[email protected] | (41) 3322-9885 | (41) 3324-5636

Por 12:18 Notícias

Bolsonaro tenta atrair jovens contando mentiras

Para tentar diminuir o índice de 67% de rejeição entre jovens de 16 a 29 anos em 12 capitais brasileiras, segundo a pesquisa Datafolha, o presidente Jair Bolsonaro (PL), está usando a tática que mais domina: mentir descaradamente.

Bolsonaro, que em 1.318 dias como presidente deu 5.988 declarações falsas ou distorcidas, segundo o site Aos Fatos, passou a dar declarações falsas de que, se perder as eleições, o acesso livre à informação por meio do celular estará sob risco.

Leia mais: Aos Fatos | Todas as declarações de Bolsonaro

O presidente associa, de maneira mentirosa, uma eventual vitória do ex-presidente Lula (PT), à frente nas pesquisas, à perda de liberdade no uso de smartphones, com restrições no acesso às mídias sociais e ferramentas de mensagens instantâneas, como o WhatsApp.

“Ele”, disse Bolsonaro no cercadinho onde conversa com seus seguidores se referindo os adolescentes, “vai para a escola sem a mochila, mas não vai sem o celular… Agora, pergunta se o jovem lá de Cuba, da Coreia do Norte… Ou da Venezuela, agora, tem celular”.

“Quem é que tem falado que vai controlar a mídia aí… Quem é que tem falado que vai censurar a mídia, vai democratizar a mídia… Bonito, né, democratizar… (…) Vocês que têm que fazer a cabeça dessa garotada aí, não sou eu”, completou Bolsonaro.

Ao contrário do que o presidente afirma, quem garante o acesso aos dados de celular são as operadoras de telefonia privadas, que, por sua vez, são supervisionadas pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) — órgão ligado ao Ministério das Comunicações, mas com administração independente do governo.

Em 22 de julho, durante visita a Juiz de Fora (MG), Bolsonaro foi ainda mais contundente ao tentar associar o interesse dos jovens pela tecnologia móvel às perspectivas eleitorais. “Algo mais importante que a nossa vida, pessoal, é a nossa liberdade… O homem ou uma mulher, presos, não têm vida. O jovem sem o celular não consegue viver mais. E parece que alguns querem eleger um carrasco para a sua vida”, disse, em crítica direta a Lula, segundo reportagem do UOL.

Lula nunca sugeriu limitar o uso de celulares e/ou restrições de acesso a conteúdos de uma forma geral. Bolsonaro usa o debate sobre a regulação da mídia, que envolve questões legais que afetam empresas e conglomerados de mídia para confundir os jovens sobre o uso de smartphones.

Foto: Rovena Rosa/Ag. Brasil

Fonte: CUT

Close