[email protected] | (41) 3322-9885 | (41) 3324-5636

Por 09:58 Sem categoria

Caixa: empregados cobram plano de cargos e salários decente

Dentre todas as pendências a serem solucionadas com a direção do banco, a Comissão Executiva dos Empregados (CEE-Caixa) definiu três itens como prioritários: a reintegração imediata de todos os demitidos pela RH 008, a implantação do novo plano de benefícios da Funcef e a reformulação do Plano de Cargos e Salários (PCS) e Plano de Cargos Comissionados (PCC).

O jornal APCEF em Movimento publicou matéria sobre os dois primeiros itens nas edições 663, de 24 de janeiro, e 662, do dia 17, respectivamente. Leia, nesta edição, um pouco sobre o andamento das reformulações do Plano de Cargos e Salários e Plano de Cargos Comissionados.

• Mudanças no PCS/PCC

Durante as negociações da Campanha Salarial 2003 foi acertada – entre representantes da Caixa e dos empregados – a criação de grupos de trabalho (GTs) para discutir os principais problemas do banco.
Dentre esses grupos foi criado um – o GT PCS/PCC – com o objetivo de debater mudanças no Plano de Cargos e Salários e Plano de Cargos Comissionados da empresa.

Durante o Congresso Nacional dos Empregados da Caixa (Conecef), representantes dos trabalhadores debateram a necessidade da elaboração de um novo Plano de Cargos e Salários que garantisse uma adequada política de remuneração, promoção e ascensão profissional, além de eliminar as distorções.
O novo PCS deveria atender à necessidade de redução da diferença entre cargos e funções, com remuneração adequada. Deveria, ainda, unificar as carreiras, além de discutir mecanismos de recomposição salarial, inclusive em relação aos aposentados.

Quanto ao Plano de Cargos Comissionados, precisam ser corrigidas distorções, garantindo a eqüidade salarial para funções de mesmo nível de complexidade e responsabilidade, independente da região. Os representantes dos empregados também reivindicam a jornada de seis horas para todas as carreiras, inclusive cargos comissionados.

Ainda há outras pendências a serem debatidas, tais como caixas executivos, estrutura salarial, fórmula de enquadramento, avaliadores de penhor, tesoureiros, supervisores de retaguarda…

No fim de março de 2004 foi apresentado aos representantes dos trabalhadores um pré-projeto do Plano de Cargos, Carreira e Remuneração (PCR). O modelo foi debatido pelo grupo interno da Caixa e resultou de sugestões dos empregados, além de uma pesquisa em postos de trabalho de sete capitais. Também foram acatadas sugestões da CEE-Caixa.

“Depois da apresentação, não tivemos mais novidade alguma. É preciso reformular o plano de cargos e salários dos empregados com urgência!” – completou a diretora-presidente da APCEF/SP, Fabiana Matheus.

• Campanha Nosso Trabalho Vale Muito

A fim de exigir da Caixa a solução para diversas pendências, a diretoria da APCEF/SP lançou a campanha Nosso Trabalho Vale Muito. O objetivo é mostrar à direção do banco o quanto é valioso o trabalho dos empregados e o quanto eles estão dispostos a lutar na busca de soluções para os itens citados.
A Associação está organizando um abaixo-assinado na busca de soluções para as pendências. O documento foi enviado para as unidades junto com o jornal APCEF em Movimento n. 663, de 24 de janeiro. Se necessário, cópias do documento podem ser obtidas na página da Associação na internet.

O abaixo-assinado deve ser subscrito pelos empregados e enviado, por malote, para a diretoria da APCEF/SP até 21 de fevereiro, segunda-feira.

• Sugestões

A APCEF/SP pede aos empregados que discutam os tipos de manifestações que causariam impacto e enviem sugestões pelo e-mail: [email protected]
Acompanhe as atividades da campanha na página da Associação na internet ou nas publicações da APCEF/SP.
Participe! Mostre à administração da Caixa que seu trabalho vale muito!

