Rua XV de novembro, 270, sala 510, Centro, Curitiba-PR, CEP 80020-310, Fone (41)-33229885, Fax (41)-33245636, fetec@fetecpr.org.br
 
 
publicado em 8 de abril de 2017 às 0:13:
PREVIDÊNCIA SOCIAL É DIREITO, NÃO MERCADORIA.

Artigo publicado no Jornal “A Tribuna” de Vitória/ES, em 05/04/2017, página 19


 Luciano Fazio, consultor e autor do livro “O que é previdência social”, Loyola, 2016

 

Em 13 de maio de 2016, um conhecido me disse que, já antes de 1888, os escravos no Brasil podiam ser livres: era somente comprarem sua alforria. Comentário infeliz! Graças a Deus, os brasileiros sabem que a liberdade é um direito e não se dá por meio de compra-venda.

Distintos dos direitos à vida, ida e vinda, palavra, opinião, propriedade, há os direitos sociais: educação, saúde, alimentação, trabalho, moradia, transporte, lazer, segurança, previdência social, proteção à maternidade e à infância, assistência aos desamparados, conforme o atual art. 6º da Constituição Federal (CF).

Os primeiros dizem respeito à liberdade da pessoa e limitam o poder do Estado e dos demais indivíduos. Foram conquistados contra o Estado absolutista, onde não havia cidadãos, mas apenas súditos do rei. A partir da Revolução Francesa de 1789, passaram a ser reconhecidos em quase todos os países.

Os direitos sociais vieram para tornar mais efetiva a igualdade, assegurada formalmente no âmbito jurídico, mas que não alcançava as dimensões social e material. Nossa “sociedade de mercado”, se nada for feito, é concentradora de riqueza e gera pobreza, mesmo entre quem tiver trabalho. Os direitos sociais, reconhecidos na Declaração Universal dos Direitos Humanos da ONU e na Constituição Federal (CF) de 1988, são a garantia de que ninguém será deixado na miséria e na infelicidade. E se tornam realidade graças às políticas públicas.

A Previdência Social visa o sustento do trabalhador (e de sua família) que perdeu os rendimentos do trabalho. Contudo, a CF, ao afirmar o “caráter contributivo” desse direito, introduz um potencial conflito de concepções. De um lado, o direito social na lógica “a cada um segundo sua necessidade”. De outro lado, a contraprestação ao pagamento: “a cada um, de acordo com sua contribuição”, como se a dignidade fosse devida apenas a quem por ela possa pagar, tornando-se uma mercadoria.

O art. 194 da CF reduz esse conflito, ao dispor:

  • “a universalidade da cobertura e do atendimento”, ou seja, dando à previdência a missão de incluir a todos;
  • “a equidade na forma de participação no custeio”, para contemplar também quem tiver baixa capacidade contributiva;
  • “a diversidade da base de financiamento”, que viabiliza a previdência como política de Estado, financiada por toda a sociedade.

A proposta de reforma (PEC 287) exclui da proteção previdenciária quase a metade dos segurados quando aumenta as exigências contributivas em detrimento do direito social, ignorando as disposições do art. 194 da CF.

Com efeito, o agricultor familiar (sem salário) será obrigado a contribuir mensalmente como se o tivesse. O aumento da carência contributiva da aposentadoria por idade, de 15 para 25 anos, punirá quem tiver ficado desempregado ou trabalhado na informalidade, bem como a mulher que se dedicou ao trabalho doméstico não remunerado. A retirada do salário mínimo como piso das pensões por morte e dos benefícios assistenciais condenará milhões à indigência.

Liberdade não tem preço. Níveis mínimos de dignidade para todos os brasileiros também não. Por excluir multidões dos direitos da cidadania, a PEC 287 não pode ser aprovada.

deixe seu comentário

 
últimas notícias
22 de setembro de 2017
Denúncia contra Temer por obstrução de justiça e organização criminosa chega à Câmara
21 de setembro de 2017
Entenda a mordida na sua PLR de setembro!
20 de setembro de 2017
Bancários querem criação de programa pela diversidade
20 de setembro de 2017
Com proposta defendida pelo governo, ‘Brasil caminha para manicômio tributário’
19 de setembro de 2017
Paraná sedia um dos maiores eventos de incentivo à agroecologia do Brasil
  © Copyright 2011. Todos os direitos reservados.
WebmaniaBR® - Ideias em códigos