[email protected] | (41) 3322-9885 | (41) 3324-5636

Por 20:40 Agenda Sindical, Destaque

24.ª Conferência Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro começa com desafios pela frente

Começou na noite desta sexta-feira (10) a 24.ª Conferência Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro da CUT (Contraf-CUT). O evento vai até o domingo (12) e está sendo realizado no formato híbrido (parte presencial, parte virtual).

Com o tema “Um país + justo pra gente, este é o Brasil que a gente quer”, a conferência vai debater a pauta de reivindicações da Campanha Nacional dos bancários. Por ser ano de eleição, a categoria irá debater também o futuro do país e a necessidade de tirar do poder o atual e desastroso governo.

O presidente da Federação dos Trabalhadores em Empresas de Crédito do Paraná (Fetec-CUT-PR), Deonísio Schmidt, acredita que os bancários e bancárias terão um grande desafio pela frente. “Enfrentaremos um segmento patronal difícil, conhecemos a fome de lucro dessa gente, mas eles sabem que vão encontrar do outro lado da mesa uma categoria organizada e resistente”, afirmou o dirigente.

Deonísio disse ainda que não podemos apenas buscar a renovação dos acordos na minuta. É preciso, urgente, fazer um resgate da democracia. “Precisamos nos organizar, fortalecer nossos comitês de luta e atuar fortemente para defender os bancos públicos, lutar contra as reformas, contra as privatizações. Nossa participação é extremamente importante nesse processo”, salienta.

O presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Sérgio Nobre, discursou para a categoria, desejando sucesso nesta campanha e também destacou a mobilização dos bancários em ajudar na campanha para que Lula seja novamente presidente. “Nós sabemos que a campanha salarial é importantíssima, mas a campanha eleitoral, daqui a três meses e meio, é ganhar ou ganhar. Perder as eleições presidenciais significa a manutenção da fome, da miséria, da pobreza e não podemos mais continuar assim. A saída é ganhar as eleições e derrotar o bolsonarismo. A categoria está de parabéns por estar unificada nesta luta”, opina.

Defesa da democracia

Diante de um governo adepto da necropolítica, genocida, desigual e proto-fascista, nada mais justo que a Contraf-CUT salutar na abertura da conferência justamente aquilo que combate estes males: a democracia.

Ao longo de duas horas, as bancárias e bancários presentes ou acompanhando de forma virtual concluíram que somente com Lula a esperança de um país melhor será possível. A continuidade do atual desgoverno federal, porém, significaria uma tragédia sem precedentes para os trabalhadores.

A presidenta da Contraf, Juvandia Moreira, afirma que, após as trevas do governo Bolsonaro, uma possibilidade bons ventos surge novamente com Lula. “Felizmente há esperança para o Brasil. Não podemos mais aceitar a destruição causada no Brasil, que começou no golpe contra a Dilma e segue no governo atual. Temos capacidade e condição de colocar o Brasil nos trilhos novamente. O país tem que ser de todos. Não podemos perder nossa capacidade de se indignar. Queremos um Brasil fraterno e feliz, com Lula presidente”, diz

Juvandia citou também no discurso de abertura que a Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) dos bancários completa 30 anos em 2022. “Chegamos a um marco importante, que são os 30 anos da CCT. Soubemos respeitar as diferenças e nos unimos, o que garantiu esta vitória tão importante. Se conseguimos isso, então seremos força para ser a parte da mudança que o Brasil precisa. Nossa história mostra a capacidade e responsabilidade da categoria. Vamos eleger Lula presidente, sem esquecer das eleições para o legislativo, e tirar este governo”.

Juvandia encerrou a abertura desejando a todos um bom debate e que os bancários sigam unidos. “Vamos nos mobilizar para ser vitoriosos. Vamos vencer na campanha nacional e nas eleições deste ano”, encerra.

Texto: Flávio Augusto Laginski

Fonte: Fetec

Close