mais explorada e oprimida da população, os negros.

Uma montanha de argumentos mentirosos. A lei iguala todos os cidadãos, mas na vida real até os mais ignorantes sabem que todos os cidadãos são desiguais e que a igualdade perante a lei é uma falácia corroída pelo tempo. Já vem de longe o sofrimento da população negra. Apenas há os que não se cansam de insultar a inteligência alheia.

Eles vão criar ainda mais a desigualdades baseada na cor da pele, isso por que no Brasil 55% da população é negra e sofre o impacto direto e indireto da reforma da previdência. E essa desigualdade histórica e brutal se chama escravidão. A dita reforma provocará uma limpeza singular dos mais pobres periféricos, uma limpeza étnica quase que silenciosa no pais, é isso que a elite gananciosa quer, com uma desfaçatez sem precedentes vão novamente invocar o velho mito da democracia racial para transformar essa “reforma da previdência” em uma guloseima para melhor ser ingerida, vão usar de mentiras, fake News e vão fugir do debate público. Com todo o arsenal liberal, (mídia, políticos corruptos, grandes corporações, etc.) já temos o velho e familiar racismo à brasileira: astuto, insidioso rasteiramente cínico, patriarcal, bonachão e bondoso.

Enquanto isso a população negra se afunda ainda mais na miséria e na opressão até por que os poderosos vão dizer que não há negros, há gênero humano, que o negro criou o próprio mito e eles não tem nada com isso.

Esse debate da previdência só vai ser superado por meio da luta contra os racistas, com uma mobilização nacional que faça com que os menos esclarecidos entendam que estão sendo açoitados pelo liberalismo desse capitalistão que não para de se refazer.

Por Ivai Lopes Barroso
Diretor da Secretaria de Combate ao Racismo da FETEC-CUT-PR

Escreva um comentário

Rua XV de novembro, 270, sala 510, Centro, Curitiba-PR, CEP 80020-310, Fone (41)-33229885, Fax (41)-33245636, fetec@fetecpr.org.br