Trabalhadores bancários recebem promoção por mérito, uma conquista do movimento sindical

Os empregados da Caixa Econômica Federal receberam no último dia 20 a remuneração por promoção de mérito referente ao exercício de 2012. Mais de 80% dos 93 mil empregados conquistaram entre um e dois deltas, que representam mudanças de nível no Plano de Cargos e Salários (PCS), sendo que cada delta equivale a 2,3% na tabela salarial da carreira administrativa.

“Essa é uma grande conquista da mobilização dos bancários e do processo negocial travado pela Contraf-CUT, federações e sindicatos com o banco. Desde a implantação do PCS em 2008, houve a retomada da avaliação por mérito feita a cada ano, o que possibilita uma evolução e crescimento na carreira dos trabalhadores, independentemente da função de confiança que exerça”, explica Jair Ferreira, coordenador da Comissão Executiva dos Empregados (CEE/Caixa), que assessora o Comando Nacional nas negociações com o banco.

Todas as regras de avaliação são definidas por uma comissão paritária, formada por representantes dos trabalhadores e a Caixa. “Ano a ano as regras, os quesitos e itens a serem avaliados são aprimorados e o ideal é que estas regras sejam conhecidas o quanto antes dentro do ano em exercício. No ano passado, pela primeira vez, as regras foram adiantadas aos trabalhadores em julho”, afirma Jair.

Segundo os critérios, não constam no processo de avaliação os trabalhadores que estão no teto da carreira e os que entraram na Caixa nos últimos seis meses.

Aprimorando

Na segunda semana de março haverá nova reunião da comissão paritária para avaliar as regras vigentes em 2012 e já estabelecer os critérios para o exercício de 2013. “Nosso objetivo é que, pelo processo de negociação, a metodologia de avalição por mérito seja perene na Caixa e que seja aprimorada a cada ano”, avalia Jair.

Fonte: Contraf-CUT
Notícia colhida no sítio http://www.fenae.org.br/portal/data/pages/8A19A3E23CFA5515013D0331F02A1749.htm
==============================

Caixa diz que não há definição a respeito de reestruturação

Caixa voltou a afirmar que não há nada além de pesquisas e diagnósticos

A existência de mudanças de impacto na situação funcional e na locação dos empregados foi negada pela Caixa Econômica Federal na mesa de negociações permanentes com a Contraf-CUT, federações e sindicatos, na tarde desta quarta-feira, dia 20, em Brasília.

Os representantes da empresa voltaram a afirmar que não há nada além do que pesquisas e diagnósticos sendo feitos por uma consultoria contratada, visando levantar pontos estruturais críticos e apontar melhorias em procedimentos. Coisa tida como parte da busca permanente por aperfeiçoamentos.

O trabalho da consultoria, segundo informaram, está ainda inconcluso e, portanto, desconhecido entre os gestores que não são da área que o acompanha.

Houve reconhecimento por parte dos negociadores da Caixa quanto à movimentação que acontece na área de Contabilidade, envolvendo as seis unidades situadas em diferentes pontos do país, mas como um caso específico, de alcance restrito.

Os representantes dos empregados chamaram a atenção para a dimensão que o boato sobre reestruturação assumiu dentro da empresa e solicitaram à Caixa iniciativas no sentido de melhor informar e orientar o corpo funcional para evitar inquietações. Sugeriram, inclusive, comunicação dirigida especificamente aos gestores, com o intuito de orientá-los a não darem vazão ao que não se tem como certo.

A rodada de negociação desta terça-feira tratou ainda da elaboração de política para descomissionamento, aperfeiçoamento do processo de avaliação por mérito e condições de trabalho. Este último tema envolveu questões como login único, Sisag, atendimento expresso, corredores para abastecimento dos caixas e abertura de agência versus locação de pessoal.

Descomissionamento

A Contraf-CUT entregou à Caixa sugestões para instituição de critérios e procedimentos a serem adotados em caso de retirada da função comissionada. A elaboração da política de descomissionamento foi acertada entre as parte no último acordo coletivo.

A ideia é assegurar que o empregado que ascendeu na carreira por meio de processos seletivos internos não venha a ser surpreendido com a retirada da função que galgou sem justificativas plausíveis por parte dos gestores, algo que acontece com muita freqüência atualmente. Pelo que se estabeleceu no acordo coletivo, a Caixa deverá apresentar o seu estudo sobre o assunto até 31 de março.

