Eleições 2018 – Datafolha: Lula lidera e bate todos os candidatos no 2º turno

Intenções de votos no ex-presidente seguem elevadas, mesmo após condenação em segunda instância. Na hipótese de ser barrado, candidatura indicada por ele lidera com 27%
por Redação RBA publicado 31/01/2018 10h17, última modificação 31/01/2018 10h43
Ricardo Stuckert/Instituto Lula

Lula

Mesmo após condenação pelo TRF4, ex-presidente Lula segue líder e bate todos os adversários

São Paulo – O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva continua liderando a corrida eleitoral à Presidência da República, com intenções de votos entre 34% e 37% no primeiro turno, e segue vencendo todos os demais candidatos no segundo. Os números são da pesquisa Datafolha, realizada entre os dias 29 e 30 e divulgadas nesta quarta-feira (31) pelo jornal Folha de S.Paulo.  É a primeira sondagem feita após a confirmação pelo Tribunal Regional Federação da 4ª Região (TRF4) da condenação de Lula no processo do chamado tríplex do Guarujá, que pode levar ao impedimento de sua candidatura.

Em segundo lugar, aparece o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ), que tem entre 16% e 18% das intenções de voto – a depender da lista de concorrentes –, seguido pela ex-senadora Marina Silva (Rede), que registra de 8% a 10% dos votos, e o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), com 7%. Ciro Gomes (PDT) oscila entre 6% e 7%.

O apresentador Luciano Huck aparece com 6%. Já o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa aparece com 5%. O senador Alvaro Dias (Podemos-PR) marca de 3% a 6%, e a deputada estadual Manuela d’Ávila (PCdoB-RS) oscila de 1% a 3%.

Em eventual disputa no segundo turno contra o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, Lula registra 49% das intenções de votos, ante 30% do tucano. Ele também bate a ex-senadora Marina Silva, por 47% a 32% e Bolsonaro, por 49% a 32%.

Em relação ao último levantamento realizada pelo mesmo instituto, em finais de novembro passado, o ex-presidente Lula oscilou negativamente, mas dentro da margem de erro da pesquisa, que é de 2 pontos percentuais, mesmo após a sua condenação pelo TRF4 por corrupção passiva, na semana passada.

Transferência de votos

O potencial de transferência de votos do ex-presidente também oscilou dentro da margem de erro. Em novembro, o apoio de Lula a outro candidato seria fator determinante para 29%. Agora, são 27% que votariam em candidato apoiado por ele. Ou seja, se Lula for impedido de se candidatar, a candidatura indicada por ela passa a liderar. Não votariam em indicado por Lula 53% do eleitorado.

Em contraposição, eventual candidato indicado pelo juiz Sérgio Moro contaria com o apoio de 25% do eleitorado, e metade do eleitorado rejeitaria um nome indicado por ele.

Reprodução fsp
Folha faz questão de não destacar liderança de Lula na manchete. Prefere induzir o leitor a crer que ele já está fora

Para o diretor-geral do Datafolha, Mauro Paulino, a pesquisa é histórica. “A possível inelegibilidade do ex-presidente aprofunda a crise de representação no cenário político e lança ainda mais incertezas sobre o pleito deste ano e seus desdobramentos. Em nenhum outro levantamento de intenção de voto para presidente já feito pelo instituto em ano eleitoral observou-se uma taxa tão elevada de brasileiros com a pretensão de votar em branco ou anular o voto. É o que acontece quando se exclui o nome de Lula da disputa”, escreve Paulino, em artigo feito em coautoria com o também diretor do instituto Alessandro Janoni.

“A crise democrática fica ainda mais evidente nas simulações de segundo turno. Em duas dentre três hipóteses testadas sem Lula, brancos e nulos disputam a liderança com os dois candidatos finalistas, dentro da margem de erro da pesquisa. Nesses cenários, se a eleição fosse agora, o Brasil poderia eleger um presidente rejeitado por quase 70% da população”, assinalam no artigo.