Fonte: Apcef SP

Por 09:58 Notícias

Caixa: empregados cobram plano de cargos e salários decente

Dentre todas as pendências a serem solucionadas com a direção do banco, a Comissão Executiva dos Empregados (CEE-Caixa) definiu três itens como prioritários: a reintegração imediata de todos os demitidos pela RH 008, a implantação do novo plano de benefícios da Funcef e a reformulação do Plano de Cargos e Salários (PCS) e Plano de Cargos Comissionados (PCC).
O jornal APCEF em Movimento publicou matéria sobre os dois primeiros itens nas edições 663, de 24 de janeiro, e 662, do dia 17, respectivamente. Leia, nesta edição, um pouco sobre o andamento das reformulações do Plano de Cargos e Salários e Plano de Cargos Comissionados.
• Mudanças no PCS/PCC
Durante as negociações da Campanha Salarial 2003 foi acertada – entre representantes da Caixa e dos empregados – a criação de grupos de trabalho (GTs) para discutir os principais problemas do banco.
Dentre esses grupos foi criado um – o GT PCS/PCC – com o objetivo de debater mudanças no Plano de Cargos e Salários e Plano de Cargos Comissionados da empresa.
Durante o Congresso Nacional dos Empregados da Caixa (Conecef), representantes dos trabalhadores debateram a necessidade da elaboração de um novo Plano de Cargos e Salários que garantisse uma adequada política de remuneração, promoção e ascensão profissional, além de eliminar as distorções.
O novo PCS deveria atender à necessidade de redução da diferença entre cargos e funções, com remuneração adequada. Deveria, ainda, unificar as carreiras, além de discutir mecanismos de recomposição salarial, inclusive em relação aos aposentados.
Quanto ao Plano de Cargos Comissionados, precisam ser corrigidas distorções, garantindo a eqüidade salarial para funções de mesmo nível de complexidade e responsabilidade, independente da região. Os representantes dos empregados também reivindicam a jornada de seis horas para todas as carreiras, inclusive cargos comissionados.
Ainda há outras pendências a serem debatidas, tais como caixas executivos, estrutura salarial, fórmula de enquadramento, avaliadores de penhor, tesoureiros, supervisores de retaguarda…
No fim de março de 2004 foi apresentado aos representantes dos trabalhadores um pré-projeto do Plano de Cargos, Carreira e Remuneração (PCR). O modelo foi debatido pelo grupo interno da Caixa e resultou de sugestões dos empregados, além de uma pesquisa em postos de trabalho de sete capitais. Também foram acatadas sugestões da CEE-Caixa.
“Depois da apresentação, não tivemos mais novidade alguma. É preciso reformular o plano de cargos e salários dos empregados com urgência!” – completou a diretora-presidente da APCEF/SP, Fabiana Matheus.
• Campanha Nosso Trabalho Vale Muito
A fim de exigir da Caixa a solução para diversas pendências, a diretoria da APCEF/SP lançou a campanha Nosso Trabalho Vale Muito. O objetivo é mostrar à direção do banco o quanto é valioso o trabalho dos empregados e o quanto eles estão dispostos a lutar na busca de soluções para os itens citados.
A Associação está organizando um abaixo-assinado na busca de soluções para as pendências. O documento foi enviado para as unidades junto com o jornal APCEF em Movimento n. 663, de 24 de janeiro. Se necessário, cópias do documento podem ser obtidas na página da Associação na internet.
O abaixo-assinado deve ser subscrito pelos empregados e enviado, por malote, para a diretoria da APCEF/SP até 21 de fevereiro, segunda-feira.
• Sugestões
A APCEF/SP pede aos empregados que discutam os tipos de manifestações que causariam impacto e enviem sugestões pelo e-mail: [email protected]
Acompanhe as atividades da campanha na página da Associação na internet ou nas publicações da APCEF/SP.
Participe! Mostre à administração da Caixa que seu trabalho vale muito!
Fonte: Apcef SP

Close