Avaliação por mérito

A Contraf-CUT abordou a avaliação por mérito instituída na empresa a partir de 2008 como uma conquista dos bancários da Caixa e propôs a retomada das discussões para aperfeiçoamento do processo.

O entendimento é de que há questões que merecem ser analisadas pela comissão paritária que elaborou os critérios da avaliação. Uma delas se refere às dificuldades que muitos empregados estão tendo para a conclusão dos cursos da Universidade Caixa.

A empresa concordou com a retomada das discussões na comissão paritária já no mês de março. A reunião deverá ocorrer entre os dias 11 e 15.

Condições de trabalho

Login único

A Caixa informou que o piloto foi implantado com sucesso e que a adoção do login único em âmbito geral se dará até o dia 31 de agosto.

Sisag

Os representantes dos empregados voltaram a chamar atenção para os problemas decorrentes da implantação do Sistema de Automação de Produtos e Serviços de Agências (Sisag), como é o caso da falta de suporte para ocorrências nos procedimentos experimentais.

Foi reafirmada a exigência de garantia de não punição aos empregados por erros decorrentes da implantação do novo sistema. A empresa afirmou que os problemas estão sendo eliminados e que os empregados não sofrerão conseqüências pelos que ocorreram ou que ainda possam ocorrer.

Atendimento expresso

A Caixa ficou de analisar os problemas apontados pela representação dos empregados em relação ao atendimento expresso. O principal deles é quanto à utilização de pessoas sem preparação para realizar o serviço, que exige conhecimento mínimo de operações de caixa.

Abastecimento de caixa

Segundo a empresa, das 22 agências que não contavam com corredores para o abastecimento dos caixas até o início deste ano apenas quatro ainda não tiveram solução para o problema.

Abertura de agências

Segundo os representantes da empresa, a Lotação Autorizada de Pessoal (LAP) na novas agências é de, em média, nove empregados. A representação dos empregados relatou exemplos de flagrante escassez de pessoal em boa parte das agências que estão sendo inauguradas e cobrou a ampliação do número de empregados, bem como a observância a outros problemas estruturais que comprometem as condições de trabalho.

PLR

A Contraf-CUT cobrou a antecipação do pagamento da segunda parcela da PLR para o dia 1º de março. A empresa anunciou o pagamento para esta data.

Fonte: Contraf-CUT com Fenae

Notícia colhida no sítio http://www.contrafcut.org.br/noticias.asp?CodNoticia=33447

==============================

Dieese divulga análise do balanço recorde da Caixa

O crescimento robusto da carteira de crédito da Instituição explica em boa medida seus resultados positivos em 2012. As operações de crédito cresceram 42% nos últimos 12 meses e encerraram o ano com um saldo de R$ 353,7 bilhões

O Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) fez uma análise do balanço financeiro da Caixa Econômica Federal, divulgado nesta quarta-feira, 20 de fevereiro. Segundo o órgão, “o crescimento robusto da carteira de crédito da Instituição explica em boa medida seus resultados positivos em 2012”. A Caixa apresentou um lucro recorde em 2012 de R$ 6,1 bilhões, 17,1% superior a 2011.

Ainda, conforme o Dieese, “contrariando as previsões econômicas mais conservadoras, essa expansão na oferta de crédito pela CAIXA não resultou em um aumento de sua taxa de inadimplência. Pelo contrário, a taxa de inadimplência manteve–se “bem comportada”, baixa e estável, na casa dos 2,0% do total da carteira”.
Confira a íntegra do documento na página “Espaço Dieese”, que pode ser acessado no portal www.fenae.org.br , na barra de atalhos “Publicações”, clicar em Espaço Dieese.

