[email protected] | (41) 3322-9885 | (41) 3324-5636

Por 13:39 Santander

ABN insiste em negar relação da doença com o trabalho -Seeb SP – 14/02/2006

(São Paulo) Além de passar por cima da decisão dos peritos do INSS, o ABN Real nega-se a apresentar o nexo causal (relação da doença com o trabalho) para descaracterizar a doença ocupacional. Seguindo esse raciocínio, encaminha o bancário ao INSS para requerer auxílio-doença e não auxílio por acidente de trabalho.
“Essa manobra implica no não recolhimento do INSS e na redução do tempo de estabilidade de emprego. O banco tenta se eximir da culpa de que o funcionário ficou doente em função do trabalho realizado dentro da empresa”, destaca Gutemberg de Oliveira, diretor da Fetec-SP/CUT.
O Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região e a Fetec SP orientam aos bancários que sofrerem esse tipo de pressão e desrespeito a entrar em contato com o Sindicato, para que o procedimento correto seja realizado. “O banco tem de agir dentro dos procedimentos legais e promover um programa de prevenção e reabilitação que atenda às necessidades dos trabalhadores”, afirmou Roseane Rodrigiues, diretora do Seeb/SP.
Fonte: Elisângela Cordeiro – Seeb SP

Por 13:39 Sem categoria

ABN insiste em negar relação da doença com o trabalho -Seeb SP – 14/02/2006

(São Paulo) Além de passar por cima da decisão dos peritos do INSS, o ABN Real nega-se a apresentar o nexo causal (relação da doença com o trabalho) para descaracterizar a doença ocupacional. Seguindo esse raciocínio, encaminha o bancário ao INSS para requerer auxílio-doença e não auxílio por acidente de trabalho.

“Essa manobra implica no não recolhimento do INSS e na redução do tempo de estabilidade de emprego. O banco tenta se eximir da culpa de que o funcionário ficou doente em função do trabalho realizado dentro da empresa”, destaca Gutemberg de Oliveira, diretor da Fetec-SP/CUT.

O Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região e a Fetec SP orientam aos bancários que sofrerem esse tipo de pressão e desrespeito a entrar em contato com o Sindicato, para que o procedimento correto seja realizado. “O banco tem de agir dentro dos procedimentos legais e promover um programa de prevenção e reabilitação que atenda às necessidades dos trabalhadores”, afirmou Roseane Rodrigiues, diretora do Seeb/SP.

Fonte: Elisângela Cordeiro – Seeb SP

Close