Ainda se a candidatura de Lula for barrada, as sondagens indicam que abaixo do nome indicado por Lula aparecem Bolsonaro, Marina, Ciro Gomes e Alckmin.

Rejeição

O presidente Michel Temer (PMDB) lidera o índice de rejeição, com 60% segundo o Datafolha, seguido pelo ex-presidente e senador Fernando Collor (PTC-AL), com 44%. Logo abaixo, aparecem Lula (40%), Bolsonaro (29%), Alckmin (26%) e Huck (26%) entre os nomes rejeitados.

Notícia colhida no sítio http://www.redebrasilatual.com.br/politica/2018/01/datafolha-lula-segue-lider-e-bate-todos-os-candidatos-no-2o-turno

=========================================

Datafolha: Lula segue líder mesmo após condenação

por Redação — publicado 31/01/2018 09h58, última modificação 31/01/2018 11h26

Sem o ex-presidente na disputa, o deputado federal Jair Bolsonaro aparece em primeiro

Foto: Miguel Schincariol / AFP

Lula

Lula discursa em São Paulo: ele continua em primeiro, mas deve ser impedido de disputar o pleito

A primeira pesquisa de intenções de voto para as eleições de outubro após a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), divulgada nesta quarta-feira 31 pelo Datafolha, mostra que o petista continua liderando em todos os cenários em que aparece, tanto em simulações de primeiro turno quanto de segundo turno.

Como a condenação de Lula se deu em segunda instância, ele dependerá de uma decisão da Justiça Eleitoral para evitar a Lei da Ficha Limpa e disputar o pleito.

Leia também:
Condenação de Lula cria pressão sobre o STF
STJ nega pedido de habeas corpus da defesa de Lula

Nos quatro cenários em que foi testado, Lula tem no mínimo 34% de intenções de voto. No mais favorável a ele, tem 37%, contra 16% do deputado federal Jair Bolsonaro (PSC), 7% do ex-ministro Ciro Gomes (PDT) e do governador Geraldo Alckmin (PSDB-SP), 5% do ex-presidente do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa (sem partido), 4% do senador Alvaro Dias (Podemos), 2% do senador Fernando Collor (PTC) e 1% (cada um) da deputada Manuela D’Avila (PCdoB), do presidente do BNDES Paulo Rabello de Castro (PSC) e João Amoêdo (Novo).

Em um segundo cenário, sem Joaquim Barbosa, mas com o ministro da Fazenda Henrique Meirelles no páreo, Lula tem 36%, seguido por Bolsonaro (18%), Alckmin e Ciro (7%), Dias (4%) e Manuela e Collor (2%). Meirelles, Castro e Amoêdo marcaram 1%.

Quando a ex-senadora Marina Silva (Rede Sustentabilidade) e o apresentador Luciano Huck (Globo) entram na pesquisa, o cenário sofre algumas mudanças. Lula tem 34%, contra 16% de Bolsonaro, 8% de Marina, 6% de Huck, Ciro e Alckmin e 3% de Alvaro Dias. Collor, Manuela, Meirelles e Amoêdo marcam 1%.

No último cenário com Lula, o candidato do PSDB é João Doria, prefeito de São Paulo. Aqui, Lula tem 35%, contra 17% de Bolsonaro, 10% de Marina, 7% de Ciro, 4% de Doria e Dias e 2% de Collor. Manuela, Amoêdo e Castro têm 1%.

E se Lula ficar de fora?

Nos quatro cenários em que Lula não aparece, o deputado Jair Bolsonaro é o líder, com ao menos 18%. As quatro simulações são idênticas às feitas com Lula, mas sem o nome do ex-presidente. No seu lugar, aparece Jaques Wagner, ex-governador da Bahia, que fica com 2% em todos os cenários.

