[email protected] | (41) 3322-9885 | (41) 3324-5636

Por 10:27 Notícias

Preços dos alimentos e bebidas aumentaram quatro vezes mais em julho, diz IBGE 

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que mede a inflação para famílias com renda de um (R$ 1.212) a 40 salários mínimos (R$ 48.480), caiu para 0,13% em julho, mas os produtos de alimentos e bebidas continuam em alta e cada vez mais caros.

Esses produtos subiram 1,16% em julho, quatro vezes mais do que no mês anterior quando o índice ficou em 0,25%. De acordo com a pesquisa, divulgada nesta terça-feira (26), pelo IBGE, o que mais pesou foi o aumento nos preços do leite longa vida (22,27%), maior impacto individual no índice do mês, com 0,18 %. No ano, a variação acumulada do produto chega a 57,42%.

Além disso, alguns derivados do leite também registraram alta no IPCA-15 de julho, a exemplo do requeijão (4,74%), da manteiga (4,25%) e do queijo (3,22%).

Outros destaques no grupo foram as frutas (4,03%), que haviam tido queda em junho (-2,61%), o feijão-carioca (4,25%) e o pão francês (1,47%). Com isso, a alimentação no domicílio variou 1,12% em julho.

A alimentação fora do domicílio teve alta de 1,27% em julho, acelerando em relação a junho (0,74%). Tanto o lanche (2,18%) quanto a refeição (0,92%) tiveram variações superiores às do mês anterior (1,10% e 0,70%, respectivamente).

No geral, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) foi 0,56 % abaixo da taxa registrada em junho (0,69%). Essa é a menor variação mensal do IPCA desde junho de 2020 (0,02%). No ano, o IPCA-15 acumula alta de 5,79% e, em 12 meses, de 11,39%, abaixo dos 12,04% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores.

Favoreceram essa queda, principalmente, os itens relacionados a transporte e habitação. Este último item caiu -0,78%, graças à redução de 4,61% na energia elétrica residencial. Em julho, segue em vigor a bandeira verde, em que não há cobrança adicional na conta de luz.

No grupo dos Transportes a queda registrada é de -1,08% e foi influenciada pelo recuo nos preços dos combustíveis (-4,88%), em particular da gasolina (-5,01%) e do etanol (-8,16%). O óleo diesel seguiu na contramão dos demais combustíveis, com alta de 7,32%. No lado das altas, as passagens aéreas subiram 8,13%, contribuindo com 0,05 % no IPCA-15 de julho. Cabe mencionar também a variação positiva do ônibus urbano (0,67%), consequência do reajuste de 11,36% nas passagens em Salvador (7,46%) aplicado efetivamente a partir de 4 de junho.

Confira os reajustes

GrupoVariação Mensal (%)Impacto (p.p.)
JunhoJulhoJunhoJulho
Índice Geral0,690,130,690,13
Alimentação e bebidas0,251,160,050,25
Habitação0,66-0,780,10-0,12
Artigos de residência0,940,390,040,01
Vestuário1,771,390,080,06
Transportes0,84-1,080,19-0,24
Saúde e cuidados pessoais1,270,710,160,09
Despesas pessoais0,540,790,050,08
Educação0,070,070,000,00
Comunicação0,36-0,050,020,00
Fonte: IBGE, Sistema Nacional de Índices de Preços ao Consumidor.  

Variação nas regiões metropolitanas

A região metropolitana em que a alta foi maior, foi a do Recife (Pernambuco) com variação mensal de 0,87%. A mais baixa foi em Goiânia (Goiás), com queda de 0,98%.

Confira no quadro

RegiãoPeso Regional (%)Variação Mensal (%) Variação Acumulada (%) 
JunhoJulhoAno12 meses
Recife4,710,840,876,7712,03
Fortaleza3,880,730,426,7711,54
São Paulo33,450,790,355,9011,57
Salvador7,191,160,286,8112,74
Porto Alegre8,610,570,214,1210,13
Brasília4,840,740,175,4011,31
Belo Horizonte10,040,500,085,7510,67
Rio de Janeiro9,770,46-0,106,1311,19
Belém4,460,18-0,315,089,10
Curitiba8,090,70-0,315,8512,75
Goiânia4,960,54-0,984,8011,05
Brasil100,000,690,135,7911,39
Fonte: IBGE, Sistema Nacional de Índices de Preços ao Consumidor.    

 Metodologia

Para o cálculo do IPCA-15, os preços foram coletados no período de 14 de junho a 13 de julho de 2022 (referência) e comparados com aqueles vigentes de 14 de maio a 13 de junho de 2022 (base) e abrange as regiões metropolitanas do Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte, Recife, São Paulo, Belém, Fortaleza, Salvador e Curitiba, além de Brasília e do município de Goiânia. A metodologia utilizada é a mesma do IPCA, a diferença está no período de coleta dos preços e na abrangência geográfica.

Confira a íntegra da pesquisa do IBGE aqui. 

Foto: Roberto Parizotti

Fonte: CUT

Close