Acontece na próxima quinta e sexta-feira, dias 8 e 9, a primeira rodada de negociação do Comando Nacional dos Bancários, coordenado pela Contraf-CUT, com a Fenaban, em São Paulo. Nessa primeira etapa, será discutido o bloco de reivindicações sobre condições de trabalho, que envolve saúde do trabalhador, fim das metas abusivas e do assédio moral, e segurança bancária.

A Campanha Nacional dos Bancários deste ano tem como eixos centrais reajuste de 11,93% (inflação projetada do período mais aumento real de 5%), elevação do piso salarial ao valor do salário mínimo calculado pelo Dieese (R$ 2.860,21), defesa do emprego, fim da terceirização e melhores condições de trabalho.

Para o presidente da Contraf-CUT e coordenador do Comando Nacional, Carlos Cordeiro, os balanços dos bancos mostram que a situação do sistema financeiro é muito sólida, que os lucros continuam muito altos e que, por isso, eles têm plenas condições de atenderem às reivindicações dos bancários. “O momento é favorável para avançar nas conquistas econômicas e sociais da categoria”, destaca.

BB e Caixa

O Comando Nacional também entregou as pautas de reivindicações específicas às direções do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal. A primeira rodada de negociações com o BB foi marcada para o dia 14, às 13h, em Brasília. Com a Caixa, as negociações começam na próxima sexta-feira, dia 9, às 15h, também em Brasília. Em ambas, o tema inicial será saúde e condições de trabalho.

Bancos privados obtêm lucros astronômicos

Os três maiores bancos privados do país (Itaú, Bradesco e Santander) publicaram nos últimos dias os balanços do primeiro semestre de 2013, somando lucros de R$ 15,905 bilhões.

O lucro líquido do Itaú atingiu R$ 7,055 bilhões, o segundo maior lucro semestral da história dos bancos brasileiros, só ficando atrás de outro recorde do próprio banco no ano de 2011 (R$ 7,133 bilhões). O Bradesco obteve lucro líquido de R$ 5,921 bilhões, o maior da história do banco, e o Santander apurou um lucro gerencial de R$ 2,929 bilhões.

No entanto, eles continuaram demitindo milhares de bancários, praticando rotatividade para reduzir custos e eliminando juntos 5.988 empregos no semestre. Já nos últimos 12 meses os três bancos fecharam 10.254 empregos. Isso é inaceitável. “Eles estão andando na contramão do emprego, uma vez que o país gerou 826.168 novos postos de trabalho no período”, aponta o dirigente sindical.

Vem pra luta, bancário e bancária!

Para Carlos Cordeiro, esses lucros, frutos do trabalho dos bancários, estimulam ainda mais a participação nas atividades de mobilização dos bancários. “Chegou a hora de ir à luta para conquistar aumento real de salário, emprego decente e distribuição de renda”, conclama. “Somente com ousadia, unidade e mobilização, vamos arrancar o atendimento das reivindicações da categoria”, salienta.

“Vem pra luta, bancário e bancária”, convoca o presidente da Contraf-CUT.

Fonte: Contraf-CUT

===================================================================

Comando entrega reivindicações à Fenaban e inicia negociações dia 8

Crédito: Jailton Garcia – Contraf-CUT

Jailton Garcia - Contraf-CUTBancários entregam pauta geral à Fenaban e específicas ao BB e Caixa

O Comando Nacional dos Bancários, coordenado pela Contraf-CUT, entregou nesta terça-feira 30 à Fenaban, em São Paulo, a pauta de reivindicações da Campanha 2013, aprovada pela 15ª Conferência Nacional dos Bancários realizada de 19 a 21 de julho. A primeira rodada de negociações já está marcada para o dia 8 de agosto, sobre o bloco condições de trabalho, que envolve saúde do trabalhador, metas abusivas, assédio moral e segurança bancária.