No primeiro cenário, Bolsonaro tem 19%, contra 12% de Ciro, 11% de Alckmin, 6% de Dias e 5% de Barbosa. Os outros candidatos não passam de 3%. No segundo, o deputado fica com 20% e é seguido por Ciro (13%), Alckmin (11%) e Dias (6%). Os outros não passam de 3%.

Leia também:
A inquisição fortalece Lula

Quando Marina Silva aparece, ele fica em segundo lugar. No terceiro cenário, Bolsonaro vai a 18%, enquanto a ex-senadora tem 13%. Ciro Gomes (10%), Luciano Huck (8%) e Alckmin (8%) aparecem embolados, com Dias atrás, com 5%. Os outros marcam 2% ou menos.

No último cenário, Bolsonaro tem 20%, Marina tem 16%, Ciro tem 12%, Dias tem 6% e João Doria tem 5%.

Segundo turno

Nas eventuais disputas de segundo turno, Lula também é imbatível. Venceria com facilidade tanto Bolsonaro (49% a 32%) quanto Marina (47% a 32%) e Alckmin (49% a 30%).

Sem Lula, a disputa fica aberta. Alckmin e Ciro ficariam empatados na margem de erro (34% a 32%), assim como Alckmin e Bolsonaro (35% a 33%). Marina Silva venceria Bolsonaro por 42% a 32%.

A pesquisa foi feita na segunda-feira 29 e na terça-feira 30, com 2.826 entrevistas, realizadas em 174 municípios. A margem de erro é de dois pontos para mais ou menos.

Notícia colhida no sítio https://www.cartacapital.com.br/politica/datafolha-lula-segue-lider-mesmo-apos-condenacao

==================================

Lula ‘Uma ofensiva conservadora tenta anestesiar o país’

O secretário de Clacso, Pablo Gentili, reconstruiu um dia que será fundamental no Brasil e região: 24 de janeiro, quando a Justiça deixou Lula perto de não poder candidatar-se à presidência. Aqui suas conversas com Lula nos momentos anteriores e depois do fracasso dos juízes de Porto Alegre

29/01/2018 13:43

Reprodução

Por Pablo Gentili, para o Página/12

Lula apoia seu rosto sobre a mão esquerda. Não parece cansado, embora todos ao seu redor estejam exaustos depois de semanas de tensão e nervosismo. Faltam algumas horas para que o Tribunal Regional Federal confirme a sentença do juiz Sérgio Moro. Lula se mostra realista e assume a missão de manter o ânimo entre seus familiares, colaboradores e amigos. Sempre foi assim. Nos momentos mais difíceis de sua gestão como presidente, ele chegava ao Palácio do Planalto e quando via alguém abatido dizia: “que cara é essa? Não me diga que você está lendo os jornais”. Logo, soltava uma imensa gargalhada, contagiosa, balsâmica, reparadora. Era o Lula presidente, o que apoiava, consolava e animava todos. Continua sendo assim.

Como Lula, os que o acompanham neste 24 de janeiro no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC paulista sabem que estão assistindo a crônica de uma sentença anunciada. Se repete a farsa jurídica iniciada pelo juiz Sérgio Moro, com quem o ex-presidente teve diálogos que envergonhariam a Kafka e seriam a inveja dos Irmãos Marx. Um juízo no qual não há nada o que provar. Tudo o que tiver que ser atribuído a Lula já está dado como certo através do artifício jurídico da convicção do juiz, do chamado “domínio do fato”, do desprezo ao devido processo e da indolente pretensão de querer transformar uma vingança num ato de justiça. Se chama lawfare: o uso do Poder Judiciário para acabar com os adversários políticos.

A equipe do ex-presidente acompanha a sessão pela televisão e observa como os juízes de apelação leem suas intermináveis sentenças, que já estavam escritas antes de escutar a própria defesa de Lula – que só teve 15 minutos para expor suas razões. Um observador privilegiado do evento foi o jurista australiano Geoffrey Robertson, presente na sala de audiências de Porto Alegre, e que logo após o resultado disse que “isto não foi uma sessão justa. Os juízes falaram durante cinco horas, lendo um roteiro que haviam escrito antes de escutar qualquer argumento. Numa corte de apelação, os juízes devem primeiro escutar as partes, antes de emitir uma sentença”.

