[email protected] | (41) 3322-9885 | (41) 3324-5636

Por 10:19 Notícias

VINTE MILHÕES DE BRASILEIROS ESTÃO INADIMPLENTES

Agência Brasil
BRASÍLIA – Você calcula, refaz as contas e descobre que o dinheiro não vai dar para pagar todas as dívidas no final do mês. Aquele cheque ou cartão de crédito vai ficar para depois. Com isso, o seu nome vai direto para o Serasa, que possui um banco de dados dos brasileiros inadimplentes no país. São aproximadamente 20 milhões de pessoas que estão com alguma dívida cadastrada. Apesar disso, o Assessor Econômico do Serasa, Carlos Henrique de Almeida, considera o brasileiro um bom pagador. Ele informa que a maioria dos que estão no banco de dados possui apenas uma única anotação, ou seja, foi vítima de algum imprevisto.
– Se analisarmos, aqueles que maliciosamente entram no banco de dados representam menos de 5%. A conjuntura econômica não tem sido favorável ao cidadão. Então o que a gente nota é uma dívida involuntária. O brasileiro é bom pagador, mas é lógico que acaba sendo vítima da conjuntura – diz.
Segundo ele, perto da movimentação de cheques e cartões de crédito no país o volume de dívidas é pequeno. Carlos Henrique informa que, só em cheques, são 200 milhões por mês e 150 milhões de transações em cartões de crédito.
O assessor do Serasa recomenda ao devedor que busque renegociar a dívida.
– Vá, procure o credor e faça uma contraproposta, porque a inadimplência não interessa para quem deu o crédito ou para o consumidor. Busque um meio termo para os dois – afirma.
Carlos Henrique lembra que, ao pagar a dívida, o cidadão deve pedir para o credor tirá-la do banco de dados.
– Não criamos informação, não tiramos informação, a não ser por ordem do credor, que é quem alimenta o bando de dados. Então fica a recomendação ao devedor que pagar a dívida: peça ao credor que agilize o processo – ressalta. Ele informa que, no máximo em 72 horas, a anotação sai do banco de dados.
O Serasa tem um telefone aberto para tirar as dúvidas da população. O número é (11) 5591 0137. Tem ainda o site: www.serasa.com.br.

Por 10:19 Sem categoria

VINTE MILHÕES DE BRASILEIROS ESTÃO INADIMPLENTES

Agência Brasil

BRASÍLIA – Você calcula, refaz as contas e descobre que o dinheiro não vai dar para pagar todas as dívidas no final do mês. Aquele cheque ou cartão de crédito vai ficar para depois. Com isso, o seu nome vai direto para o Serasa, que possui um banco de dados dos brasileiros inadimplentes no país. São aproximadamente 20 milhões de pessoas que estão com alguma dívida cadastrada. Apesar disso, o Assessor Econômico do Serasa, Carlos Henrique de Almeida, considera o brasileiro um bom pagador. Ele informa que a maioria dos que estão no banco de dados possui apenas uma única anotação, ou seja, foi vítima de algum imprevisto.

– Se analisarmos, aqueles que maliciosamente entram no banco de dados representam menos de 5%. A conjuntura econômica não tem sido favorável ao cidadão. Então o que a gente nota é uma dívida involuntária. O brasileiro é bom pagador, mas é lógico que acaba sendo vítima da conjuntura – diz.

Segundo ele, perto da movimentação de cheques e cartões de crédito no país o volume de dívidas é pequeno. Carlos Henrique informa que, só em cheques, são 200 milhões por mês e 150 milhões de transações em cartões de crédito.

O assessor do Serasa recomenda ao devedor que busque renegociar a dívida.

– Vá, procure o credor e faça uma contraproposta, porque a inadimplência não interessa para quem deu o crédito ou para o consumidor. Busque um meio termo para os dois – afirma.

Carlos Henrique lembra que, ao pagar a dívida, o cidadão deve pedir para o credor tirá-la do banco de dados.

– Não criamos informação, não tiramos informação, a não ser por ordem do credor, que é quem alimenta o bando de dados. Então fica a recomendação ao devedor que pagar a dívida: peça ao credor que agilize o processo – ressalta. Ele informa que, no máximo em 72 horas, a anotação sai do banco de dados.

O Serasa tem um telefone aberto para tirar as dúvidas da população. O número é (11) 5591 0137. Tem ainda o site: www.serasa.com.br.

Close