Na sequência da reunião com a Fenaban, o Comando Nacional também entregou nesta terça-feira as pautas de reivindicações específicas às direções do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal. A primeira rodada de negociações com o BB foi marcada para 14 de agosto, também sobre o tema saúde e condições de trabalho. Com a Caixa, o calendário de negociações será definido nos próximos dias.

A Campanha Nacional dos Bancários deste ano tem como eixos centrais reajuste de 11,93% (inflação projetada do período mais aumento real de 5%), elevação do piso salarial ao valor do salário mínimo calculado pelo Dieese (R$ 2.860,21), defesa do emprego, fim da terceirização e combate às metas abusivas e ao assédio moral.

Veja aqui as principais reivindicações.

‘Sociedade está indignada com injustiças’

“A campanha nacional deste ano ocorre em um momento importante e rico de significados, em que a sociedade vem manifestando sua indignação com toda forma de injustiça, está indo às ruas e obtendo importantes conquistas”, disse na abertura da reunião o presidente da Contraf-CUT e coordenador do Comando Nacional, Carlos Cordeiro. A mesa da Fenaban foi coordenada pelo presidente Murilo Portugal.

“A conjuntura também é favorável para a campanha dos bancários por conta dos balanços dos bancos, mostrando que a situação do sistema financeiro é muito sólida. Os resultados são invejáveis, com aumento dos lucros e rentabilidade na casa dos 18%, acima dos outros setores da economia e do sistema financeiro internacional”, acrescentou Carlos Cordeiro.

“Os bancos precisam dar a sua contribuição para transformar o Brasil num país menos injusto. É, portanto, um momento favorável para que ousemos e avancemos nas conquistas dos bancários, com o fim das demissões e da rotatividade, mais contratações, aumento real de salário e valorização do piso e da PLR, melhores condições de trabalho e combate ao assédio moral e às metas abusivas”, reivindicou o presidente da Contraf-CUT.

Ele avisou ainda a Fenaban que os bancários estão mobilizados por outros temas da conjuntura nacional, que não tem relação direta com a campanha nacional mas sim com o futuro da categoria, como o combate ao PL 4330, que legaliza a terceirização e aumenta a precarização do trabalho no Brasil.

A presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Juvandia Moreira, disse esperar “que haja uma boa dinâmica das negociações e que o processo negocial seja rápido, positivo e traga bons resultados aos bancários”.

Negociação começa dia 8 de agosto

Por sugestão da Contraf-CUT, a primeira rodada de negociação, no dia 8 de agosto, será sobre condições de trabalho. Por julgar que um dia é pouco, a Confederação propôs que as negociações sobre o tema continuem no dia 9. O coordenador da mesa da Fenaban disse que vai consultar os bancos e dará retorno.

O calendário geral das negociações será acertado na reunião do dia 8.

Banco do Brasil e Caixa

Após a reunião com a direção da Fenaban, o Comando Nacional entregou separadamente as pautas de reivindicações dos funcionários do BB e dos empregados da Caixa aos representantes dos dois bancos públicos federais.

A pauta específica do BB foi aprovada pelo 24º Congresso Nacional dos Funcionários do Banco do Brasil, realizado de 17 a 19 de maio, e está centrada no combate ao plano de funções comissionadas, ao assédio moral, às práticas antissindicais e às péssimas condições de trabalho.

Veja aqui as principais reivindicações específicas do funcionalismo do BB

Já a pauta específica da Caixa foi aprovada pelo 29º Congresso Nacional dos Empregados (Conecef), também realizado de 17 a 19 de maio, e tem como eixos principais saúde do trabalhador, condições de trabalho e Saúde Caixa, segurança bancária, carreira e condições de funcionamento das agências, papel social da Caixa, contratação, isonomia, Sipon e jornada de trabalho, e questões que tratam da Funcef e aposentados.

Conheça aqui a pauta específica de reivindicações dos empregados da Caixa.

Fonte: Contraf-CUT

Escreva um comentário

Rua XV de novembro, 270, sala 510, Centro, Curitiba-PR, CEP 80020-310, Fone (41)-33229885, Fax (41)-33245636, fetec@fetecpr.org.br