[email protected] | (41) 3322-9885 | (41) 3324-5636

Por 11:28 Sem categoria

Trabalhadores querem avanços no projeto de segurança elaborado pelo Ministério da Justiça

Trabalhadores bancários defendem medidas de proteção à vida das pessoas

A Contraf-CUT se reuniu na tarde desta sexta-feira (2) com o secretário de Assuntos Legislativos do Ministério da Justiça, Marivaldo Pereira, em Brasília. Os bancários reforçaram as principais reivindicações da categoria para o projeto de lei que cria o estatuto de segurança privada, que encontra em fase de conclusão, visando atualizar a lei federal 7.102/83, hoje desatualizada frente à situação de violência e criminalidade no País.

“Queremos avanços na proposta que está sendo elaborada pelo Ministério da Justiça, com a participação da Polícia Federal, a fim de prevenir assaltos e sequestros e proteger a vida de trabalhadores e clientes”, destacou Ademir Wiederkehr, secretário de imprensa da Contraf-CUT e coordenador do Coletivo Nacional de Segurança Bancária. “Não aceitamos retrocessos”, apontou.

Também participaram dos debates o diretor do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Daniel Reis, e o diretor do Sindicato dos Bancários de Belo Horizonte, Leonardo Fonseca, bem como o coordenador-geral de Controle de Segurança Privada (CGCSP), delegado Clyton Xavier, além de assessores do Ministério da Justiça e da Polícia Federal.

A reunião durou quase três horas. Os bancários ressaltaram a importância de avanços, como a obrigatoriedade das portas individualizadas de segurança com detectores de metais em todos os estabelecimentos, a colocação de câmeras de monitoramento em tempo real, a afixação de vidros blindados nas fachadas, a proibição do transporte de valores pelos bancários, o fim da guarda das chaves do cofre e de agências por bancários como forma de evitar sequestros e a implantação de procedimentos que garantam a privacidade nos saques como medida para prevenir o crime da “saidinha de banco”, dentre outras.

Os bancários mostraram aos representantes do governo a preocupação com o crescimento dos assaltos a bancos em 2011, como indica a estatística da Febraban, apresentada na quinta-feira (1º), durante a retomada da mesa temática de Segurança Bancária com a Contraf-CUT, federações e sindicatos, em São Paulo. No ano passado, os bancos apuraram 422 ocorrências, um aumento de 14,36% em relação aos 369 casos verificados em 2010.

“Esse crescimento pode estar ligado à retirada de portas giratórias em alguns bancos, como Itaú e o Bradesco”, observou Ademir, uma vez que os números de assaltos caíram a partir de 2000, logo após a instalação das portas de segurança em várias cidades do país.

A Contraf-CUT ressaltou no Ministério da Justiça que os bancos possuem recursos suficientes para ampliar os investimentos em segurança. Segundo pesquisa do Dieese, com base nos balanços de 2011 dos cinco maiores bancos, as despesas de segurança e vigilância somaram R$ 2,6 bilhões, o que representa uma média de 5,2% do lucro líquido de R$ 50,7 bilhões.

“A melhoria da segurança é essencial para eliminar riscos e evitar mortes, feridos e traumatizados”, salientou Daniel. Em 2011, conforme pesquisa nacional da Contraf-CUT e da Confederação Nacional dos Vigilantes (CNTV), com base em notícias da imprensa, 49 pessoas foram mortas em assaltos envolvendo bancos em todo país, uma média de 4 vítimas por mês, na sua maioria clientes. Em 2010, houve 23 ocorrências. “Para nós, a vida das pessoas está acima do lucro”, frisou Leonardo.

Marivaldo ouviu e debateu as demandas dos bancários, dizendo que tem recebido iniciativas dos demais setores envolvidos com a segurança privada. “Todas as sugestões serão analisadas”, disse. Depois, a proposta de projeto de lei será levada para a apreciação do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, visando fechá-la para encaminhamento ao Congresso Nacional.

Fonte: Contraf-CUT

=============================

Assaltos a bancos crescem 14,36% em 2011, indica pesquisa da Fenaban

Crédito: Jailton Garcia – Contraf-CUT

 

 

 

 

 

Bancários cobraram manutenção das portas giratórias de segurança

A estatística nacional da Febraban sobre assaltos a bancos, consumados ou não, indicou 422 ocorrências em 2011, um crescimento de 14,36% em relação a 2010. A informação foi divulgada na tarde desta quinta-feira (1º) para a Contraf-CUT, federações e sindicatos, durante a mesa temática de Segurança Bancária, em São Paulo,

A revelação semestral de assaltos a bancos foi uma das conquistas da Campanha Nacional dos Bancários de 2010, e está prevista na Cláusula 31ª da Convenção Coletiva de Trabalho de 2011/2012. Os casos de sequestros estão incluídos, segundo a Fenaban.

O crescimento de assaltos em 2011 quebra uma tendência decrescente de ocorrências nos últimos anos, conforme apontam os números apresentados pela Fenaban.

