[email protected] | (41) 3322-9885 | (41) 3324-5636

Por 09:46 Sem categoria

Banco do Brasil tem de responder às reivindicações; CAIXA continua sem apresentar propostas

Banco do Brasil tem de responder às reivindicações

Negociação específica com direção não anda e funcionários exigem que banco valorize trabalhadores

São Paulo – As negociações específicas da Campanha Nacional 2012 entre funcionários do Banco do Brasil e a direção da empresa continuam sem avanços. Até agora a direção do banco não apresentou propostas às reivindicações da pauta dos trabalhadores, entregue em 1º de agosto.

> Confira como foram as negociações com a direção do BB
> Bancos mantém proposta e levam bancários à greve

Os bancários do BB exigem respeito à jornada de seis horas, sem redução dos salários; melhorias no plano de carreira e remuneração; aumento do piso; fim do PSO e retorno dos caixas e gerentes de serviços para as agências; Cassi e Previ para todos; fim do voto de Minerva na Previ; assinatura do protocolo de prevenção de conflitos e revisão dos comitês de ética, e fim do descomissionamento e seleção interna para promoção em todos os cargos, entre outras reivindicações (veja tabela abaixo).

O diretor do Sindicato e integrante da Comissão de Empresa dos Funcionários do BB Cláudio Luis de Souza critica a postura da diretoria, que não se preocupa com a valorização de funcionários nem de clientes. “A atual gestão do Banco do Brasil tem se pautado pela lógica de bancos privados e só pensa em reduzir custos e aumentar seus lucros. Isso resulta em sobrecarga e péssimas condições de trabalho para os bancários e em má qualidade de atendimento aos clientes”, diz.

> Boca no Trombone: mande sua opinião sobre a postura dos banqueiros

O dirigente ressalta que este não é o papel de um banco público. “O BB concentra esforços em competir pelo maior lucro com instituições privadas como Bradesco e Itaú. E quem sofre com essa disputa são os trabalhadores e os correntistas do banco.”

Ele acrescenta que o papel de uma instituição financeira pública é facilitar o acesso ao crédito, principalmente com empréstimos a longo prazo, e assim contribuir com a economia brasileira.

Cláudio Luis diz que, diante do impasse nas mesas específicas, os funcionários do banco têm de ampliar a mobilização da Campanha Nacional. “Os bancários do BB tem de participar dessa luta porque é só com pressão que faremos o banco ceder por nossos direitos e melhorias no emprego”, conclama.


Redação – 4/9/2012

NOTÍCIA COLHIDA NO SÍTIO http://www.spbancarios.com.br/Noticias.aspx?id=2552

=======================================

Caixa continua sem apresentar propostas

Empregados reivindicam contratação de 100 mil bancários, regras justas para descomissionamento entre outros pontos

São Paulo – A Caixa Federal continua intransigente nas negociações específicas com os empregados, que discutem as reivindicações para a renovação do acordo aditivo à Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) da categoria.

> Confira como foram as negociações com a direção da Caixa
> Bancos mantém proposta e levam bancários à greve

Os empregados apresentaram a pauta aprovada durante o 28º Conecef, à direção do banco no dia 1º de agosto, mas até agora as negociações não avançaram.
Os bancários exigem a ampliação do quadro de funcionários, com a contratação de 100 mil já; respeito à jornada de seis horas sem redução de salários; melhores condições de trabalho; isonomia; solução dos problemas do Saúde Caixa; fim à discriminação dos participantes do REG/Replan não saldado da Funcef; fim do voto de Minerva na Funcef; e o pagamento integral de toda hora extra realizada, entre outras reivindicações (veja quadro abaixo).

> Boca no Trombone: mande sua opinião sobre a postura dos banqueiros

“O banco precisa urgentemente contratar mais trabalhadores porque os bancários estão sobrecarregados e adoecendo em função disso. A pressão por metas abusivas também resulta em problemas de saúde físicos e mentais e leva ao assédio moral que exigimos que seja combatido. Queremos ainda que a Caixa respeite a jornada de seis horas, um direito do bancário”, destaca o diretor executivo do Sindicato Kardec de Jesus.

O dirigente ressalta ainda que a postura de intransigência da Caixa já motivou protestos dos empregados em São Paulo e que os trabalhadores estão atentos aos resultados das negociações. “Os empregados estão mobilizados e exigem valorização. O banco tem de apresentar propostas dignas”, afirma.


Redação – 4/9/2012

NOTÍCIA COLHIDA NO SÍTIO http://www.spbancarios.com.br/Noticias.aspx?id=2553

Close