[email protected] | (41) 3322-9885 | (41) 3324-5636

Por 23:16 Sem categoria

Confira o andamento da Conferência Estadual dos Bancários Paranaenses

13ª Conferência Estadual dos Bancários. Acompanhe aqui

NESTE FIM DE SEMANA, BANCÁRIOS DE TODO O PARANÁ ESTÃO REUNIDOS EM LONDRINA PARA A 13ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS BANCÁRIOS

Começou, na manhã deste sábado, 02 de julho, a 13ª Conferência Estadual dos Bancários do Paraná. Neste ano, o evento está sendo sediado em Londrina e conta com grade participação dos trabalhadores do interior do estado. Após a aprovação do regimento interno da Conferência, representantes dos dez Sindicatos filiados à FETEC-CUT-PR e também das entidades que compõem a FEEB-PR estão saudando os participantes do encontro. Participam da mesa de abertura também a bancária Marisa Stedile, secretária-geral da CUT-PR, o bancário Vagner Freitas de Moraes, secretário de finanças na CUT Nacional, o presidente da Contraf-CUT, Carlos Cordeiro, e o deputado federal do PT-PR André Vargas.

Entre as principais reflexões levantadas pelos dirigentes, e que nortearão as discussões da Conferência Estadual, estão: a importância da isonomia nos bancos públicos federais; a luta contra as terceirizações no setor financeiro, recentemente regulamentada pelo BC; a igualdade de oportunidades; a segurança bancária; além da dura luta que a categoria enfrentará para reverter o discurso de que o aumento salarial contribui com a inflação no país.

Representante da CUT faz análise de conjuntura: Governo Dilma precisa de mobilização dos movimentos sociais e sindicais

O secretário de Administração e Finanças da CUT Nacional, Vagner Freitas de Moraes, marcou sua presença na 13ª Conferência Estadual dos Bancários do Paraná com uma análise da conjuntura política, econômica e social do país. Ele iniciou sua exposição afirmando ser um bom momento, tanto nacional quanto internacional, já que nunca o conflito social brasileiro foi tão exuberante. E por isso mesmo, os movimentos sociais e sindicais têm um papel fundamental no processo de desenvolvimento.

“Temos que perceber que o Governo Dilma é absolutamente diferente do Governo Lula. Primeiro por não termos mais a figura pessoal de Lula, uma das mais importantes e carismáticas do país. Neste sentido, Dilma precisa muito mais da colaboração dos movimentos sociais, pois ela conta com uma composição muito mais conservadora, com uma base de apoio que vai barganhar cada voto com um olhar conservador”, destacou o representante da CUT.

“Trata-se de um governo de coalisão ao centro, não de um governo, de fato, de esquerda, pois não existe apoio da sociedade para isso. O que observamos é que os movimentos sociais e sindicais não estão cumprindo totalmente seu papel de pautar os assuntos de interesse social, contribuindo, assim, para que Dilma assuma uma postura de esquerda”, completou. “Apesar disso, essa era a nossa única possibilidade de dar continuidade ao processo de transformação iniciado pelo Governo Lula. Mas ,não se equivoquem, o Brasil precisa de mais 30 ou 40 anos seguindo esta trilha para que o país comece de fato a se transformar”, alertou.

Vagner Freitas de Moraes finalizou seu discurso ressaltando a importância de toda a sociedade se mobilizar, impondo suas demandas e colaborando com o Governo Dilma.

Presidente da Contraf-CUT analisa demandas do setor financeiro: Bancários querem emprego decente e distribuição justa de renda

Após saudar os participantes da 13ª Conferência Estadual dos Bancários na mesa de abertura, Carlos Cordeiro, presidente da Contraf-CUT, fez uma análise do cenário do setor financeiro, apontando as principais questões que acometem os bancários diariamente. Ele chamou a atenção dos trabalhadores, mais uma vez, para o fato do crescimento do PIB brasileiro não estar sendo acompanhado pela distribuição igualitária de renda. “Por um lado, caminhamos para chegar a quinta maior economia do mundo, por outro, na contra-mão desse crescimento, o Brasil é o décimo pior país na distribuição de renda”, lembrou.

Cordeiro também pontuou o crescimento do setor financeiro, em que o lucro exorbitante dos bancos aumenta cerca de 30% a cada ano: “o que significa dizer que a cada três anos o patrimônio dos bancos dobra”, destacou.

O presidente da Contraf-CUT também apontou questões pertinentes, que têm afetado diretamente os bancários, como: a necessidade de combater as metas abusivas, que têm impactado diretamente na saúde e na qualidade de vida da categoria (causando adoecimentos e afastamentos); a importância de exigir melhorias na segurança bancária, uma vez que os trabalhadores expõem suas vidas para colaborar com a lucratividade dos bancos; e a luta por remuneração justa, PLR condizente com o lucro real das instituições financeiras e garantia de aposentadoria digna para todos. “São por esses motivos que, mais do que discutir campanha salarial, nós devemos debater desenvolvimento econômico, com emprego decente para todos e compromisso com o país”, finalizou.

