[email protected] | (41) 3322-9885 | (41) 3324-5636

Por 10:41 Bradesco

Ação sindical com MPT reverte terceirização no Bradesco em São Paulo

Sem luta não há vitória. E graças ao trabalho conjunto do Ministério Público do Trabalho (MPT) com o Sindicato dos Bancários de São Paulo, cerca de 100 terceirizados do setor de cartões do Bradesco serão demitidos da empresa Manpower e contratados pela instituição financeira, pois exercem funções de bancário.

A defesa dos direitos dos trabalhadores terceirizados sempre foi uma das bandeiras do Sindicato e o setor de cartões do Bradesco, localizado nas concentrações Cidade de Deus, em Osasco, e Rio Negro, em Alphaville, é um dos alvos de atuação há anos por conta da falta de condições de trabalho.

A situação foi flagrada no dia 30 de janeiro pelo MPT, sendo a visita no departamento delegada pelo procurador Luiz Carlos Fabre. “A ação foi acompanhada por nós, representantes dos trabalhadores, e na ocasião foi constatado que funcionários terceirizados executam trabalho bancário e respondem ao mesmo supervisor que trabalhadores da categoria”, relata o diretor do Sindicato, Alexandre Bertazzo.

Entre as irregularidades está o acesso à informação sobre dados de clientes, que deve ser feito somente por bancários.

Outro ponto importante na luta da categoria é contra a discriminação. “É um avanço, uma vitória diante de um dos maiores desafios do Sindicato deste século, a precarização por meio da terceirização. Essas pessoas não usufruíam das conquistas dos bancários, como o vale-refeição no mesmo valor, convênio médico, PLR, auxílio-creche/babá, 13ª cesta entre outros itens que são resultados de luta. No entanto, eles apoiam as manifestações. Nada mais justo, agora, fazerem parte dessa categoria”, destaca a diretora do Sindicato, Sandra Regina.

No dia 18 de março representantes do MPT voltaram à Cidade de Deus para ver em que situação estavam os trabalhadores e constataram que a direção do banco já estava tomando as medidas legais para a regularização. Agora, o Sindicato acompanhará de perto o processo de contratação.

Conforme Sandra Regina, a empresa terceirizada deve demitir os funcionários. “Esses trabalhadores não podem ser pressionados a pedir demissão. Eles devem receber seus direitos, trabalharam anos por isso. O banco imediatamente deve iniciar o processo de contratação. Estamos de olho nessa transição que deve ser feita de maneira justa e dentro da lei. É uma situação que poderia ter sido resolvida em mesa de negociação, o que não foi possível. Que sirva de exemplo para outras instituições financeiras e para o próprio Bradesco, caso pratique a mesma irregularidade em outros departamentos”.

Atenção! 

Os dirigentes sindicais comunicam que o funcionário da Manpower que enfrentar dificuldades no processo de transição para a categoria bancária, principalmente na dispensa da terceirizada, deve entrar em contato imediatamente com o Sindicato.

A Regional Osasco fica na Rua Presidente Castelo Branco, 150, Centro. O telefone é 3682-3060 e o horário de funcionamento das 8h às 18h.

Fonte: Contraf-CUT com Seeb São Paulo

Close