[email protected] | (41) 3322-9885 | (41) 3324-5636

Por 13:41 Bancos, Recentes

Greve dos servidores do BC pode afetar transações via PIX e SVR

A greve por tempo indeterminado dos trabalhadores e trabalhadoras do Banco Central (BC) por reajuste salarial e reestruturação de carreira, que teve início no dia 1º, continua nesta segunda-feira (4), e a expectativa dos sindicalistas que organizam o movimento é de adesão em torno de 60% dos servidores. A paralisação pode afetar as transações via PIX, o site do Sistema de Valores a Receber (SVR) e outros serviços do BC, de acordo com o Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central (Sinal).

Os funcionários do Banco Central estão há três anos com os salários congelados e as perdas acumuladas nesse período chegam a 55%, segundo cálculos feito com base no Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M), da Fundação Getulio Vargas (FGV), dia a direção do Sinal. Já as reivindicações por reestruturação na carreira ocorrem há quase duas décadas, complementam os dirigentes.

O movimento trouxe o primeiro resultado que é o início das negociações da pauta do governo com a categoria, diz nota do Sinal. Foi marcada para esta terça-feira (5), a primeira reunião oficial entre dirigente do Sinal e um representante do governo federal, Leonardo Sultani, titular da Secretaria de Gestão de Pessoas do Ministério da Economia.

“Queremos a apresentação de uma proposta oficial por parte do Governo. Se não houver proposta oficial, a nossa resposta deve ser a manutenção e a intensificação da greve!”, diz o sindicato.

Ainda segundo o Sinal, cerca de 725 servidores já entregaram suas comissões até esta segunda (4), e  a direção do sindicato espera avançar ainda mais durante a greve.

PIX pode ser afetado

De acordo com os dirigentes, com a tendência de aumento ainda maior de adesão à greve, as transações via PIX e outros serviços do órgão, como a divulgação do boletim Focus, estimativas do mercado sobre índices da economia brasileira, como inflação e variação do Produto Interno Bruto (PIB).

O presidente do Sinal, Fábio Faiad, observou que a greve dos servidores do BC será feita de forma responsável, respeitando a lei dos serviços essenciais. Contudo, o PIX e outras atividades do BC não se encontram dentro do escopo da lei dos serviços essenciais.

Isso significa que a greve poderá interromper parcialmente o PIX e a distribuição de moedas e cédulas; poderá interromper, parcial ou totalmente, a divulgação do boletim Focus e de diversas Taxas, o monitoramento e a manutenção do Sistema de Pagamentos Brasileiro (SPB) e da mesa de operações do Demab, o atendimento ao público e outras atividades.

Pauta de reivindicações

Os servidores do BC reivindicam reajuste salarial de 26,3% e a reestruturação das carreiras.

A decisão de paralisar as atividades para pressionar o governo de Jair Bolsonaro (PL) a negociar foi tomada em conjunto pelos três organizações que representam a categoria: o Sinal, o Sindicato Nacional dos Técnicos do Banco Central (SinTBacen) e a a Associação Nacional dos Analistas do Banco Central do Brasil (ANBCB).

Mobilização começou em março

Desde o dia 17 de março, os servidores e servidoras do BC fazem operação tartaruga. Todos os dias pararam das 14h às 18h, para pressionar o governo a atender suas reivindicações.

As mobilizações são uma resposta da categoria ao anúncio feito por Bolsonaro, no final do ano passado, de que iria reajustar apenas os salários de policiais rodoviários e federais.

O que faz o BC

Dentre as atribuições do Banco Central estão:

– emitir papel-moeda e moeda metálica;

– executar os serviços do meio circulante;

– receber recolhimentos compulsórios e voluntários das instituições financeiras e bancárias;

– realizar operações de redesconto e empréstimo às instituições financeiras;

– regular a execução dos serviços de compensação de cheques e outros papéis;

– efetuar operações de compra e venda de títulos públicos federais;

– exercer o controle de crédito;

– exercer a fiscalização das instituições financeiras;

– autorizar o funcionamento das instituições financeiras;

– estabelecer as condições para o exercício de quaisquer cargos de direção nas instituições financeiras;

– vigiar a interferência de outras empresas nos mercados financeiros e de capitais; e,

 – controlar o fluxo de capitais estrangeiros no país.

Foto: Marcello Casal Jr / Agência Brasil

Fonte: CUT

Close