[email protected] | (41) 3322-9885 | (41) 3324-5636

Por 09:56 Recentes, Regional PACTU

Sindicato de Umuarama participou da Conferência Regional de Saúde Mental

Nesta terça, 22/02, foi realizada a 5ª Conferência Regional de Saúde Mental de Umuarama. O evento foi realizada em um dos auditórios do campus III da Unipar, em Umuarama e foi coordenado pela 12ª Regional de Saúde de Umuarama.

O evento teve como objetivo formular propostas para as políticas públicas de saúde mental do Sistema Único de Saúde, o SUS. As propostas aprovadas serão debatidas na 5ª Conferência Estadual de Saúde Mental, que será realizada em Curitiba, em 25 e 26/04/2022. A Conferência Regional também elegeu 16 delegados e delegadas, que representarão a 12ª Regional na Conferência Estadual, em abril. Todo o processo será concluído com a 5ª Conferência Nacional de Saúde Mental, que acontecerá em Brasília, de 08 a 11/11/2022. A Conferência Regional contou com palestras da enfermeira Maria Harue Takaki e do médico psiquiatra Guilherme Derenusson.

O Sindicato dos Bancários de Umuarama, Assis Chateaubriand e Região participou da Conferência Regional, representado pelos dirigentes Nelson Ortiz e Edilson José Gabriel. Edilson foi convidado para coordenar a mesa dos trabalhos e, inclusive, foi eleito suplente da delegação da Regional para a Conferência Estadual.

Edilson explica que “as conferência de políticas públicas são uma das marcas da Constituição de 1988, a Constituição Cidadã, e são oportunidade para que todos os segmentos da sociedade, de maneira democrática, apresentem as suas visões e propostas para melhorar a qualidade de vida da população”. Ainda segundo Edilson, “lamentavelmente, os governos Jair Bolsonaro e Ratinho Junior têm boicotado e dificultado a realização de conferências, exigindo um grande esforço da sociedade civil para conseguir que as mesmas continuem a acontecer”.

Em relação especificamente às políticas públicas de saúde mental, o dirigente afirmou que “a conferência denunciou os retrocessos impostos ao longo dos últimos seis anos, com tomada de decisões sem diálogo com o Conselho Nacional de Saúde e o descumprimento da Lei Federal 10.216/2001. Essa Lei consagrou a Reforma Psiquiátrica e teve como principal marca a luta antimanicomial e a humanização do tratamento de acometidos por transtornos mentais e dependência química”, concluiu Edilson.

Fonte: Pactu

Close