[email protected] | (41) 3322-9885 | (41) 3324-5636

Por 15:02 Notícias

Lucro dos bancos cresceu em 2021, aponta Dieese

O economista do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos Sandro Dias ministrou, na noite de ontem (23), uma palestra para dirigentes sindicais da base da Federação dos Trabalhadores em Empresas de Crédito do Paraná (Fetec-CUT-PR). Por conta da pandemia de Covid-19, o encontro foi realizado de forma totalmente online.

Dias falou aos presentes que o ano de 2021 foi muito bom para os banqueiros e enumera alguns motivos. Segundo o economista, o lucro somado de quatro dos cinco maiores bancos do País (BB, Bradesco, Itaú e Santander) foi de mais de R$ 90 bilhões. “Foram vários os fatores que contribuíram para que estes quatro bancos tivessem um lucro exorbitante. Tivemos elevação das taxas de juros bancários e na taxa da Selic, redução de despesas administrativas com o fechamento de agências, concentração do crédito em linhas mais caras, como o cartão de crédito, entre outros” revela. Sandro diz também que foi verificado um aumento significativo nas carteiras de crédito dos bancos. “As carteiras de crédito dos bancos tiveram um aumento de 17% em doze meses. Juntos, somaram a incrível quantia de R$ 3,3 trilhões. Associado a isso, tivemos também um grande aumento da carteira de cartão de crédito. Crise, aqui, passou longe”, garante.

Endividamento da população

Se os bancos tiveram lucros, o mesmo não pode se afirmar da população. Foi verificado uma alta no endividamento dos brasileiros, principalmente com uma alta demanda pelo cartão de crédito rotativo. Dias, citando o diretor-executivo da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac) disse que “o endividamento elevado, associado com os mais de 13 milhões de brasileiros desempregados, contribuíram para se endividassem e usassem cada vez mais o rotativo do cartão de crédito para poder comprar alimentos”, explica.

Além disso, o economista revelou que em janeiro deste ano a principal causa do endividamento das famílias era por conta do cartão de crédito. “O cartão de crédito foi a causa do endividamento de 87,1% das famílias. Muito mais do que o segundo colocado, que foram os carnês, responsável pelas dívidas de20,7% das famílias brasileiras. Isso também ajuda a explicar como os bancos estão lucrando tanto”.

Inflação

Dias explicou também aos presentes que, por conta da inércia do governo federal, estamos passando por uma inflação estrutural. “Diferente da inflação por demanda, que acontece quando há excesso de consumo, causando a falta de um determinado produto, na estrutural, que é a que estamos vivendo, acontece quando há falta de eficiência da infraestrutura produtiva do país, gerando rigidez da oferta de produtos e serviços.

Arte: Marcio Baraldi/Contraf-CUT

Texto: Flávio Augusto Laginski

Fonte: Fetec

Close