Rua XV de novembro, 270, sala 510, Centro, Curitiba-PR, CEP 80020-310, Fone (41)-33229885, Fax (41)-33245636, fetec@fetecpr.org.br
 
 
publicado em 20 de Fevereiro de 2018 às 12:13:
Trabalhadores comemoram suspensão do fim da aposentadoria

Contra a reforma da Previdência, centrais sindicais e movimentos sociais reuniram, somente em São Paulo,  20 mil pessoas na Avenida Paulista.

Finalizando o dia nacional de mobilização contra a “reforma” da Previdência, cerca de 20 mil pessoas protestaram na Avenida Paulista, em São Paulo, no fim da tarde desta segunda-feira (19). Se por um lado os trabalhadores comemoraram a retirada de pauta da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 287, por outro garantiram que não vão vacilar e seguirão mobilizados.
“Continuaremos em estado de greve, alertas e pressionando os deputados. Derrotamos a Globo, o presidente (Michel) Temer, o Moro e os bancos e isso é graças aos trabalhadores”, afirmou o presidente da CUT, Vagner Freitas.
ROBERTO PARIZOTTI/CUT
ato contra a reforma da prev19fev18-3.jpg

Trabalhadores reunidos na Av. Paulista na tarde desta segunda-feira: mobilização contra manobras de Temer

Para o sindicalista, Temer tentou uma cortina de fumaça ao decretar intervenção federal no Rio de Janeiro. “Foi mais uma manobra do golpista. Nós somos contra a intervenção, até porque não é função do Exército cuidar da segurança pública. Tem de ficar atento, porque pode estender isso para outros estados com o objetivo de fortalecer o golpe”, afirmou.

ROBERTO PARIZOTTI/CUTato contra a reforma da prev19fev18-1.jpg
Vagner Freitas: ‘Nós somos contra a intervenção, até porque não é função do Exército cuidar da segurança pública’

Hoje, o presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), declarou que não vai haver votação de qualquer PEC durante a vigência do decreto de intervenção federal. E garantiu que não vai haver suspensão temporária. Com a decisão de Oliveira, 190 PECs deixam de tramitar, entre as quais a do fim do foro privilegiado. A decisão vale até 31 de dezembro, mesma data do decreto de intervenção. Se o decreto for revogado, as PECs podem voltar a tramitar.

Para a presidenta da União Nacional dos Estudantes (UNE), Marianna Dias, a intervenção é uma chantagem do governo Temer para usar como moeda de troca pela aprovação da reforma da Previdência. “Uma chantagem feita com a vida é o sangue do povo pobre das favelas cariocas”, afirmou.

Ela ressaltou que, com a efetivação da retirada de pauta da reforma, a pauta principal dos estudantes seria a garantia de eleições democráticas.”Não está dado que vão ocorrer eleições livres para o povo escolher o próximo presidente. É preciso lutar para garantir isso. O povo sabe o que está acontecendo, usou do carnaval para se manifestar e isso preocupou os golpistas”, completou.

O coordenador nacional da Frente Brasil Popular Raimundo Bonfim foi a liderança que demonstrou maior desconfiança da decisão de Temer. “Isso pode ser mais uma jogada do governo golpista. Precisamos manter a mobilização e ficar muito atentos. Os maiores interessados na reforma são os grupos de previdência privada e os bancos”, afirmou.

Para a coordenadora estadual do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) Natália Szermeta, o governo Temer está de costas para a população. “Tudo que este governo faz é contra o povo pobre e trabalhador. O que o Rio de Janeiro precisa é de pagamento do salário dos servidores em dia, intervenção social. Não vamos aceitar que a juventude do Rio pague com a vida”, afirmou.

deixe seu comentário

 
últimas notícias
5 de dezembro de 2018
  Laço Branco: Dia de Mobilização do Homem pelo Fim da Violência Contra a Mulher
5 de dezembro de 2018
  FETEC/PR promove seminário sobre igualdade de oportunidades em Londrina
30 de novembro de 2018
  Coletivo de Saúde inicia planejamento nacional para 2019
30 de novembro de 2018
  Ratinho quer privatizar uma das melhores empresas de banda larga do Brasil
30 de novembro de 2018
  Seminário analisou impactos da Reforma Trabalhista
  © Copyright 2011. Todos os direitos reservados.
WebmaniaBR® - Ideias em códigos