Por: Renata Ortega.

NOTÍCIA COLHIDA NO SÍTIO www.bancariosdecuritiba.org.br

================================

Aberta em Londrina a 13ª Conferência Estadual dos Bancários

Cerca de 300 delegados, representando 10 bases sindicais da Fetec-CUT/PR estão participando hoje (2/07), em Londrina, da abertura da 13ª Conferência Estadual dos Bancários. Na cerimônia de abertura fizeram parte da mesa do evento presidentes de 10 Sindicatos de Bancários (Apucarana, Arapoti, Campo Mourão, Curitiba, Guarapuava, Londrina, Paranavaí, Toledo e Umuarama), além do presidente da Fetec-CUT/PR, Elias Hennemann Jordão, do presidente da Contraf-CUT, Carlos Cordeiro, do secretário de Administração e Finanças da CUT Nacional, Vagner Freitas, da representante da CUT Paraná, Marisa Stédile, e do deputado André Vargas (PT-PR).

Elias Jordão abriu o evento destacando a importância da participação de todos os bancários do Estado na construção das propostas da categoria e saudou a presença do presidente do Sindicato de Ponta Grossa, Gilberto Lopes, manifestando a importância das demais bases sindicais de bancários se somarem à Campanha Nacional da categoria deste ano. Elias afirmou que a 13ª Conferência significa o retorno da Fetec-CUT à sua cidade natal, lembrando da fundação da entidade há 19 anos e do papel do Sindicato de Londrina na organização da categoria bancária, destacando a atuação do saudoso Joaquim Borges Pinto, ex-presidente da entidade.

De acordo com o presidente da Fetec-CUT/PR, apesar das dificuldades apresentadas com a interferência do Banco Central, que orientou os bancos a serem comedidos nas negociações com os bancários, “a categoria vai mostrar sua força e lutar ruma a mais uma Campanha Salarial vitoriosa”.

O secretário de Finanças da CUT, Vagner Freitas, também criticou a postura do presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, avaliando que o mesmo deve se cuidar, pois “vai levar uma surra”. Para ele, a Campanha Nacional Unificada deste ano vai ser melhor ainda do que a de 2010.
Vagner também d
estacou a participação do Sindicato de Londrina na organização dos bancários, em especial do setor privado, com o trabalho desenvolvido nos anos 80 e 90, quando começaram a ser formadas as primeiras comissões de empresas nos bancos.

“Bancários querem trabalho decente”

O presidente da Contraf-CUT, Carlos Cordeiro, adiantou na abertura da 13ª Conferência Estadual dos Bancários o mote da Campanha Nacional Unificada 2011: “Bancários querem trabalho decente”. Esta luta, segundo ele, é necessária para garantir condições de trabalho, remuneração adequada e o fim da terceirização no sistema financeiro. Esta demanda, afirma Carlos, é o objetivo da entidade, que visa representar e buscar melhorias para todos os trabalhadores do sistema financeiro, ao contrário do que pretende o presidente do Banco Central, que pretende terceirizar todos os bancários.

“Precisamos que todos os Sindicatos aqui presentes atuem conosco nesta Campanha, por menor que sejam, pois é essa pressão feita nas diversas regiões do País que fazem as negociações com os bancos avançarem”, declarou o presidente da Contraf-CUT.

Wanderley Crivellari, presidente do Sindicato de Londrina, exaltou a história de luta da entidade, lembrando da atuação de Joaquim Borges Pinto, dos diretores Geraldo Fausto dos Santos (Ceará), Odete Tomaz de Aquino e João Antonio da Silva Neto, bem como do ex-diretor Antonio Paula dos Santos, que fizeram parte da diretoria que levou o Sindicato para o campo cutista.

Em seu discurso, Wanderley, destacou a parceria dos demais Sindicatos do VIDA BANCÁRIA na organização da 13ª Conferência e o papel dos representantes do Paraná no Comando Nacional dos Bancários, Elias Jordão e Roberto Von der Osten. Para ele, a Campanha deste ano tem que priorizar as condições de trabalho dos bancários, além das lutas por melhores salários, aumento real e PLR maior. “Os bancários estão acidentados, físicamente e mentalmente por conta de um sistema que só visa lucro, sem se preocupar com a saúde dos trabalhadores. Temos que somar nossas forças para vencer este desafio e conquistar trabalho decente para os bancários”, ressaltou o presidente do Sindicato de Londrina.

A Conferência Estadual dos Bancários prossegue agora com análises de conjuntura e política, que embasarão os debates para definir a proposta da categoria para Campanha Nacional dos Bancários, a ser realizada nos dias 30 e 31 de julho, em São Paulo. No período da tarde serão formados grupos temáticos para discutir as prioridades apontadas pela categoria na Consulta que definirá as reivindicações do Estado nesta data-base.

NOTÍCIA COLHIDA NO SÍTIO www.vidabancaria.com.br

Close