Todos observam as atualizações de notícias nas redes sociais, menos Lula. Um dos tuites que gera mais impacto é o do jornalista Rodrigo Vianna: “No processo mais importante da história deste país, uma mulher negra serve café a três homens brancos que vão condenar um retirante nordestino. Quem não entendeu isso não entendeu nada”.

Lula pensa sabe-se lá no que. Ninguém o molesta nem interrompe o que parece ser um íntimo ritual de introspecção deste imenso líder operário, nascido numa das regiões mais miseráveis do planeta. Abraça seus filhos um por um. Diz a eles algo no ouvido antes de começar a intervenção do último juiz, se retira e vai à casa.

No sindicato permanecem mais de 500 personas, entre colaboradores, dirigentes, ativistas, militantes sindicais, representantes do Movimento Sem Terra (MST) e dezenas de jornalistas, de 34 países diferentes. No sindicato, que sempre foi também a casa do ex-presidente, permanece a tristeza. Também ali, há apenas alguns meses, foi velada Marisa Leticia, a esposa de Lula, que os juízes citam agora como partícipe de um delito que ninguém cometeu. No sindicato permanece a tristeza. Há exatamente um ano, no dia 24 de janeiro de 2017, Marisa Leticia sofria um derrame cerebral que lhe custou a vida. Foi o dia que a justiça brasileira escolher para golpear novamente o Lula.

Anestesia

Em sua casa, também em São Bernardo do Campo, Lula permanece acompanhado por sua família e alguns poucos amigos. Está tranquilo e tenta descansar para a longa jornada que ainda o espera. Milhares de ativistas, centenas de movimentos sociais, trabalhadores rurais, organizações sindicais, estudantis e profissionais haviam se congregado numa multitudinária jornada de protestos, no dia anterior, em Porto Alegre. As mulheres, convocadas por diversas organizações feministas e contando com a presença da presidenta Dilma Rousseff, tiveram papel de protagonistas nos atos e mobilizações que reuniram mais de 70 mil pessoas na cidade que se tornou ícone do bem sucedido “modo petista de governar”. Uma cidade heróica na memória da esquerda mundial, agora transformada no cenário de um momento trágico para a história democrática do Brasil e da América Latina.

Muitas destas organizações e líderes políticos de todo o mundo se deslocaram depois a São Paulo. Nesse dia, ao finalizar a sessão que ratificaria a condenação a Lula, milhares de pessoas começaram a se aglomerar na Praça da República, onde aconteceria, durante a noite, um ato que desafiou a prepotência oficial, no qual o PT lançaria a candidatura de Lula à Presidência da República.

No discurso, o ex-presidente voltou a mostrar seu semblante mais enérgico. São os atos e a proximidade com o povo que mantêm Lula ativo. Os abraços, os beijos, as fotos que tanto molestam alguns dirigentes, são o combustível que alimenta sua vontade, a força que o rejuvenesce e lhe dá fortaleza para enfrentar qualquer tipo de adversidade.

Página/12: Quais desafios o PT e as forças progressistas brasileiras deverão enfrentar a partir de agora?

Lula: O desafio de evitar os retrocessos que estão ocorrendo na democracia e nos direitos dos trabalhadores. Especialmente, agora, com a proposta de reforma da Previdência impulsionada pelo governo golpista de Michel Temer. Também de garantir eleições realmente livres e democráticas em outubro deste ano. Uma ofensiva conservadora tenta anestesiar o país. Afirmavam que o problema do Brasil era o PT e o governo da Dilma. Foi assim que eles destituíram uma presidenta eleita por 54 milhões de votos, prometendo que tudo iria melhorar. Depois, disseram que o problema eram os direitos trabalhistas. E acabaram com esses direitos. Agora dizem que o problema são os aposentados e eu. Mas o povo brasileiro está despertando e descobrindo que, em vez de curar da doença como prometeram, estão roubando todos os órgãos vitais do país: nossos recursos naturais, os direitos do povo, o patrimônio público. Tudo o que temos construído com o sacrifício e o trabalho de várias gerações, eles estão vendendo a preço de banana.