Notícia colhida no sítio http://www.fenae.org.br/portal/data/pages/8A19A3E23CFA5515013CFE4B0CF67A39.htm
==============================

CAIXA TEM LUCRO RECORDE DE R$ 6,1 BI EM 2012

Brasilia, 19 de Fevereiro de 2013

Carteira de crédito cresce 42%
A Caixa Econômica Federal encerrou o ano de 2012 com lucro líquido acumulado de R$ 6,1 bilhões, 17,1% maior que o obtido em 2011, e retorno médio de 27,2%. O total de ativos administrados em dezembro era de R$ 1,3 trilhão. Desse valor, R$ 702,9 bilhões referem-se a ativos próprios, evolução de 37,8% em relação a dezembro de 2011.
O resultado da Instituição foi impulsionado pela sua carteira de crédito, que evoluiu 42% nos últimos 12 meses e encerrou o ano com saldo de R$ 353,7 bilhões.
A expansão da carteira foi influenciada pelo Programa CAIXA Melhor Crédito, lançado em abril, que tem como pilares a redução das taxas de juros e o aumento do volume de recursos disponíveis ao mercado, além da orientação para o crédito consciente.
A CAIXA observa com rigor as melhores práticas de gestão de risco, as quais garantiram a manutenção em 2,08% do índice de inadimplência, praticamente o mesmo patamar apresentado ao final de 2011. Em dezembro, cerca de 92% do crédito na CAIXA estava concentrado nos ratings AA a C, enquanto o índice de Basiléia encerrou o ano em 13,0%, 2 p.p. acima do limite mínimo exigido.
No ano, 6,7 milhões de novos correntistas e poupadores iniciaram relacionamento bancário com a CAIXA. Apenas correntistas no segmento de pessoas físicas foram 3,1 milhões, incluindo as contas CAIXA Fácil, enquanto no segmento de pessoas jurídicas foram 350 mil. Dessa forma, a base de clientes totalizou 65,2 milhões, uma evolução de 11,4% em relação ao ano anterior.
O ano de 2012 foi marcado por forte investimento na expansão da rede de atendimento. Dos R$ 3,2 bilhões investidos, foram aplicados R$ 1,0 bilhão na abertura de 653 novas unidades – 559 agências e 94 postos de atendimento (PA) – e outros R$ 2,2 bilhões na infraestrutura de suporte aos negócios.
Com o objetivo de ampliar as condições de atendimento, foram contratados 11 mil novos empregados, aumentando o quadro de pessoal próprio para 93 mil colaboradores.
Destaca-se ainda que em 2012 a CAIXA injetou cerca de R$ 530 bilhões na economia, referentes a contratações de crédito, programas de governo, remuneração de pessoal, além de tributos e encargos sociais destinados ao Governo Federal, estados e municípios. Outros R$ 4,7 bilhões arrecadados pelas Loterias foram repassados à sociedade por meio dos respectivos ministérios responsáveis, para aplicação em saúde, esportes e segurança.
Para o presidente da CAIXA, Jorge Hereda, “em 2012 o banco consolidou sua relevância no mercado financeiro, assumindo a liderança do processo de redução das taxas de juros adotadas pelos bancos brasileiros e realizou fortes investimentos na ampliação da capacidade de atendimento aos seus clientes”. “Além disso, trabalhamos a eficiência corporativa como um valor para garantir a geração de resultados sustentáveis”, comentou.
Carteira de crédito:
O crédito comercial apresentou saldo de R$ 121,5 bilhões, um incremento de 53,2% no ano. As operações com pessoas físicas registraram saldo de R$ 55,5 bilhões, evolução de 51,6%. Já a carteira de pessoas jurídicas encerrou o ano com R$ 65,9 bilhões, crescimento de 54,6%.
As contratações comerciais somaram R$ 177,2 bilhões até o final de 2012, uma evolução de 35,9% em relação ao ano anterior. As operações com pessoas físicas alcançaram R$ 94,7 bilhões, enquanto as com pessoas jurídicas atingiram R$ 82,5 bilhões, aumento de 47,4% e 24,7%, respectivamente, comparadas às contratações de 2011.
Nesse ano, a CAIXA ingressou no mercado de agronegócio. De setembro a dezembro de 2012, foram contratados R$ 157,5 milhões entre empréstimos e financiamentos.
Carteira de habitação:
A carteira imobiliária apresentou saldo de R$ 205,8 bilhões em dezembro de 2012, aumento de 34,6% comparado ao ano de 2011. As operações com recursos da poupança somaram R$ 108,3 bilhões e, nas linhas que utilizam os recursos do FGTS, a CAIXA alcançou R$ 97,3 bilhões, crescimentos de 36,7% e de 32,6%, respectivamente.