Confira a evolução da estatística da Febraban:

. 2000 – 1.903
. 2001 – 1.302
. 2002 – 1.009
. 2003 – 885
. 2004 – 743
. 2005 – 585
. 2006 – 674
. 2007 – 529
. 2008 – 509
. 2009 – 430
. 2010 – 369
. 2011 – 422

Avaliação dos bancários

“Esses números são preocupantes, pois são muito altos e ainda voltaram a subir”, disse Ademir Wiederkehr, secretário de imprensa da Contraf-CUT. Ele avaliou que “para a redução dos assaltos ocorrida a partir de 2000 foi fundamental a instalação das portas giratórias de segurança com detectores de metais, que começaram a ser colocadas a partir do final dos anos 90, por força da mobilização dos bancários em todo país e da aprovação de leis municipais de várias cidades”.

Para o dirigente sindical, “o crescimento dos assaltos pode estar ligado à retirada de portas giratórias por alguns bancos e à inauguração de novas unidades sem esse equipamento indispensável, que já virou símbolo de proteção da vida de trabalhadores e clientes”.

O diretor do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Daniel Reis, também não se surpreendeu com os números exibidos. Ele afirmou que o levantamento da Secretaria de Segurança Pública já havia revelado o crescimento de 211 para 254 assaltos no Estado de São Paulo, sobretudo nas áreas nobres da capital paulista.

Daniel afirmou que em assembleias realizadas pelo Sindicato no dia anterior, os bancários aprovaram uma moção de repúdio aos bancos que estão retirando portas giratórias. Ele também propôs um gesto para a Fenaban: desaconselhar os bancos a retirar esse equipamento. Mas a entidade dos banqueiros disse que “não seria possível”.

Carta em defesa das portas giratórias

A Contraf-CUT entregou uma carta para a Fenaban, manifestando “a grande preocupação dos bancários de todo Brasil diante da política adotada por alguns bancos de retirada das portas giratórias”. Para a entidade, “trata-se de um retrocesso perigoso, que é inaceitável”. A reivindicação é “a manutenção e a ampliação das portas giratórias para todas as agências e postos de atendimento”.

Clique aqui para ler a íntegra do documento.

Bancários cobram números de arrombamentos e “saidinha de banco”

Os bancários solicitaram também os números dos arrombamentos a bancos, uma vez que esses ataques dispararam nos últimos anos, sobretudo com o uso de explosivos. A Fenaban disse que não possui números, alegando que ocorrem fora do horário de atendimento, não envolvem pessoas e seriam problemas de segurança pública. “Os bancos são responsáveis pela segurança de seus estabelecimentos, sendo que tais ataques geram insegurança para trabalhadores e clientes, na medida em que revelam a vulnerabilidade das instalações”, rebateu Ademir.

A Contraf-CUT ainda requereu dados sobre o crime da “saidinha de banco”, mas a Fenaban voltou a dizer que é um problema de segurança pública. Os bancários rebateram. “Esse ataque começa dentro das agências, diante da falta de privacidade dos clientes na hora dos saques. É lá que os olheiros escolhem as vítimas. Portanto, os bancos não podem fugir de suas responsabilidades e jogar a culpa para os clientes e à polícia”, salientou o dirigente sindical.

Portas giratórias e “saidinha de banco” na pauta da próxima reunião

A próxima reunião trimestral da mesa temática, conforme estabelece a convenção coletiva, será realizada em maio. A data ficou de ser agendada posteriormente.

Os bancários pautaram dois assuntos para discussão: portas giratórias e “saidinha de banco”. Segundo Ademir, “a permanência das portas de segurança é fundamental porque esse equipamento, apesar da controvérsia de alguns bancos, já comprovou a sua eficácia, como revela a queda dos assaltos desde 2000”.

O debate acerca do combate à “saidinha de banco” também precisa ser retomado. “No ano passado, apresentamos várias propostas aos bancos, como a instalação de biombos entre a fila e a bateria de caixas, a colocação de divisórias opacas e individualizadas entre os caixas, a instalação de sistemas de monitoramento em tempo real em agências e postos de atendimento, e a isenção das tarifas de transferências (TED, DOC) para diminuir a circulação de dinheiro”, destaca Ademir.

A Contraf-CUT frisou que os bancos possuem recursos para ampliar os investimentos em segurança. Segundo pesquisa do Dieese, com base nos balanços de 2011 dos cinco maiores bancos, as despesas de segurança e vigilância somaram R$ 2,6 bilhões, o que representa uma média de 5,2% do lucro líquido de R$ 50,7 bilhões. “Oferecer ambientes seguros e protegidos seria uma forma de contrapartida social”, defendeu o dirigente sindical.

Em 2011, conforme pesquisa nacional da Contraf-CUT e da Confederação Nacional dos Vigilantes (CNTV), com base em notícias da imprensa, 49 pessoas foram mortas em assaltos envolvendo bancos em todo país, uma média de 4 vítimas por mês, na sua maioria clientes. Em 2010, houve 23 ocorrências. “A vida das pessoas precisa ser colocada em primeiro lugar”, ressaltou.

Participaram da mesa temática represetantes da Fetec-SP, Fetec-PR, Feeb RJ-ES, Fetraf-MG, Fetrafi-RS, Fetrafi-NE, Fetec-CN e Feeb SP-MS.

Fonte: Contraf-CUT

NOTÍCIAS COLHIDAS NO SÍTIO www.contrafcut.org.br

Close