A direita fez o golpe, mas passou mais de um ano e não consegue ter outro candidato além de um neofascista, defensor da ditadura militar, sexista e violento, como Jair Bolsonaro. Um deputado que na sessão de destituição de Dilma Rousseff dedicou seu voto ao general que a havia torturado quando ela tinha 19 anos. Por outro lado, a candidatura de Lula cresce visivelmente, e lidera todas as pesquisas eleitorais. Apesar de todos os ataques, o PT continua sendo o partido com o maior número de militantes e maior apoio popular na sociedade brasileira.

Página/12: Por que está ocorrendo isso?

Lula: Porque o povo está percebendo que o golpe não foi contra a Dilma, contra Lula ou contra o PT. O golpe foi contra os trabalhadores, contra a classe média, contra os que fazem um enorme esforço por sobreviver com dignidade. O golpe foi contra as conquistas democráticas que levaram o Brasil a reduzir significativamente a pobreza, a injustiça social, a fome. Inclusive, um amplo setor da classe média que apoiou o golpe está sofrendo as suas consequências. Se não reagirmos a tempo, o Brasil voltará a ser um país onde um terço da população tem direitos enquanto milhares de crianças passam fome nas ruas, como já está ocorrendo. Os índices sociais do país pioraram de forma assombrosa. O Brasil só pode ser um país grande, importante e soberano se a economia cresce de verdade.

Página/12: O que seria crescer de verdade?

Lula: Crescer incluindo os pobres. Quando os pobres podem comprar, quando podem consumir, o comércio vende mais, a indústria produz mais. Brasil crescia e incluía milhões de pessoas no orçamento público que antes não tinham direitos nem as oportunidades mais básicas. Eles estão destruindo tudo isso. O Brasil era um país com futuro. Um país de todos, não de alguns poucos. Estávamos deixando de ser o império do privilégio. Um país não pode ser um mero exportador de commodities, porque elas empregam pouco e fazem com que a economia tenha que conviver com multidões de desempregados, pobres e excluídos.

De costas

Nas primeiras horas da tarde de 24 de janeiro, a farsa jurídica deu um novo passo adiante. Lula sofreu uma nova condenação que complica seriamente suas possibilidades de ser candidato nas eleições presidenciais de outubro deste ano. Enquanto se prepara para ir à concentração, na Praça da República, no centro de São Paulo, ele recebe ligações de apoio e de solidariedade de todo o mundo. É um ícone da democracia latino-americana e mundial, venerado em todos os continentes, não só por líderes e personalidades políticas progressistas como também por liberais e conservadores com apego ao devido processo.

O manifesto “Eleição sem Lula é fraude” reuniu, em poucos dias, mais de 215 mil assinaturas. Destacados intelectuais, políticos, artistas, juristas e dirigentes sociais progressistas de todo o mundo aderiram à declaração que já circula em 10 idiomas. Cristina Kirchner, José Pepe Mujica, José Luís Rodríguez Zapatero, Rafael Correa, Massimo D’Alema e Ernesto Samper são alguns dos ex-mandatários que o apoiam.

Lula: Estou imensamente agradecido pelo respaldo e pela solidariedade internacional, especialmente de países como Argentina, México, Uruguai, Equador, Itália, Portugal, Espanha, França, Inglaterra, Estados Unidos e Venezuela.

Página/12: O que muda no processo de integração regional após o golpe no Brasil?