Mais uma vez a CAIXA bateu recorde de contratação imobiliária, que atingiu R$ 106,7 bilhões, um crescimento de 33,3% em relação ao mesmo período de 2011. Desse total, R$ 46,7 bilhões foram realizados com recursos da poupança (SBPE) e R$ 38,7 bilhões nas linhas que utilizam o FGTS. Além disso, foram aplicados R$ 21,3 bilhões pelo FAR e demais fontes.
No âmbito do Programa Minha Casa Minha Vida, desde o seu lançamento em 2009 até o final de 2012, a CAIXA contratou 2,1 milhões de novas moradias, totalizando R$ 134,5 bilhões. Destas contratações, já foram entregues aos beneficiários mais de 1 milhão de unidades habitacionais, beneficiando cerca de 4,1 milhões de pessoas.
Saneamento e infraestrutura:
A Instituição também se destacou no financiamento de obras para saneamento urbano e infraestrutura. Em dezembro de 2012, o saldo dessas operações era de R$ 23,9 bilhões, expansão de 37,4% em 12 meses. No ano de 2012 foram contratados R$ 34,6 bilhões, evolução de 67,5% em relação a 2011, sendo R$ 30,0 bilhões em infraestrutura e R$ 4,6 bilhões em saneamento. 
Em setembro, a CAIXA lançou o Financiamento à Infraestrutura e ao Saneamento (FINISA), voltado a tomadores do setor público e privado. Essa linha é destinada a projetos de saneamento ambiental, energia, transporte e logística e tem como objetivo simplificar e ampliar a concessão de crédito para esse fim. Até o final de 2012 foram contratados R$ 1,9 bilhão.
Para o segmento de energia foram contratadas 18 operações em 2012, totalizando o valor de R$ 12,7 bilhões em financiamentos. Já no segmento da construção naval foram contratados R$ 2,2 bilhões com recursos do Fundo da Marinha Mercante (FMM).
Captações de recursos:
Em 2012, os depósitos atingiram saldo de R$ 319 bilhões, com destaque para a Poupança, com saldo de R$175,6 bilhões e captação líquida de R$ 15,6 bilhões, 37,9% superior ao volume registrado em 2011. Os depósitos a prazo captaram R$ 22,8 bilhões no período totalizando R$ 96,5 bilhões.
Com 22,6 milhões de contas, os depósitos à vista alcançaram saldo de R$ 27,4 bilhões. Dessas contas, 20,9 milhões são de pessoas físicas, sendo 9,8 milhões na modalidade CAIXA Fácil, que não cobra tarifas. Somente neste ano, foram abertas cerca de 1,8 milhão de contas CAIXA Fácil.
As Letras Imobiliárias e Financeiras apresentaram captação líquida de R$ 21,4 bilhões e saldo de R$ 49 bilhões. Em novembro, foi lançada a Letra de Crédito do Agronegócio (LCA), que em apenas dois meses captou cerca de R$ 1 bilhão.
Alinhada à estratégia de expansão da sua base de clientes e negócios e ampliando ainda mais suas fontes de recursos, a CAIXA inaugurou sua participação no mercado internacional de capitais e emitiu US$ 1,5 bilhão em bônus no exterior, dos quais US$ 1,0 bilhão para o prazo de cinco anos e US$ 500 milhões para o prazo de dez anos.
Ao final de 2012, o patrimônio administrado dos fundos de rede, exclusivos, estruturados e carteiras era de R$ 398,2 bilhões, acréscimo de 22,3% em relação a 2011. Somente os fundos de rede e exclusivos somaram R$ 198,1 bilhões, crescimento de 29,9% frente ao mesmo período do ano anterior.
Rede de Atendimento :
Em 2012 a rede da CAIXA atingiu 62 mil pontos de atendimento. São 3,5 mil agências e PA, 33,6 mil correspondentes CAIXA AQUI e lotéricos, além de 24,9 mil máquinas espalhadas nos postos e salas de autoatendimento.
No período, foram abertas 653 novas agências e PA, 2,6 unidades por dia útil, 1.391 unidades lotéricas, além de 794 novas salas de autoatendimento. Essa estrutura reforçou a presença da CAIXA em todos os municípios brasileiros, onde foram realizadas 5,6 bilhões de transações bancárias no ano.

Notícia colhida no sítio http://www1.caixa.gov.br/imprensa/imprensa_release.asp?codigo=7012669&tipo_noticia=

Escreva um comentário

Rua XV de novembro, 270, sala 510, Centro, Curitiba-PR, CEP 80020-310, Fone (41)-33229885, Fax (41)-33245636, fetec@fetecpr.org.br