Lula: Infelizmente, o Brasil voltou a dar as coisas aos seus vizinhos, a disputar com eles quem atrai melhor a atenção dos Estados Unidos. Querem saber quem ganha o privilégio de jantar com o Donald Trump, como se a solução dos nossos problemas dependesse disso, e não de uma política internacional própria. Respeitando o mundo, mas sem manter essa vergonhosa submissão. O governo de Michel Temer não tem legitimidade, e tampouco uma política exterior. Está dedicado a vender os ativos e o patrimônio do nosso país. Cada nação tem a sua história, seus governos, sua cultura. Em matéria internacional, é fundamental que exista diálogo e respeito mútuo. Tenho muito orgulho do período em que fui presidente do Brasil e pude conviver com presidentes como Néstor e Cristina Kirchner, com Pepe Mujica, Chávez, Bachelet, Evo, todos eles.

Página/12: O que tinham em comum?

Lula: Entendíamos a importância de uma região sem conflitos. Entendíamos que éramos mais fortes juntos, resolvendo os problemas entre nós, sem a interferência externa, nossas diferenças. Evitávamos crises e promovíamos a cooperação comercial, educativa e social entre os nossos países. Sempre tive a convicção de que o Brasil só poderia se desenvolver de forma soberana se nossos próprios vizinhos se desenvolviam também de forma soberana. Hoje, essas ideias essa energia integradora e solidária, foi congelada ou está em retrocesso. Entretanto, a integração entre os nossos povos é uma vocação inexorável e voltará a avançar.

Página/12: Durante muito tempo, a consigna do PT foi “a esperança vence o medo”. Hoje, muitos jovens se aproximam da política porque creem na vigência daquele lema.

Lula: Sempre digo uma coisa: abandonar, nunca, perder a esperança, jamais. O neoliberalismo, muitas vezes sustentado pelos monopólios midiáticos, promete um futuro melhor para todos mas concentra a riqueza e restringe as oportunidades em alguns poucos, os de sempre. No Brasil, nós provamos que podíamos governar fazendo exatamente o contrário: que era possível incluir os pobres no orçamento público, que podíamos investir mais em educação, mais em saúde e em moradia, acabar com a fome, construir dignidade, ampliar direitos. Eles querem apagar da memória do povo esse período de conquistas democráticas. Hoje eles me condenam, mas querem condenar também esse projeto de nosso futuro como nação livre, soberana e justa. Querem fazê-lo, mas não conseguirão.

Página/12: Há uma mensagem especial para os jovens?

Lula: Milhões de jovens chegaram pela primeira vez à universidade no Brasil. Nós fomos o último país das Américas que criou uma instituição universitária. Quando a Argentina já estava fazendo a reforma universitária nós nem tínhamos uma. Fomos os últimos em abolir a escravidão. Éramos a vanguarda do atraso. Em 12 anos de governos nossos, conseguimos ter a primeira geração de brasileiros e brasileiras que não tinham crianças passando fome. Tiramos mais de 40 milhões da pobreza sem prejudicar nenhum setor social, sem perseguir ninguém. Isso nunca havia ocorrido na história do nosso país. Foi possível utilizar a política em benefício das maiorias e através do Estado, fazer políticas públicas de inclusão e promover a justiça social. Nós mostramos que o povo sabe governar melhor que as elites. Por isso eles nos odeiam. Mas te digo uma coisa: essa reação retrógrada não vai prosperar. Nós vamos vencer.

Pablo Gentili é secretário-executivo do Conselho Latino-Americano de Ciências Sociais (CLACSO) e professor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Créditos da foto: Reprodução

Notícia colhida no sítio https://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Politica/Lula-Uma-ofensiva-conservadora-tenta-anestesiar-o-pais-/4/39274

1 Comentário

Escreva um comentário

Rua XV de novembro, 270, sala 510, Centro, Curitiba-PR, CEP 80020-310, Fone (41)-33229885, Fax (41)-33245636, fetec@fetecpr.org.br